COLUNA JC SAÚDE E BEM-ESTAR

Dermatologistas alertam pais sobre doença que afeta a pele, tira o sono e pode comprometer o processo de aprendizagem das crianças

Diante da alta incidência de dermatite atópica na população infantil, a Sociedade Brasileira de Dermatologia alerta os adultos sobre a importância de ficarem atentos às queixas e ao surgimento de manifestações na pele

Cinthya Leite
Cinthya Leite
Publicado em 22/09/2021 às 13:21
PIXABAY/BANCO DE IMAGENS
A dermatite atópica pode aparecer em qualquer idade, geralmente na primeira infância, em bebês a partir dos três meses - FOTO: PIXABAY/BANCO DE IMAGENS
Leitura:

Milhares de crianças brasileiras manifestam sinais e sintomas de dermatite atópica, um problema de saúde que causa desconforto dos pequenos e tira o sono de pais e responsáveis. Diante da alta incidência de dermatite atópica na população infantil, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) alerta os adultos sobre a importância de ficarem atentos às queixas e ao surgimento de manifestações na pele que possam ser indícios do aparecimento do problema. Essa é uma condição que pode ter origem genética, não é contagiosa, pode ser atenuada ou controlado com a ajuda de medicamentos e mudança de hábitos.

Esse é um dos alertas abordados pela campanha Dermatite atópica: atenção e cuidado com a sua pele, que a SBD promove até o fim deste mês. A iniciativa tem o apoio institucional da Sanofi, Lilly, Abbvie e Pfizer. Para esclarecer dúvidas sobre os quadros que afetam o público infantil, a SBD realizará uma live voltada para a população nesta quinta-feira (23), data marcada pelo Dia Nacional de Conscientização sobre Dermatite Atópica.

Causas da dermatite atópica 

A dermatite atópica aparecer em qualquer idade, geralmente na primeira infância, em bebês a partir dos três meses. A doença costuma desaparecer em aproximadamente 70% dos pacientes na adolescência. Alguns casos podem ter início na adolescência ou já na idade adulta. A coordenadora do Departamento de Dermatologia Pediátrica da SBD, Silvia Soutto Mayor, responsável pelo Setor de Dermatologia Pediátrica da Santa Casa de São Paulo, indica fatores que merecem atenção. "Em geral, os sinais mais precoces de dermatite atópica são uma pele muito seca e a presença de coceira. Como o bebê ainda não tem coordenação motora desenvolvida, fica agitado, inquieto e chora", diz. 

Como se trata de uma doença com várias causas, o surgimento de quadros em crianças pode decorrer de alterações genéticas, de disfunções da barreira cutânea, resposta imunológica alterada, disbiose ou alteração do microbioma da pele. Também entram nesta lista alterações emocionais e ambientais, que funcionam como "gatilhos" para as crises.

De acordo com a coordenadora do departamento da SBD, banhos quentes e demorados, sabonetes que "desengorduram" muito a pele, uso de buchas ou esponjas no banho, roupas de lã ou sintéticas e alimentos alergênicos, como castanhas em geral, ovo e leite, podem agir como fatores que desencadeiam ou agravam as crises da dermatite atópica. Além disso, o estresse emocional pode complicar o quadro e até mesmo ser gatilho para as crises.

"Os pais devem se manter atentos e conversar com os filhos, principalmente quando há uma piora repentina da dermatite. Ao identificar a causa do estresse emocional, fica mais fácil combatê-lo e, se necessário, lançar mão da ajuda de psicólogos ou até psiquiatras", avalia.

Consequências emocionais

Outro ponto levantado por Silvia Soutto Mayor são os impactos psicológicos que as crianças sofrem após serem diagnosticadas com dermatite atópica. Uma das consequências é o comprometimento da autoimagem do paciente por conta das lesões que aparecem no rosto e nas extremidades do corpo, como mãos, pés, orelhas, pescoço e nas dobras dos braços e joelhos.

"Por conta disso, muitos jovens se tornam vítimas de bullying. É preciso orientar seu filho sobre o fato de que a dermatite não é contagiosa, não impede o convívio escolar e nem que ele brinque e socialize com outras crianças", enfatiza.

Essa doença também afeta o processo de aprendizagem, pois a coceira impede a concentração e leva a distúrbios do sono. "O aluno acorda várias vezes à noite, o que o faz se sentir cansado nas aulas. Além disso, ele pode sofrer com sonolência indesejada pelo uso de medicamentos para tratar a dermatite, como antialérgicos (anti-histamínicos)."

Como cuidar da dermatite atópica 

Para prevenir o agravamento de quadros ou o surgimento de crises, a especialista da SBD recomenda a aplicação constante de hidratantes, entre outros itens. "Os pais devem evitar o ressecamento excessivo da pele das crianças, dando banhos rápidos e mornos, hidratando a pele logo após o banho e evitando a transpiração excessiva, optando por tecidos leves, preferencialmente, de algodão", aconselha Silvia Soutto Mayor. 

Comentários

Últimas notícias