Opinião

É preferível que Bolsonaro decepcione seu seguidores para não colocar seu mandato em risco

A pergunta que não vai calar, por esses dias, é até quando vai essa fase de Bolsonaro arrependido. Um dia, dois? E quando ele se encontrar com a militância, a quem tem feito promessas de rompimento com o Supremo Tribunal Federal? Como fica?

Romoaldo de Souza
Romoaldo de Souza
Publicado em 10/09/2021 às 7:23
Análise
REPRODUÇÃO/FACEBOOK
Bolsonaro em live realizada nesta quinta-feira (9) - FOTO: REPRODUÇÃO/FACEBOOK
Leitura:

Até os mais otimistas têm um pé atrás, com relação ao recuo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). É claro que era de se esperar de um chefe do Poder Executivo, no mínimo um pedido de desculpas, mas aí é querer exigir muito de quem evita ter cuidado e zelo com as pessoas que pensam e agem diferente.

Ao pedir arrego ao ex-presidente Michel Temer, Bolsonaro assina atestado de que lhe falta habilidade para enfrentar crises e por isso, vendo o cerco se fechar, fez promessas de que não repetirá as palavras grosseiras do último 7 de Setembro.

Embora tenha dito que não é de bom tom que quem exerce o poder “não tem o direito de ‘esticar a corda’, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia”, a nota divulgada nesta quinta-feira é um tratado de assuntos genéricos que soa mais como um manifesto de recomendação do que o reconhecimento do erro.

A pergunta que não vai calar, por esses dias, é até quando vai essa fase de Bolsonaro arrependido. Um dia, dois? E quando ele se encontrar com a militância, a quem tem feito promessas de rompimento com o Supremo Tribunal Federal? Como fica?

É preferível que o presidente da República decepcione seu seguidores para não colocar seu mandato em risco e não tocar foco na crise que não é somente ética nem política.

Pense nisso!

Comentários

Últimas notícias