covid-19

Indústria de Pernambuco já acumula quase 1 mil demissões

Pesquisa da Fiepe identificou que apenas 15,98% das indústrias do Estado não foram afetadas pela pandemia do novo coronavírus

Lucas Moraes
Lucas Moraes
Publicado em 23/04/2020 às 14:55
Notícia
Agência Brasil
Lockdown pode agravar o processo de recuperação do setor alegam os empresários - FOTO: Agência Brasil
Leitura:

Após ouvir 199 empresários do setor industrial de Pernambuco, a Federação das Indústrias do Estado (Fiepe), identificou que 61,8% das empresas já sentem uma queda superior a 50% no faturamento em virtude da pandemia do novo coronavírus. Embora, segundo a Fiepe, tenha havido um esforço para manutenção dos empregos, pelo menos um terço das indústrias já precisaram demitir - alcançando quase 1 mil funcionários desligados.

Do total das empresas com impacto no faturamento, 38,1% já apresentam queda acima dos 75%, e são justamente essas que têm o cenário de manutenção dos empregos agravado. Segundo o estudo, as demissões foram adotadas, em maior grau, pelas empresas que sofreram quedas mais significativas. Acima dos 75% de impacto no faturamento, o nível de demissão é de 49,3%. Já entre as que sofreram queda entre 51% e 75%, o índice cai para 36,9%.

Quando analisado o quadro geral, 33,2% das empresas - o equivalente a um terço delas - já realizaram demissões devido à pandemia. Dentre os setores mais afetados, destacam-se os segmentos de confecção e têxtil, construção civil, gesso, cerâmica vermelha, indústria moveleira, bebidas (cervejas artesanais) e metalmecânico. A construção civil foi o setor responsável pela maior parte dos desligamentos. Das 955 demissões declaradas na pesquisa, 129 foram feitas pelo segmento, o que corresponde a 13,5% do total.

Suspensão e redução de jornada

A pesquisa também identificou que apenas 15,98% das indústrias não foram afetadas pela pandemia. E segundo a Fiepe, a redução de salário e jornada de trabalho e a suspensão dos contratos, alternativas oferecidas pela Medida Provisória 936/2020, vêm sendo adotadas pelos empresários de forma ainda incipiente. A redução de salário e de jornada foi realizada por apenas 31,56% das empresas pesquisadas. Já a suspensão dos contratos foi adotada por 27,46% das indústrias. Entre as que adotaram essa medida, a maior parte (48%) optou pela suspensão por 60 dias.

Embora não esteja não esteja totalmente paralisada, em função do decreto estadual de suspensão das atividades não essenciais,  a indústria tem sentido a redução da demanda pela produção. Desde o fim do mês de março, o segmento vem tentando negociar com o governo de Pernambuco medidas como prorrogação do recolhimento do ICMS, ampliação e flexibilização de linhas de crédito e prorrogação para pagamento das taxas de serviços essenciais para o setor produtivo. 


O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias