COLUNA JC SAÚDE E BEM-ESTAR

Endócrinos pedem prioridade para vacinação contra covid-19 de pessoas com obesidade grau 2

Carta foi enviada ao ministro da Saúde. Argumento de médicos é que qualquer grau de obesidade torna maior a chance de agravamento do coronavírus

Cinthya Leite
Cinthya Leite
Publicado em 31/05/2021 às 10:45
Notícia
ALUISIO MOREIRA/SEI
Pernambuco já aplicou 2.732.795 doses da vacina contra a covid-19, das quais 1.808.484 foram primeiras doses - FOTO: ALUISIO MOREIRA/SEI
Leitura:

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem) e a Associação Brasileira Para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (Abeso) solicitam a inclusão das pessoas com obesidade grau 2 (IMC a partir de 35) no grupo de comorbidades do plano nacional de vacinação contra a covid-19. O pedido foi feito em carta, assinada por representantes de ambas as entidades, enviada ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na sexta-feira (28).

Leia também: Pessoas que fumam têm 14 vezes maior risco de ter covid-19 grave, alerta diretora do Inca

Atualmente pode ser imunizado quem tem IMC a partir de 40. “O IMC a partir de 30 (obesidade grau 1), contudo, já dá um risco maior de complicações da covid-19. E a partir de IMC 35 (obesidade grau 2), a chance de agravamento se torna ainda maior”, diz a presidente do Departamento de Obesidade da Sbem, Maria Edna de Melo, também diretora da Abeso. Ela também reforça que pacientes com obesidade tenham a condição verificada de forma respeitosa nas unidades de saúde. “Nesses locais, é possível pesar, medir e calcular o IMC, sem necessidade de laudo médico. Essas pessoas devem ser vacinadas pelo alto risco que têm de agravamento por causa do coronavírus.”

A presidente da Sbem/Regional Pernambuco, Lúcia Cordeiro, complementa que a imunização desses
pacientes em geral precisa ser priorizada porque a condição é o maior critério de gravidade da covid-19 entre os jovens, independentemente deles terem problemas como hipertensão e diabetes. “A mortalidade pelo coronavírus, entre esse grupo, é três vezes maior, em comparação com as pessoas sem obesidade”, alerta Lúcia.

Comentários

Últimas notícias