COLUNA JC SAÚDE E BEM-ESTAR

Surto no Recife: sobe para 105 o número de casos de lesões misteriosas que causam coceira na pele; veja o que se sabe

Dado foi atualizado pela Secretaria de Saúde do Recife

Cinthya Leite
Cinthya Leite
Publicado em 21/11/2021 às 19:34
TV JORNAL/REPRODUÇÃO
Surto de lesões que causam coceira na pele é investigado no Estado - FOTO: TV JORNAL/REPRODUÇÃO
Leitura:

A capital pernambucana continua a registrar casos de pessoas com "lesões cutâneas (de pele) a esclarecer" e, por isso, reforça a investigação do surto na cidade. Os sinais e sintomas mais comuns são lesões na pele e coceira intensa. Alguns pacientes relatam melhora rápida do quadro, com duração de dois a três dias. Contudo, outras pessoas apresentam uma manifestação mais intensa dessas lesões, ainda com causa desconhecida. Em nota enviada neste domingo (21) à reportagem do JC, a Secretaria de Saúde (Sesau) do Recife informa que segue atuando no monitoramento e na investigação dos casos notificados. Até agora, 105 casos, no total, foram registrados.

Leia também: Saiba como aliviar a coceira causada por lesões misteriosas na pele; dermatologista tira dúvidas

Veja o que o JC já publicou sobre o surto de lesões de pele: 

O aumento do número de notificações, segundo a Sesau, era esperado, uma vez que, com o alerta epidemiológico emitido na última semana, é natural que as redes de saúde pública e particular fiquem mais atentas a pacientes com sinais sugestivos dessa condição. 

Na última sexta-feira (19), representantes da Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde do Recife, da Secretaria Estadual de Saúde e do Instituto Aggeu Magalhães, unidade da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Pernambuco, além de um médico infectologista e de um médico epidemiologista, estiveram reunidos para discutir os casos. "Ainda é necessário aguardar resultados de alguns exames laboratoriais dos casos e da análise de ácaros e mosquitos capturados para que seja possível apontar conclusões. Nesta semana, uma nova reunião entre os especialistas deve ser realizada", informa a Sesau. 

FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM
O médico infectologista Demétrius Montenegro, chefe do setor de doenças infectocontagiosas do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), explica que o mais intrigante é que os casos notificados não apresentam um padrão - FELIPE RIBEIRO/JC IMAGEM

A secretaria destaca que, até agora, não houve o registro de agravamento associado à aparição das lesões cutâneas nos pacientes e que segue atuando em diversas linhas de investigação. "Uma delas é desenvolvida por meio da captura de mosquitos, por equipes da Vigilância Ambiental, em alguns domicílios situados nas localidades onde houve notificações de casos, trabalho que também terá continuidade nos próximos dias. Serão realizados, ainda nesta semana, exames de raspado de pele em alguns pacientes notificados."

Entenda o surto misterioso 

As primeiras ocorrências foram registradas, no Recife, no início deste mês, quando a Vigilância Epidemiológica do município recebeu a notificação de cinco casos de crianças com lesões e coceiras na pele, no Córrego da Fortuna e no Sítio dos Macacos, na Zona Norte da cidade. Desde então, outros casos foram notificados e, até o momento, já há registro de 105 pessoas, de 2 a 96 anos, com os mesmos sintomas.

As ocorrências são de diversos bairros da capital pernambucana, segundo a Secretaria de Saúde do Recife (Sesau). "Mas a maioria se concentra em Guabiraba e Dois Irmãos. Estamos investigando várias possibilidades para identificar a causa do problema. As pessoas que apresentam essas lesões estão passando por alguns exames, como hemograma e sorologia para detectar arboviroses, (dengue, zika e chicungunha)", informa a secretária-executiva de Vigilância em Saúde do Recife, Marcella Abath. Ela diz que alguns resultados já saíram, mas a Secretaria de Saúde do município só fará a divulgação quando houver informações consolidadas.

A Prefeitura de Camaragibe também está investigando a presença desses sintomas em pelo menos 60 moradores que buscaram atendimento no Hospital Aristeu Chaves, principal emergência do município. O diretor em Vigilância em Saúde de Camaragibe, Geraldo Vieira, salientou que, na cidade, os primeiros casos surgiram, há 15 dias, no bairro de Ostracil, em uma escola municipal. "A nossa equipe de vigilância ambiental foi até o local e iniciou a investigação." Depois, pessoas de localidades próximas, como Aldeia e Tabatinga, começaram a apresentar os sinais e sintomas. "A maioria são adultos. O quadro dura pouco tempo, de dois a três dias, principalmente se depois que o paciente recebe assistência e inicia uso de antialérgico (sempre com orientação médica). Em outras pessoas, os sintomas são autolimitados (sem exigir tratamento e se resolve espontaneamente)", explica Geraldo Vieira. Ele acrescenta que algumas lesões parecem ter sido desencadeadas por picadas de insetos, mas ressalta que ainda é cedo para afirmar a causa do problema. "Também investigamos se as lesões na pele podem ter relação com água ou plantas", complementa.

O médico infectologista Demétrius Montenegro, chefe do setor de doenças infectocontagiosas do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), explica que o mais intrigante é que os casos notificados não apresentam um padrão. "A variabilidade das lesões é grande. Por isso, identificar a causa não é simples. Mais de 80% das pessoas acometidas apresentam apenas as lesões de pele e a coceira. Uma pequena parcela também relata febre. Isso pode levar a uma superposição de diagnóstico, o que dificulta a investigação. É um trabalho de juntar peças de um quebra-cabeça", sublinha Demétrius.

Sobre a possibilidade de se tratar de arboviroses, o infectologista comenta que as lesões têm se apresentado de forma diferente do exantema que tende a aparecer nos casos de zika, por exemplo. "Nesses casos de agora, estamos vendo pequenos caroços na pele, que causam coceira, levam a ferimentos, podendo até sangrar, e formam uma crosta." Além disso, Demétrius fala sobre diferenças na duração dos sintomas. "Há pacientes que ficam bem rapidamente, mas há outros em que o quadro demora mais de dez dias, mesmo quando seguem o tratamento para alívio das manifestações (lesões e coceira)", diz.

Na sexta-feira (19), o Real Hospital Português (RHP), localizado no bairro de Paissandu, área central do Recife, informou que já notificou seis casos de pessoas com lesões na pele sem causa definida. A primeira pessoa com suspeita de erupção cutânea chegou à unidade no dia 10 de novembro. "Todos os pacientes tiveram alta no mesmo dia, com atendimento apenas na emergência do hospital", esclareceu, em nota, o RHP.

Devido ao número de casos no Recife, a Sesau emitiu um alerta epidemiológico para que as unidades de saúde das redes pública e privada notifiquem imediatamente o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) do Recife após o atendimento de um caso suspeito. Ainda segundo a secretaria, os casos têm sido discutidos com a equipe clínica, a fim de identificar essa condição. "As investigações epidemiológica, entomológica e laboratorial estão em andamento."

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) informa que o Centro de Informações Estratégicas de Vigilância à Saúde (Cievs) só foi notificado pelo município do Recife sobre um surto de casos envolvendo o aparecimento de lesões cutâneas e prurido (coceira). "Desde a notificação dos casos, a SES está acompanhando a evolução das investigações realizadas pela Secretaria de Saúde do Recife e dando o apoio técnico necessário", diz.

Comentários

Últimas notícias