COLUNA JC SAÚDE E BEM-ESTAR

"Obeso acolhido": livro traz histórias de situações constrangedoras vividas por pessoas com excesso de peso

"Queremos mostrar que as pessoas com obesidade têm uma doença e precisam de atenção", diz o autor

Cinthya Leite
Cadastrado por
Cinthya Leite
Publicado em 10/10/2021 às 6:04
FREEPIK/BANCO DE IMAGENS
Combater e prevenir são ações urgentes diante da obesidade - um problema que vem adquirindo proporções epidêmicas - FOTO: FREEPIK/BANCO DE IMAGENS
Leitura:

Para quebrar paradigmas, fomentar a discussão sobre obesidade e despertar um novo olhar sobre as pessoas que vivem com excesso de peso, o livro Obeso Acolhido, de autoria de Durval Ribas Filho (médico nutrólogo e presidente da Associação Brasileira de Nutrologia - ABRAN) e Arthur Kaufman (médico psiquiatra), acaba de ser lançado no Brasil, pela Segmento Farma Editora. Este domingo (10) é marcado pelo Dia Nacional de Prevenção da Obesidade. 

Leia também: Obesidade aumenta risco de covid-19 grave, mesmo na ausência de outras doenças

A obra traz uma abordagem inédita, focada em situações constrangedoras e até inusitadas, que muitas pessoas passam por terem obesidade, e que se somam à lista de outros preconceitos tão em pauta nos dias de hoje, como os raciais, étnicos, religiosos e sexuais.

A "gordofobia", como mostram os autores, é uma doença social e o seu combate não consiste em apenas lutar para que a pessoa com obesidade não seja perturbada e vítima de um potencial bullying.

"O livro é o retrato de um sonho, que se tornou realidade, após eu atender centenas de pacientes obesos, em muitos anos de avaliações terapêuticas, e perceber um processo discriminatório, de estigmatização muito forte e robusto, em todos os seus aspectos, onde o obeso não é acolhido pela sociedade. Ao contrário, sofre preconceito", declara Durval Ribas Filho.

A leitura é um convite à reflexão, através de uma série de casos, como o do homem que gostava de gordinhas e chocou sua família por isso; a mulher que ia às compras para aliviar seu drama e o executivo que engordou diante de tantas responsabilidades profissionais. Muitas destas histórias são acompanhadas de valiosos comentários dos especialistas que assinam o livro.

"Eu me sentia incomodado ao perceber que, embora com boa base na parte comportamental do obeso, pouco sabia a respeito da fisiopatologia da obesidade e de outros transtornos alimentares. O estímulo veio após a formação em nutrologia, pela ABRAN, o convite feito pelo Durval, que resultou na sociedade neste empreendimento", destaca Arthur Kaufman.

A obra não é dedicada aos profissionais de saúde, mas aos que gostam de histórias de vida: os que estão fora do peso ideal, seus amigos, familiares e toda a sociedade. É uma chance de conhecer um pouco mais da realidade das pessoas com obesidade, além da aparência física.

Por isso, não é esperado encontrar, no livro, uma nova dieta milagrosa, mesmo que perdida entre as páginas. Os relatos mostram vidas e julgamentos de pessoas com sobrepeso que, mesmo se sentindo confortáveis com seu corpo, tiveram que repensar esta postura.

"Queremos mostrar às pessoas obesas que elas podem ser acolhidas por profissionais sérios e qualificados. E, para a população em geral, que os obesos têm uma doença e precisam de atenção. Lamentavelmente não é o que acontece. Creio que é o primeiro livro no Brasil, e talvez no mundo, que mostre que o obeso tem que ser abraçado, acariciado. Que precisa de carinho e compreensão porque é uma doença terrível, que traz sim muitas morbidades associadas, mas principalmente essa discriminação social e psicossocial", alerta Durval.

O prefácio é assinado por Eliana Fonseca, atriz e diretora de cinema, que relata sua saga pelas dietas e como a obesidade a acompanhou ao longo da vida. Já no posfácio, o médico nutrólogo José Alves Lara Neto, destaca que o livro orienta sobre a natureza intrínseca e a complexidade social onde o obeso se insere: naquela realidade em que ele deixa de ser um cidadão para ser quase um vilão.

Comentários

Últimas notícias