industrializados

Brasil no Top 10 dos maiores consumidores de refrigerantes do mundo

Estudo de Harvard alerta que consumir pelo menos duas bebidas com adição de açúcar eleva o risco de morte precoce

Gabriela Máxima
Gabriela Máxima
Publicado em 14/04/2020 às 9:14
Notícia
Foto: Divulgação
Bebidas com adição de açúcar aumentam o risco de morte - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

O Brasil está no Top 10 dos países que mais consomem refrigerantes no mundo. A pesquisa desenvolvida pela Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard reuniu informações de mais de 37 mil homens e 80 mil mulheres durante 30 anos e contatou que o consumo de bebidas com adição de açúcar, entre elas refrigerantes, aumenta o risco de morte precoce por doenças cardiovasculares. O estudo também associa o consumo dessas bebidas ao desenvolvido de câncer. 

>> Alimentos que ajudam a melhorar a imunidade

>> Nutricionista destaca alimentos que são fontes de vitamina D

>> Nutricionista ensina como evitar episódios de compulsão alimentar durante quarentena

Os dados são preocupantes. Afinal, o estilo de vida das pessoas atualmente prioriza o consumo de produtos industrializados no lugar de alimentos naturais. No longo prazo, o hábito será responsável pelo desenvolvimento de doenças crônicas como obesidade, diabetes, hipertensão, entre outras comorbidades. 

Top 10 dos maiores consumidores 

*números referentes aos litros 

1. China - 410,7

2. Estados Unidos - 356,8

3. Espanha - 267,5

4. Arábia Saudita - 258,4

5. Argentina - 250,4

6. Nigéria - 233

7. Japão - 185,8

8. Reino Unido - 168,3

9. Turquia - 160,6

10. Brasil - 114,6

O estudo alerta que o consumo de pelo menos duas bebidas açucaradas por dia aumenta em 21% o risco de morte precoce. Quem afirma é o pesquisador Vasanti Malik, de Harvard. "Em comparação com quem consume bebidas com adição de açúcar menos de uma vez por mês, o consumo mensal de uma a quatro dessas bebidas está associado a um aumento de risco de 1%. De duas a seis por semana, a um aumento de 6%. De um a dois por dia, a um aumento de 14%. De duas ou mais por dia, a um aumento de 21%", alertou o cientista.

 

 



Comentários

Últimas notícias