Com alta da H3N2, Recife abre mais 30 leitos para síndrome respiratória grave

Divididos entre enfermarias e UTIs, os leitos estão Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa, localizado na Estância, que agora estará totalmente convertido para essa finalidade

Emannuel Bento
Emannuel Bento
Publicado em 09/01/2022 às 17:47
BRENDA ALCÂNTARA/JC IMAGEM
TRATAMENTO Capital pernambucana agora conta com cerca de 70 leitos (enfermaria e UTI) ativados - FOTO: BRENDA ALCÂNTARA/JC IMAGEM
Leitura:

Diante de uma alta de casos de H3N2 no estado, a Prefeitura do Recife anunciou, neste domingo (9), mais 30 leitos exclusivos para internações de pessoas com síndromes respiratórias agudas graves, sejam provenientes da epidemia da influenza ou da pandemia do coronavírus. Divididos entre enfermarias e UTIs, esses leitos estão Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa, localizado na Estância, Zona Oeste da capital, que agora estará totalmente convertido para essa finalidade.

Assim, a cidade agora conta com cerca de 70 leitos (enfermaria e UTI) ativados para casos de síndromes. Já Pernambuco totaliza 1756 leitos públicos, sendo 892 vagas de terapia intensiva (UTI), segundo informações divulgadas neste domingo.

Confira o pronunciamento do prefeito

O anúncio dos novos leitos na capital foi feito pelo prefeito João Campos, que está praticando distanciamento social após testar positivo para a covid-19, em vídeo nas redes sociais. "Com isso, chegamos à mais importante expansão da rede de alta complexidade da cidade. Já tínhamos anunciado o aumento das equipes do SAMU, do Atende em Casa, das unidades básicas de saúde de covid e influenza, que são as Unidades Provisórias de Covid, e os nossos Serviços de Prontos Atendimento, que ficam dentro das policlínicas", disse.

O prefeito também disse que o incremento de médicos e profissionais de saúde na atenção básica tem tido o investimento de R$ 1 milhão por mês para a gestão - indo para a média complexidade, o valor chegaria a R$ 3 milhões investidos para atender pessoas com doenças respiratórias.

Taxa de ocupação

O boletim divulgado pela Secretaria de Saúde de PE (SES-PE) no domingo informa que a taxa média de ocupação dos leitos de SRAG na rede pública é de 80%. Especificamente nos leitos de UTI, a taxa é de 82%. Já nos leitos de enfermaria, o número é de 78%.

Já na rede privada, a taxa de ocupação média é de 50% - 67% nos leitos de UTI e 26% em enfermaria. O âmbito particular conta com 268 leitos de SRAG. A SES-PE ainda registrou 406 casos da Covid-19 no boletim. Entre os confirmados, oito (2%) são casos de SRAG e 398 (98%) são leves.

Epidemia da H3N2

O anúncio dos novos leitos chega em meio à epidemia de H3N2 em Pernambuco, que ganha força especialmente no Recife. Na última quarta-feira, durante pronunciamento em coletiva, o Governo de Pernambuco confirmou que o estado alcançou um recorde diário de atendimento hospitalar, com o internamento de 196 pessoas que evoluíram para a forma severa de infecção, que é a síndrome respiratória aguda grave (srag).

Já nesse pronunciamento, o estado tinha 80% das vagas de terapia intensiva (UTI) e 74% das enfermarias ocupadas por pacientes com esse quadro. O número pouco mudou desde então. Com isso, Pernambuco retoma os cenários de pico do coronavírus, com UTIs que têm praticamente todos os doentes em ventilação mecânica (no respirador) e mais de 400 pessoas em fila de espera por uma vaga de terapia intensiva ou de enfermaria.

A gripe atual tem uma diferença importante de cepas anteriores: é muito transmissível e tem um curto período de incubação. Ou seja, muita gente tem adoecido ao mesmo tempo e de forma muito rápida após a exposição ao vírus.

Idosos correspondem a 64% das internações

Vacinada contra o coronavírus, em sua maioria, a população a partir dos 60 anos, já conhecida como a que tem maior risco de apresentar complicações decorrentes dos vírus da gripe, agora representa 64% dos pacientes que estão em leito público de terapia intensiva (UTI) ou de enfermaria.

Ao todo, são 775 idosos que recebem assistência, em vagas do Sistema Único de Saúde (SUS), por terem apresentado complicações de infecções respiratórias. Outro detalhe é que, dos 516 casos de srag confirmados por influenza A em Pernambuco, 67% estão nessa faixa etária, assim como 60% dos 38 óbitos por gripe. Por outro lado, quando se analisam os casos totais por H3N2, entre leves e graves, mais de 65% são na população entre 20 e 49 anos.

Covid-19

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) também registrou 406 casos da Covid-19. Entre os confirmados hoje, oito (2%) são casos de SRAG e 398 (98%) são leves. Agora, o estado totaliza 649.262 casos confirmados da doença, sendo 55.435 graves e 593.827 leves, que estão distribuídos por todos os 184 municípios pernambucanos, além do arquipélago de Fernando de Noronha.

Comentários

Últimas notícias