TECNOLOGIA

Experiência de conexão 5G da TIM chega ao Recife até março de 2021

Operadora está expandindo uso da funcionalidade DSS para 12 cidades do País

Lucas Moraes
Lucas Moraes
Publicado em 16/12/2020 às 18:18
Notícia
VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL
TECNOLOGIA Recife, Salvador, Fortaleza e outras quatro cidades deverão estar com os serviços até março de 2021 - FOTO: VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

A operadora TIM Brasil está ampliando a sua conectividade com o 5G DSS (ativação sobre as frequências atuais do 4G). Depois dos movimentos já feitos pelas concorrentes Vivo e Claro antes do leilão das frequências destinadas ao 5G no País, a TIM promete levar a funcionalidade a mais 12 cidades brasileiras até o primeiro trimestre de 2021. O Recife, que ainda não conta com o serviço, deve ser contemplado até o mês de março do ano que vem, tanto para acesso fixo quanto para o acesso móvel. 

A reutilização de frequências do 4G permite às operadoras disponibilizar aos clientes uma experiência restrita do potencial 5G. Na visão da própria TIM, essa é uma oportunidade de testar a rede e a percepção do cliente.

"Testamos um caso de uso real, e quando o 5G de verdade chegar, alguns dispositivos estarão preparados para responder à tecnologia nessa nova frequência. Queremos testar não só o FWA, mas fazer o 5G DSS em cidades maiores, para entender no futuro como eles vão poder conviver. Estamos anunciando o nosso plano em mais 12 cidades, alcançando um total de 15. Agora vamos fazer isso de forma transparante, deixando claro que é o 5G DSS e divulgando onde essa cobertura vai estar", diz o CTIO da TIM Brasil, Leonardo Capdeville. 

Atualmente, a TIM Brasil já disponibilizava a conexão em três cidades, garantindo o acesso fixo (FWA) e móvel através da rede DSS. Com as 12 cidades que passarão a integrar o circuito serão adotados os mesmos modelos. Clientes da operadora em São Paulo, Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Curitiba já terão acesso ao 5G DSS ainda este mês em alguns pontos dessas cidades. Salvador, Fortaleza, Belém, Campinas, Santos, Florianópolis e o Recife deverão estar com os serviços disponíveis até março de 2021. Na capital pernambucana haverá um Cluster Boa Viagem, permitindo conexão na praia de Boa Viagem e no Parque Dona Lindu, além do Cluster Marco Zero, com conexão na praça Barão do Rio Branco (praça do Marco Zero).

Fornecedora da infraestrutura de rede necessária às operadoras, a Huawei já havia confirmado a este Jornal do Commercio a chegada do 5G DSS ao Recife no primeiro trimestre de 2021. Segundo a empresa chinesa, a previsão era de uma abrangência maior, envolvendo também bairros nobres da Zona Norte. Pelo menos neste primeiro momento, com a TIM, isso não deve ocorrer, mas ainda há incerteza quanto ao avanço da Claro e Vivo com a oferta dessa funcionalidade 5G, já que ambas ainda não têm cobertura na capital pernambucana. A Claro já mantém o 5G DSS em regiões de 14 cidades, já a Vivo está presente em localidades de oito cidades do País. 

"A tecnologia 5G é a mesma, com DSS ou sem. Agora, a velocidade depende da quantidade de banda que está disponível. Imagine ter uma Ferrari. Caso você esteja numa auto pista, o veículo vai correr mais. Se estiver numa estrada de terra, mesmo sendo uma Ferrari, não dá para seguir em grande velocidade. Então é claro que no DSS você não pode ter um monte de usuário, porque a banda não suportaria. Agora o que se deve esperar é uma velocidade maior do que o 4G. Quanto mais veloz? Vai depender da quantidade de banda utilizada pela operadora ao implementar o serviço", explica o presidente da consultoria Teleco, Eduardo Tude.

Segundo ele, com o leilão da Anatel - previsto para 2021 - o maior bloco destinado de uma única vez para a nova tecnologia, da faixa de 3,5 GHz, pode garantir o ganho de 80 Mbps a 100 Mbps, enquanto que nas bandas atuais a velocidade é menor, em torno dos 20 Mbps.

Compra da OI

Antes do leilão do 5G, a TIM também espera concluir no Cade a compra de parte da fatia móvel da OI. De acordo com dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a TIM ficará com cerca de 40% da base total de clientes da Oi, o que dá aproximadamente 14,5 milhões de usuários. No Nordeste, entretanto, a operadora não deve herdar a maioria dos clientes, já que para manter a concorrência no mercado, entre TIM, Vivo e Claro, a empresa com menor market share em determinada região deverá ir incorporando localmente o maior número de clientes. 

Ainda assim, a TIM já se prepara para a oferta de novos planos a esses clientes. O CEO da TIM, Pietro Labriola, diz ter como ideal que o usuário não precise nem trocar de chip. “O processo de migração tem de ser o menos ruidoso possível, precisamos encontrar planos parecidos na TIM (para os clientes da OI", afirmou. 

É importante reforçar que para uso do 5G, mesmo DSS, além da rede é preciso que o usuário já possua aparelhos compatíveis com a tecnologia. O 5G em sua plenitude de conexão só chegará ao Brasil após o leilão da Anatel, previsto ainda para 2021. 

 

Comentários

Últimas notícias