LITERATURA

Tarcísio Pereira celebra os 50 anos da Livro 7, livraria que chegou a ser a maior do Brasil

A livraria que marcou gerações de leitores e escritores ficava localizada em um casarão no Centro do Recife. Tarcísio celebra nesta segunda (27) os 50 anos de inauguração da livraria com uma live em seu perfil do Instagram, às 20h

Valentine Herold
Valentine Herold
Publicado em 27/07/2020 às 8:00
Notícia
Alexandre Belem/JC Imagem
Tarcísio Pereira durante anos respondeu pela Superintendência de Marketing e Vendas da Cepe - FOTO: Alexandre Belem/JC Imagem
Leitura:

Se hoje é difícil imaginar uma livraria que não tenha poltronas ou sofás para que os leitores possam folhear as obras com calma, que não realize eventos culturais ou agregue, em torno de um café ou pequeno restaurante, clientes, isto se deve graças ao pioneirismo de Tarcísio Pereira. Foi na mítica Livro 7, que funcionou na área central do Recife durante três décadas (além das filiais na Paraíba, em Alagoas e no Ceará) que o livreiro inovou o ofício e propiciou a tantos leitores momentos inesquecíveis com os encontros, seminários, lançamentos e festas que promovia semanalmente. Tarcísio celebra nesta segunda (27) os 50 anos de inauguração da livraria com uma live em seu perfil do Instagram, às 20h, em que pretende lembrar alguns causos que marcaram sua história.

Mesmo se o encerramento das atividades - ocorrido de forma definitiva em 2000, em decorrência da instabilidade econômica pós-Plano Collor e do advento de novos modelos de livrarias em shoppings - foi sentida com muito pesar, a Livro 7 permanece, 20 anos depois, sinônimo de um espaço que fomentou a cena cultural local e formou gerações de leitores. Sem esquecer que ela foi motivo de orgulho para a megalomania pernambucana já que figurou como a "Maior livraria do Brasil" no Guinness Book, graças a seus 1.200 m².

Mas a trajetória da Livro 7 tem início muitos anos antes de atingir este recorde. Durante a década de 1960 Tarcísio trabalhou na livraria Imperatriz, onde se formou livreiro e decidiu abrir sua própria loja em 1970. "A história da Livro 7 tem várias fases. A primeira durou dois anos, quando a livraria ficava localizada em uma galeria, era pequena, tinha uns 20m². Eu esperava as outras lojas fecharem de noite para usar o corredor para fazer os eventos. Tivemos exibição de filmes de Super-8 de Celso Marconi, Jomard Muniz de Britto, Fernando Spencer. Em 72, aluguei a loja ao lado e ampliei então o espaço com uma porte entre as duas até que, em 74, vi que um casarão da Sete de Setembro estava para alugar. Era muito grande, tinha 10 salas e sabia que seria demais só para os livros. Então subloquei para alguns para alguns amigos", conta Tarcísio Pereira.

DIVULGAÇÃO
Tarcísio Pereira e Eduardo Galeano - DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
CONCORRIDO Sidney Sheldon assinou, nos anos 1980, mais de mil cópias em um dos lançamentos mais disputados da Livro 7 - DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
GUINESS A Livro 7 figurou por cinco anos consecutivos como a Maior Livraria do Brasil com seus 1.200 m². Encontros, seminários e festas movimentaram e agregaram profissionais e amantes da literatura - DIVULGAÇÃO

O que atualmente é conhecido como "espaço colaborativo", muito em voga na cidade, já se desenhava com contornos nítidos 45 anos atrás, no casarão da Sete de Setembro. Além de livros, o local agregava lojas de plantas de interiores, artesanato nordestino, discos, uma cervejaria localizada no jardim e um teatro com espetáculos nas sextas e nos sábados.

"Antes do teatro eu tinha montado uma galeria de arte que inaugurou com uma exposição de Cavani Rosas. Era um espaço cultural vivo, nunca vi a livraria apenas como uma casa repleta de prateleiras de livros. No início foi um desafio saber como atrair o público para uma livraria de galeria, mas era importante para mim que as pessoas que frequentassem pudessem participar ativamente da programação", lembra Tarcísio, que chegou a ser criticado quando instalou bancos no espaço e criou o cartão CrediSete.

