ALERTA À POPULAÇÃO

Cadastro das chaves Pix deve ser feito nos canais oficiais do banco, alerta Febraban

Segundo federação, criminosos estão enviando links falsos por e-mails, WhatsApp, redes sociais e por mensagens que direcionam o cliente a um cadastro fraudulento

Thalis Araújo
Thalis Araújo
Publicado em 21/10/2020 às 18:42
DIVULGAÇÃO
Pix é o pagamento instantâneo brasileiro. O meio de pagamento criado pelo Banco Central (BC) em que os recursos são transferidos entre contas em poucos segundos, a qualquer hora ou dia. É prático, rápido e seguro. - FOTO: DIVULGAÇÃO
Leitura:

Para que as pessoas não sejam vítimas de golpes, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) fez um alerta, nesta quarta-feira (21), para que o cadastro de chaves do novo sistema de pagamentos instantâneos, denominado de Pix, seja ser feito diretamente nos canais oficiais dos bancos, como o aplicativo bancário, internet banking, agências ou através de contato feito pelo cliente à central de atendimento. O sistema entrará em funcionamento no dia 16 de novembro.

>> Revolução: entenda tudo o que importa sobre o PIX

>> Mais de 33 milhões de pessoas aderiram ao PIX, mas apenas 13% entendem a nova ferramenta

>> Contas da Celpe poderão ser pagas através do PIX a partir de novembro

Ainda como um alerta, a Febraban orienta os consumidores a não clicarem em links recebidos por e-mails, pelo WhatsApp, redes sociais ou por SMS, que direcionam o usuário a um suposto cadastro da chave do Pix, mas que possuem objetivos fraudulentos, para roubar dados pessoais e bancários.

"Os dados pessoais do cliente jamais são solicitados ativamente pelas instituições financeiras, muito menos podem ser usados indevidamente para o cadastramento do Pix sem o seu consentimento. Na dúvida, sempre procure o gerente, uma agência ou a central de atendimento oficial da instituição para obter esclarecimentos", orienta o presidente da Febraban, Isaac Sidney.

Já foram identificadas diversas tentativas de fraude envolvendo o novo sistema de pagamento, como, por exemplo, ataques de phishing, ou pescaria digital, que usam técnicas de engenharia social e consistem na manipulação do usuário para que ele forneça informações confidenciais, como senhas e números de cartões.

Um outro tipo de golpe, menos comum, são as centrais falsas oferecendo o cadastramento de chaves. O fraudador entra em contato com a vítima, se passando por um falso funcionário do banco ou empresa com a qual o cliente tem um relacionamento ativo. O criminoso solicita os dados pessoais e financeiros da vítima.

Isaac Sidney ressalta ainda que a Febraban e seus bancos investem constantemente em campanhas e ações de conscientização em seus canais de comunicação com os clientes para orientar a população a se prevenir de fraudes. "Além disso, os bancos investem cerca de R 2 bilhões por ano em sistemas de tecnologia da informação voltados para segurança para garantir a tranquilidade de seus clientes em suas transações financeiras cotidianas", diz.

No período de quarentena, as instituições financeiras registraram aumento de 80% nas tentativas de ataques de phishing. De acordo com Adriano Volpini, diretor da Comissão Executiva de Prevenção a Fraudes da Febraban, atualmente, 70% das fraudes estão vinculadas à engenharia social.

"Seja pelo telefone, por e-mail, pelas mídias sociais ou SMS, o fraudador solicita dados pessoais do cliente, como números de cartões e senhas, em troca de algo. Neste caso do Pix, oferece um falso cadastramento da chave do sistema de pagamento eletrônico", adverte.

Chaves Pix

Os clientes interessados em usar o sistema Pix já podem cadastrar suas informações para aderir à nova solução, desde o dia 5 de outubro. O Pix permitirá a realização de pagamentos e transferências de dinheiro durante 24 horas por dia, 7 dias por semana, em até 10 segundos. O cadastramento das chaves poderá ser feito a qualquer momento, até mesmo após o início do funcionamento do sistema.

Para que as transações eletrônicas ocorram de forma simples e ágil, sem que o cliente tenha que passar todos os seus dados para o usuário que irá realizar a transferência, o Pix terá chaves de endereçamento para identificação de contas transacionais. Intitulada "chave Pix", o cadastramento será feito através de um "apelido" que será usado pelo cliente para identificar sua conta no sistema.

O ícone do Pix estará dentro do aplicativo bancário e no internet banking do cliente, assim como já estão outras funcionalidades, como DOC e TED. A chave Pix vincula as informações básicas do usuário aos dados completos que identificam a conta transacional do cliente (identificação da instituição financeira ou de pagamento, número da agência, número da conta e tipo de conta).

>> Tire suas dúvidas sobre o Pix e o que deve acontecer com TED, DOC e boletos bancários

Os quatro tipos de chaves Pix que poderão ser usadas e cadastradas são:

  • Número de CPF/CNPJ;
  • Endereço de e-mail;
  • Número do telefone celular;
  • EVP (Uma sequência alfanumérica de 32 dígitos que, após solicitação do cliente ao seu banco, será enviada pelo Banco Central à instituição, e com ela será possível criar um QR Code).

Não é obrigatório cadastrar uma chave para fazer ou receber um Pix. Caso o usuário queira usar o sistema de pagamento instantâneo, sem a chave Pix, será preciso digitar todos os dados bancários do destinatário para realizar uma transação. Além das chaves de endereçamento, o Pix também trará a experiência do QR Code, que possuirá dois formatos:

>> Recebeu aviso sobre o Pix? Entenda o que pode mudar na sua conta bancária 

  • Estático: que poderá ser utilizado para transferências ou no comércio quando as informações para pagamentos não mudam, incluindo o valor do pagamento (exemplo: um sorveteiro, em que o preço do picolé é o mesmo sempre);
  • Dinâmico: que poderá ser utilizado no comércio quando as informações para pagamentos mudam a cada momento (ex: em um supermercado, quando o valor de cada compra é diferente).

Comentários

Últimas notícias