Coluna Mobilidade

Coronavírus já provocou prejuízo de R$ 22 milhões ao transporte público da Região Metropolitana do Recife

Novas medidas para conter a proliferação do coronavírus pelo transporte público - como a suspensão do VEM Idoso - , estão sendo estudadas. Mudanças devem valer a partir de 1º de abril

Roberta Soares Roberta Soares
Cadastrado por
Roberta Soares
Roberta Soares
Publicado em 30/03/2020 às 17:08 | Atualizado em 30/03/2020 às 21:32
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Queda de demanda de passageiros já chegou a 75%. Suspensão do VEM Idoso foi adotada na RMR - FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

POR ROBERTA SOARES, DA COLUNA MOBILIDADE

A redução drástica de passageiros nos ônibus devido à pandemia do coronavírus já provocou um prejuízo de R$ 22 milhões ao Sistema de Transporte Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife. Os dados são do governo de Pernambuco e dizem respeito aos últimos 14 dias (de 16/3 a 29/3). A queda de demanda que na primeira semana da crise estava em 45% já chegou a 74%. Ou seja, apenas 450 mil pessoas estão sendo transportadas diariamente no Grande Recife - nos dias normais, seriam 1,8 milhão de pessoas. Por isso, o Estado planeja novas mudanças na operação, que foi reduzida - pelo menos oficialmente - em 25% das viagens.

O Grande Recife Consórcio de Transporte (CTM) está analisando a demanda da última semana para que a programação seja revista a partir de 1º de abril. Embora o Estado não tenha deixado claro na resposta que encaminhou por email ao JC, a expectativa é de que menos ônibus sejam lançados diariamente, ao menos nos horários de menor movimento. O plano de contingência exigido nos horários de pico, entretanto, deve ser mantido. Segundo o governo, 78 ônibus foram alocados nos terminais integrados de maior movimento com o objetivo de evitar acúmulo de passageiros nas filas.

O Estado afirmou que algumas empresas têm tido dificuldade em manter a frota estabelecida pelo órgão gestor por causa da queda da demanda, embora estejam sendo disponibilizados os veículos extras nos horários de pico. Além de reduzir a frota em 25% e exigir uma ampla higienização dos veículos, o governo também exigiu que os passageiros viajassem, preferencialmente, sentados. E, para isso, ampliou a fiscalização - inclusive com PMs ­- nos terminais integrados. Entre os dias 19/3 e 24/3, a gerência de fiscalização registrou 14 autos de infração por descumprimento da programação pelas empresas de ônibus.

ARTE JC
KLEBER MONTEIRO - ARTE JC

GRATUIDADE DE IDOSOS

Novas medidas para conter a proliferação do coronavírus pelo transporte público - como a suspensão do VEM Idoso, já adotada em algumas cidades - , estão sendo estudadas, segundo o governo. Está sendo analisada a efetividade da possível suspensão, já que tem sido observada redução significativa do uso do sistema por esses passageiros. As cidades que adotaram a medida o fizeram porque vinham identificando um grande número de usuários acima dos 65 anos.

O setor empresarial de ônibus que opera o serviço da RMR, representado pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Pernambuco (Urbana-PE), está silenciado desde o início da crise. As manifestações têm sido feitas apenas nacionalmente, pela Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano ( NTU), que contabiliza os prejuízos e diz que, caso nenhum socorro seja dado ao setor, muitos serviços poderão ser suspensos a partir do dia 5 de abril. Segundo dados da própria NTU, a queda de demanda de passageiros na RMR está em 76% e a redução da frota é de 40% - dados diferentes do que vem sendo divulgado oficialmente pelo governo de Pernambuco.

METRÔ

No caso do Metrô do Recife, a demanda também segue em queda. Segundo a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) em Pernambuco, a queda atual é de 73,2% na Linha Centro e de 85,8% na Linha Sul. O setor de transporte sobre trilhos amarga perdas e dificuldades em todo o País.

SÃO PAULO JÁ AUMENTOU SUBSÍDIOS PARA SOCORRER TRANSPORTE

Em entrevista coletiva no final da manhã desta segunda-feira (30/3), o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, confirmou que o Estado gastará R$ 375 milhões por mês para manter empregos de 108 mil trabalhadores de empresas terceirizadas que prestam serviços para a prefeitura ou de concessionárias - como as empresas de ônibus - para garantir o emprego de motoristas, cobradores e outros profissionais do setor. A medida faz parte de um projeto de lei do Executivo com ações emergenciais para minimizar os impactos econômicos do avanço do coronavírus. Em Pernambuco, os empresários de ônibus estariam - segundo denúncia dos rodoviários - ameaçando demitir 60% do quadro de motoristas, cobradores e fiscais.

LEIA MAIS CONTEÚDO NO www.jc.com.br/mobilidade

BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Passageiros não têm conseguido cumprir as determinações de distância recomendadas - FOTO:BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Terminais integrados ainda têm filas nos horários de pico - FOTO:BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Metrô está operando apenas nos horários de pico da manhã (6h às 9h) e da noite (16h30 às 20h) - FOTO:BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
A Estação Recife do metrô está quase vazia por conta do coronavírus. Sistema está com queda superior a 70% no número de passageiros e opera apenas nos horários de pico - FOTO:BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Expectativa é de que a partir de 1º de abril haja uma nova redução da frota de ônibus - FOTO:BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
ARTE JC
KLEBER MONTEIRO - FOTO:ARTE JC

Comentários

Últimas notícias