COLUNA MOBILIDADE

Metrô do Recife teve 132 falhas, paralisações e evacuações em um ano e meio, mas CBTU diz que está na média do País

15 trens estão parados sem condições de rodar e intervalos mesmo nos horários de pico está quase em 10 minutos

Roberta Soares
Roberta Soares
Publicado em 17/06/2021 às 16:28
Notícia
FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
O Metrô do Recife segue vivendo seu calvário. Sistema deve ser concedido à iniciativa privada - FOTO: FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Leitura:

O Metrô do Recife segue vivendo seu calvário. A já histórica ausência de investimentos - os recursos federais cortados pela metade nem cobrem mais o custeio do sistema - tem cobrado sua conta cada vez mais. Dados informados oficialmente pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) em Recife mostram que o sistema registrou 132 falhas, paralisações e, consequentemente, evacuações entre 2020 e maio deste ano. Além disso, 15 dos 40 trens que compõem a frota metroferroviária estão parados sem condições de voltar a operar pela ausência de peças.

Metrô do Recife precisa de investimento de R$ 1 bilhão para ser repassado à iniciativa privada

Conheça propostas para o metrô dos sonhos no Recife

Série de reportagens Metrôs - Uma conta que não fecha

Em 2020, segundo a CBTU, foram 90 falhas nos trens com evacuações e 12 paralisações no sistema - muitas delas, vale ressaltar, provocadas por atos de vandalismo e furtos de cabos. Em 2021 (até maio), aconteceram 25 falhas e evacuações e 5 paralisações. Apesar de o número de problemas impressionar, o Metrô do Recife alega que a proporção do número de evacuações em relação ao número de viagens realizadas é muito baixa (0,08% para 2020 e 0,07% para 2021). E que esses percentuais estariam dentro das praticadas nos melhores metrôs do Brasil. No total, as linhas Centro e Sul realizaram 113.906 viagens em 2020 e 58.707 viagens em 2021.

FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
Situação segue crítica apesar de a tarifa ter subido de R$ 1,60 para R$ 4 em março de 2020. E, um ano depois, ter aumentado novamente em 6,13% - FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM

A CBTU em Recife ponderou, ainda, que quase a totalidade das evacuações registradas foram realizadas nas plataformas, minimizando os transtornos para os passageiros porque não há a necessidade de descer do trem no meio da via.

A CRISE DE ORÇAMENTO DO SISTEMA PERNAMBUCANO

INTERVALO

Outra informação que confirma as dificuldades enfrentadas pelos funcionários do Metrô Recife para fazer o sistema funcionar e atender aos 200 mil passageiros diários atuais - praticamente metade de antes da pandemia - é o longo intervalo entre os trens. Mesmo nos horários de pico.

Os intervalos atuais entre os trens são:

No horário de pico (das 6h às 8h30 e das 17h às 19h30):
• 8 minutos na Linha Centro
• 9 minutos na Linha Sul

Fora dos horários de pico (horário de vale):
• 10 minutos na Linha Centro
• 12 minutos na Linha Sul

BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Intervalos de quase 10 minutos mesmo nos horários de pico são resultado da ausência de trens para rodar. População é quem sofre - BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM

Confira o especial multimídia UM METRÔ AINDA RENEGADO


Os intervalos dos trens antes da pandemia:

No horário de pico (das 6h às 8h30 e das 17h às 19h30):
• 6 minutos na Linha Centro
• 7,5 minutos na Linha Sul

Fora dos horários de pico (horário de vale):
• 8,5 minutos na Linha Centro
• 10 na Linha Sul

 

Comentários

Últimas notícias