SAÚDE

Confira dicas para reduzir impactos do inverno na saúde do seu pet

A queda de temperatura pode causar doenças respiratórias também em nossos amigos de quatro patas. Saiba como isso pode afetá-los e como fazer para evitar sintomas

Katarina Moraes
Katarina Moraes
Publicado em 07/07/2021 às 15:51
Notícia
PIXABAY
É preciso respeitar o conforto do animal e buscar por alternativas de aquecimento - FOTO: PIXABAY
Leitura:

Tosse, espirros, febre e coriza são algumas das consequências da mudança de tempo trazida pelo inverno. Mas você sabia que esses sintomas não são reservados aos humanos? A queda de temperatura pode causar doenças respiratórias também em nossos amigos de quatro patas. Por isso, caso o tutor note qualquer alteração na saúde do pet, é de extrema importância levá-lo ao médico-veterinário, que chegará ao diagnóstico e estabelecerá a melhor conduta para o tratamento do animal.

Segundo a médica-veterinária Kathia Almeida Soares, os vírus e as bactérias podem causar problemas respiratórios tanto em cães quanto em gatos durante todo o ano, mas costumam ocorrer com maior frequência no inverno, principalmente por causa do tempo seco em alguns locais do Brasil associado a um ambiente fechado e sem ventilação.

"Esses microrganismos são transmitidos quando um cachorro saudável tem contato com um cachorro infectado, por exemplo, por meio da secreção nasal, ou quando o contato acontece por objetos e locais contaminados, como bebedouros, comedouros e brinquedos", conta.

Os principais sintomas são espirros, secreção nasal, tosse, secreção ocular, apatia, febre e perda de peso. No entanto, a veterinária atenta que embora alguns sintomas possam não parecer sérios para o tutor, não devem ser subestimados.

"Muitos deles podem evoluir para quadros mais graves, como uma pneumonia ou podemos estar diante de agentes mais perigosos como o vírus da cinomose canina, que pode passar de alterações respiratórias para complicações neurológicas, podendo ocorrer inclusive o óbito", alerta Kathia.

Confira dicas de cuidados com pets durante o inverno

As dicas são da médica-veterinária Natália Lopes

  • Visita a uma Clínica-Veterinária

É importante uma visita ao Médico-Veterinário no início da estação para uma avaliação geral do pet. Com a queda nas temperaturas, o sistema imunológico dos animais pode ficar mais suscetível. Então aproveite a estação mais fria e veja se seu pet está com as vacinas anuais em dia e faça aqueles exames de rotina anual.

  • Cheque se a vacinação está em dia

"Os pets podem pegar gripe?" Sim! Inclusive, é essencial garantir que todas as vacinas estejam em dia: os cães podem tomar a vacina contra Gripe Canina. Já para os gatos, a vacina mais importante no inverno é a Quádrupla Felina.

  • Sensação térmica

"Assim como nós, os pets sentem mais frio no inverno?" Precisamos ficar atentos em sinais de que o cão pode estar sendo afetado negativamente pelo frio no inverno. O que fica aparente são tremores visíveis, encolhimento, patas levantando repetidamente ou tentativa constante de recolhê-las. Uma boa regra geral é: se a temperatura estiver muito fria para você, o mesmo valerá para o pet.

  • Uso de roupinhas

"Precisamos vesti-los com roupinhas o tempo todo ou há momentos certos para isso?" Dependendo das características do seu pet, o uso de roupinhas de frio poderá sim amenizar a sensação térmica das baixas temperaturas. Mas é importante ficar atento à reação do seu pet. Gatos, por exemplo, dificilmente ficam confortáveis com o uso de roupas. Nesses casos, respeite o conforto do animal e busque por alternativas de aquecimento. Outro ponto importante sobre o uso de roupas é manter os pelos do seu pet livres de nós que podem aparecer com o atrito. Portanto, nada de uso contínuo. Escove seu pet diariamente e aproveite este momento para estreitar seus laços com ele.

  • A caminha ideal

"Devemos trocar a caminha por uma diferenciada, mais quente?" É importante que o pet possa escolher o ambiente que ele se sente mais confortável. Portanto, mantenha a caminha que ele está acostumado e ainda adicione uma coberta ou mantinha que possa manter o ambiente mais aquecido e aconchegante.

  • Cuidado com os pets idosos

"Os cuidados entre filhotes e pets mais velhos têm diferença no inverno?" Independente da fase de vida, os cuidados com os pets devem ser regulares, com check-ups periódicos e cuidados preventivos como a vacinação. Garanta um ambiente com o conforto térmico necessário e observe qualquer mudança de comportamento.

  • Hora do rango

Sabe aquela sensação de mais fome no inverno? Essa máxima não vale para os pets. Nutricionalmente eles não precisam de mudanças na alimentação, por isso, não é necessário aumentar a quantidade de alimento. Respeite sempre a recomendação do Médico-Veterinário ou as orientações da embalagem do fabricante.

  • Exercício é bom e eles gostam

Não deixe de fazer os tradicionais exercícios com seu pet, mesmo que ele pareça mais preguiçoso. Exercício é também o momento de lazer e a manutenção do peso dos animais é super importante. Evite dar petiscos e alimentos de consumo humano para não interferir na dieta e não haver riscos de sobrepeso ou até mesmo intoxicações alimentares.

  • Água abastecida

Ofereça água e também a deixe sempre disponível. Mesmo com um clima mais frio, é importante incentivar os animais a beberem água para garantir a hidratação. Espalhe bebedouros ou tigelas pela casa e inclua na dieta do pet alimentos úmidos como os tradicionais sachês, que garantem que eles tenham uma boa ingestão hídrica ao mesmo tempo que nutricional, e deixam o alimento ainda mais atrativo

  • Nada de fugir do banho

É recomendado diminuir a frequência de banhos durante essa estação. Opte por banhar o animal apenas nos dias ensolarados, em que a temperatura está mais quente. Durante o inverno, a lavagem deve sempre ser feita com água morna e seguida de secagem.

 

Comentários

Últimas notícias