COLUNA JC SAÚDE E BEM-ESTAR

Imip completa 61 anos e ultrapassa a marca de 10 mil consultas a pacientes com sintomas de covid-19

Ao longo dos 15 meses de pandemia, o Imip realizou 14 mil internamentos (15% voltados à covid-19), além de ter totalizado 21 mil urgências e emergências, e 43 mil consultas ambulatoriais (24% relacionados ao coronavírus)

Cinthya Leite
Cinthya Leite
Publicado em 13/06/2021 às 17:16
Notícia
IMIP/ASCOM
Imip abriu 110 leitos exclusivos para cuidar de pacientes com sintomas da covid-19 - FOTO: IMIP/ASCOM
Leitura:

O Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip) completa 61 anos de fundação neste domingo (13), com o fortalecimento da missão de oferecer assistência à população, seguindo sempre as evidências científicas para cuidar e salvar vidas. Localizado na Boa Vista, Centro do Recife, o Imip foi credenciado pelo governo de Pernambuco para ser um dos hospitais voltados ao atendimento de casos da covid-19 e tem se destacado como referência no enfrentamento ao novo coronavírus. Devido à pandemia, a instituição precisou se adaptar à nova realidade sanitária. Dessa maneira, abriu 110 leitos exclusivos para cuidar de pacientes com sintomas da covid-19.

Leia também: Covid-19: Com ocupação ainda alta, Pernambuco zera fila de espera por leitos de UTI na rede pública

Desse total, 30 foram destinados para terapia intensiva (UTI) voltada a adultos, 30 para a enfermaria obstétrica, 40 para a UTI pediátrica e 10 para a enfermaria pediátrica. "Para enfrentar a maior crise sanitária dos últimos 100 anos, foi essencial se apoiar nos ensinamentos do nosso fundador, o professor Fernando Figueira, notadamente no que defende o direito à vida como bem maior de todos os outros. Aprendemos a crescer nas adversidades e a sair de cada uma delas mais forte, pois a resiliência e a capacidade de se reinventar são expressas diariamente no Imip, representando as credenciais de uma travessia sexagenária", afirma a superintendente-geral da instituição, Tereza Campos.

Ao longo destes 15 meses de pandemia, o Imip realizou 14 mil internamentos (15% voltados à covid-19), além de ter totalizado 21 mil urgências e emergências (29% obstetrícia), 43 mil consultas ambulatoriais (24% ou 10,3 mil delas relacionadas à covid-19), 25 mil teleatendimentos, 16 mil exames de RT-PCR para detecção do novo coronavírus realizados e 1,9 milhão exames laboratoriais e de imagem.

Para marcar os 61 anos da entidade filantrópica com atuação nas áreas de assistência médico-social, ensino, pesquisa e extensão comunitária, a presidente do Imip, Silvia Rissin, reforça o aprendizado deixado pelo fundador da instituição. "O legado de boas práticas da medicina social, do respeito aos mais carentes e de solidariedade estão sendo determinantes no enfrentamento à covid-19", destaca Silvia. Na sexta-feira, para celebrar os 61 anos, uma missa solene (foto ao alto) foi celebrada, na capela da Instituição, com o bispo-auxiliar da Arquidiocese de Olinda e Recife, Dom Limacêdo Antonio.

O Imip está entre os quatro maiores hospitais filantrópicos voltados totalmente ao Sistema Único de Saúde (SUS). O complexo hospitalar possui 1.147 leitos hospitalares em sua estrutura, 163 enfermarias e cinco blocos cirúrgicos (sendo 33 salas cirúgicas). O Imip congrega um conjunto de dez prédios, incluindo o centenário Hospital Pedro II, distribuídos numa área de 69 mil metros quadrados.

A instituição é referência em saúde da criança, da mulher e do adulto, além de se destacar nacionalmente em transplantes de órgãos: em 2012, foi a primeira instituição, em Pernambuco, a realizar transplante duplo de rim e pâncreas. Fez ainda o primeiro transplante pediátrico em Pernambuco e diagnosticou o primeiro caso de HIV infantil no Estado, em 1987.

O instituto foi o primeiro hospital SUS do Brasil a oferecer tratamento em medicina nuclear ao fazer o exame PET- Scan. Integrante da rede oncológica de Pernambuco, o Imip é o único hospital habilitado no Estado como Centro de Assistência em Alta Complexidade em Oncologia (Cacon). No setor de oncologia pediátrica, o hospital atinge a marca de 80% dos casos curados em leucemia linfóide aguda na infância, maior do que a média nacional, que é de 64%.

 

Comentários

Últimas notícias