COLUNA MOBILIDADE

Transporte público no Brasil é muito caro e leva quase 20% da renda do trabalhador, aponta pesquisa

Custo tem aumentado ano a ano. Recentes reajustes das passagens, como o do Grande Recife, confirmam o levantamento

Roberta Soares
Cadastrado por
Roberta Soares
Publicado em 28/02/2022 às 12:21 | Atualizado em 28/02/2022 às 12:22
Fernando Frazão/Agência Brasil
Rio de Janeiro - Ônibus do sistema público de transportes, no Centro do Rio. (Fernando Frazão/Agência Brasil) - FOTO: Fernando Frazão/Agência Brasil
Leitura:

O transporte público coletivo do Brasil é muito caro e pesa demais no bolso do passageiro. Quem o utiliza todos os dias sabe disso. E, agora, mais uma pesquisa digital reafirma essa verdade.

Mostra, inclusive, que o Brasil está piorando ano a ano, chegando, em 2022, a ocupar o segundo lugar no ranking de transporte público mais caro da América do Sul e pular, em dois anos, da 56ª posição para a 36ª posição entre os países que têm os ônibus e metrôs mais caros do mundo.

Antes de mais nada, é importante pontuar o tipo da pesquisa citada. Trata-se de um levantamento realizado pelo terceiro ano consecutivo pela empresa CupoNation, uma plataforma multinacional de descontos online, criada em 2012 e sediada na Alemanha, comparou o valor médio do transporte ao redor do mundo.

Confira a série de reportagens A MORTE DO BRT

O CupoNation funciona como um portal de cupons de descontos das principais lojas virtuais em todo o mundo. Detalhes da metodologia e abrangência da pesquisa, no entanto, não são informados no material. A reportagem aguarda um posicionamento da empresa.

Veja o ranking no infográfico:

DIVULGAÇÃO
Ranking mundial do transporte público mais caro - DIVULGAÇÃO

 

Mesmo com a perda - acredita-se que definitiva - de até 20% da demanda de passageiros de antes da pandemia de covid-19, quem depende dos sistemas está gastando, em média, R$ 214 mensalmente apenas para ir e vir. Para quem ganha um salário mínimo, por exemplo, esse valor representa 17,66% da renda - aponta o levantamento, tendo como base o salário mínimo de R$ 1.212/IBGE).

Esse cenário fez com que o Brasil subisse 19 posições no ranking dos mais caros em dois anos - um aumento significativo. O Brasil só perde para o Chile, que desde o primeiro estudo - em 2019 - lidera entre os países da América do Sul.

Infográfico de 2020

E também teve uma classificação pior em 2022. Ficou em 26º lugar este ano e em 41º lugar em 2020. O transporte público do Brasil é mais caro que todos os outros sul-americanos: Uruguai, Bolívia, Colômbia, Venezuela, Peru, Equador, e Argentina cobram menos.

BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Atualmente, o Sistema de Transporte Público de Passageiros da RMR (STTP) está operando com 90% da frota, composta por 2.190 coletivo - BOBBY FABISAK/JC IMAGEM

SUBSÍDIOS

A expectativa por subsídios é grande no setor com a aprovação de um projeto de lei nacional:

Transporte público mais perto de receber ajuda financeira da União: R$ 15 bilhões por três anos

Mas se vingar, ajuda chegará tarde e depois que as passagens do Grande Recife subiram quase 10%:

Aumento das passagens de ônibus no Grande Recife: como esperado, reajuste de quase 10% é aprovado. Veja novos valores

MUNDO

A Irlanda, segundo a Cuponation, foi a nação que cobrou mais caro pela passagem ao converter os valores, sendo R$ 630,25 por mês para se deslocar no transporte público do País. A população da Austrália e da Nova Zelândia aparecem logo atrás na segunda e terceira posições.

No penúltimo e último lugares da lista estão a Armênia e a Tunísia, onde os cidadãos precisam desembolsar somente R$ 52,70 e R$ 52,57, respectivamente, durante o mês.

Comentários

Últimas notícias