Turismo

Com abraço simbólico, população de Fernando de Noronha volta a cobrar reabertura para o turismo

Desde a reabertura, apenas turistas que já contraíram e estão recuperados do coronavírus podem frequentar a ilha de Fernando de Noronha

Gabriela Carvalho
Gabriela Carvalho
Publicado em 18/09/2020 às 11:22
DIVULGAÇÃO
#REABRENORONHA Ato aconteceu em frente ao Palácio São Miguel - FOTO: DIVULGAÇÃO
Leitura:

Parte da população e empresários da Ilha de Fernando de Noronha protesta, nesta sexta-feira (18), mais uma vez, pela reabertura total da Ilha ao turismo, atividade que representa 98% da economia do local. O novo ato #ReabreNoronha acontece desde às 9h em frente ao Palácio São Miguel, na Ilha de Fernando de Noronha.

Anteriormente, o adminsitrador da Ilha, Guilherme Rocha, havia anunciado que o arquipélago voltaria a receber turistas a partir do dia primeiro (1º) de setembro, mas apenas para turistas que já foram infectados pelo coronavírus. Fernando de Noronha é o primeiro local de Pernambuco que já teve suas aulas presenciais liberadas, não registrando transmissão comunitária da covid-19 desde o final de abril.

>> Empresários protestam no Recife e em Fernando de Noronha pela abertura da ilha

>> Frustração é sentimento dos empresários de Fernando de Noronha que esperam por reabertura total para o turismo

A manifestação #ReabreNoronha vem mobilizando a população noronhense, assim como quem vive de turismo no arquipélago. De acordo com morador da ilha e também presidente da Associação das Locadoras e Locadores da Ilha de Fernando de Noronha, Nino Alexandre Lehnemann, a mobilização visa uma urgência necessária para uma reabertura digna.

“Estaremos lutando pelas nossas reivindicações. De forma pacífica, estamos mostrando nosso descontentamento, mas parece que o governo não entende que todo o Estado voltou a ter uma regularidade, menos em Fernando de Noronha, que continua parada. São 6 meses que mantemos nossas empresas e funcionários, algumas já não têm mais gordura ou crédito para pagarem suas contas”, pontuou.

>> A expectativa de Fernando de Noronha pela reabertura para o turismo

O Morador do arquipélago e trabalhador do turismo noronhense, Wendell Amaral, lamenta a atual situação de Fernando de Noronha. “Viemos fazer um apelo para liberarem a ilha. Já estamos há mais de 6 meses sem trabalhar. As contas já estão todas atrasadas e não tem mais o que fazer. Estamos necessitando muito do turismo em Fernando de Noronha”, enfatizou.

“Estou enfrentando as dificuldades de muitos por não está tendo assistência de cestas básicas e de outras coisas importantes. E tudo que tem sido divulgado, não chega a todos da população. A falta de dinheiro tem dificultado manter a minha família. Eu preciso que ilha reabra urgente para que possa manter a minha família”, desabafou Alyne Luna, também moradora do arquipélago.

A situação complicada estende-se por toda população local. A moradora Karla da Silva afirma que as promessas do governo não estão sendo compridas. “Há seis meses estou desempregada. Recebi seguro desemprego durante três meses seguidos e agora acabou. O que os governantes prometeram de cesta básica e nutricash foram só nos primeiros meses. A necessidade está grande. Tenho três filhos para criar e preciso que a ilha reabra. Caso contrário, preciso sair daqui para procurar alguma coisa lá fora”, destacou.

A população noronhense continua sem um posicionamento governamental em relação às reivindicações populacionais, diante do protocolo de retomada das atividades turísticas e econômicas do arquipélago. Desde a reabertura, apenas turistas que já contraíram e estão recuperados do coronavírus podem frequentar a ilha de Fernando de Noronha.

Nota oficial da administração de Noronha

A Administração de Fernando de Noronha compreende a dificuldade do setor turístico e está trabalhando junto ao Governo do Estado e às autoridades de Vigilância em Saúde no sentido de elaborar um protocolo seguro para a entrada dos turistas, sem comprometer a saúde dos próprios visitantes e da população noronhense. Todos os esforços estão sendo empreendidos para que seja possível retomar a principal atividade econômica de Noronha, mas com responsabilidade para que a ilha não volte a ter transmissão comunitária da Covid-19.

Comentários

Últimas notícias