Semanalmente aconteciam lançamentos de livros, debates e outros tantos eventos. João Cabral de Melo Neto, Ariano Suassuna e Eduardo Galeano foram alguns dos que fizeram história na livraria recifense. Uma das sessões de autógrafos mais disputada foi a de Sidney Sheldon que, na época - final dos anos 80-, figurava sempre nas listas dos mais vendidos internacionalmente.

>> Livro inédito de Ariano Suassuna, 'O Sedutor do Sertão', é um romance épico com o bom-humor sertanejo

>> Tarcísio Pereira faz projeto de entrevistas com escritores e artistas

Gerações de escritores

Não foram poucos os momentos icônicos que marcaram os 30 anos da Livro 7. Ela foi palco dos encontros quase que diários de Geração 65, formada por Alberto da Cunha Melo, Jaci Bezerra, Marcus Accioly, Terêza Tenório, Lucila Nogueira, Janice Japiassu, Raimundo Carrero e tantos outros poetas e romancistas pernambucanos. "Foi a nossa catedral.Era a um só tempo religião, rua e universidade porque funcionava, a nosso modo, a Sorbonne. Um lugar extremamente acolhedor sobretudo pelo nível cultural e pelos livros", lembra Carrero que, inclusive, usou o espaço como cenário em seu livro Sinfonia para Vagabundos (1993).

>> Em 'Colégio de Freiras', Raimundo Carrero aborda sexualidade e religião

>> 'Nós, privilegiados, estamos mais em 'prisão domiciliar' do que em isolamento social', reflete o escritor Marcelino Freire

"A gente tinha orgulho da Livro 7 como se fosse nossa. Tarcísio era como um patrono da literatura, muitas ações do movimento de escritores independentes aconteceram lá", conta a poeta Cida Pedrosa, que começou a frequentar o local ainda adolescente, em 1978, quando chegou de Bodocó para estudar no Recife. "Nos estávamos vivendo um processo de abertura do cárcere, em 79 teve a Anistia. Era sempre um grande encontro de gerações na Livro 7."

Os escritores Marcelino Freire e Xico Sá também faziam parte desses então jovens leitores que amadureceram artisticamente entre uma ida e outra à livraria de Tarcísio. "Vários livros que trago hoje comigo trazem o selo da Livro 7. Eu tive crediário por lá, participei de lançamentos. E também a Livro 7 me ajudou nas primeiras produções artísticas, apoiando sempre a feitura de cartazes das peças de teatro que eu escrevia. Gratidão eterna. Se hoje eu sou escritor, algumas dessas páginas da minha história foram escritas lá", conta Marcelino.

Xico chegou, inclusive, a trabalhar no espaço. Ele lembra com muito carinho dos encontros que fez na Livro 7, dos "livros comprados e também roubados (risos), até nisso a casa era generosa - milhares de amigos têm histórias para contar desses furtos ilustrados, uma certa delinquência cult. A causa era nobre. Além de formar leitores, a Livro 7 era o jardim dos caminhos que se bifurcam."

>> Xico Sá reúne suas melhores crônicas de futebol no livro 'A Pátria em Sandálias da Humildade'

Tarcísio Pereira pretende continuar as comemorações desta efeméride realizando novas lives, com escritores e antigos clientes, e celebrar "a conquista que é perceber que a Livro 7 permanece na memória afetiva de tanta gente."

DIVULGAÇÃO
Cida Pedrosa, poeta - DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Xico Sá, escritor e jornalista - DIVULGAÇÃO
JORGE FILHOLINI/ DIVULGAÇÃO
Marcelino Freire é autor dos livros Angu de Sangue, Nossos Ossos e Contos Negreiros, entre outros - JORGE FILHOLINI/ DIVULGAÇÃO
Foto: Igo Bione/ Acervo JC
Evento homenageia o salgueirense Raimundo Carrero e a garanhuense Luzilá Gonçalves - Foto: Igo Bione/ Acervo JC

Comentários

Últimas notícias