Novas restrições

Shoppings, bares e restaurantes de Pernambuco anunciam reforço nos protocolos anticovid, mas cobram ação do governo

De acordo com o Palácio do Campo das Princesas, a partir da próxima quarta-feira (3) estarão proibidas todas as atividades não essenciais entre as 20h e 5h, de segunda a sexta, e durante todo o dia nos sábados e domingos

Renata Monteiro
Renata Monteiro
Publicado em 01/03/2021 às 19:33
Notícia
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Segundo o governador Paulo Câmara, serviços não essenciais só poderão funcionar de segunda a sexta, das 5h às 20h, até 17 de março - FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

Diante das novas medidas de restrição anunciadas nesta segunda-feira (1º) pelo governo de Pernambuco para tentar frear o avanço da covid-19 no Estado, a Associação Pernambucana de Shopping Centers (Apesce) e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Pernambuco (Abrasel-PE) são cautelosas ao comentar os impactos da determinação nos setores. As entidades, contudo, dizem que vão reforçar protocolos anti-covid e cobram maior ação governamental no enfrentamento às causas do aumento de casos no Estado. De acordo com o Palácio do Campo das Princesas, a partir da próxima quarta-feira (3) estarão proibidas todas as atividades não essenciais entre as 20h e 5h, de segunda a sexta, e durante todo o dia nos sábados e domingos.

Com as mudanças, bares, restaurantes, shoppings e comércio de rua não essencial terão que fechar às 20h durante a semana e não poderão funcionar nos finais de semana. Por nota, o presidente da Apesce, Paulo Carneiro, afirmou que ainda não é possível avaliar os impactos que as novas medidas trarão para a economia, de forma geral, e especificamente para o setor.

"Haverá um impacto econômico importante, não medido ainda, com as novas restrições anunciadas pelo governo, especialmente com a redução na arrecadação de impostos. Mas este é um cenário nacional que precisa ser enfrentado", diz a nota. "No caso dos shoppings, os protocolos de segurança sanitária vêm sendo cumpridos de forma rigorosa e serão intensificados durante o horário de funcionamento, como forma de proteção de todos. É momento de pensar na saúde, mas buscando formas de preservar a atividade econômica com segurança", afirma Carneiro, no texto.

>> Pernambuco faz novas restrições e proíbe atividades não essenciais das 20h às 5h. Praias serão fechadas no fim de semana

>> Praias de Pernambuco estarão fechadas nos finais de semana; exceção é para prática de atividades esportivas individuais

>> Secretários de Saúde defendem toque de recolher nacional

>> As UTIs de Pernambuco agora são ocupadas por jovens que estão em aglomerações, diz presidente do sindicato dos hospitais

>> Governo de Pernambuco vai negociar compra de vacina russa contra a covid-19

Para André Araújo, presidente da Abrasel, os números relativos à covid-19 em Pernambuco só vão melhorar se, além de proibir atividades não essenciais, o governo garantir mais leitos e vacinas no Estado. "Inicialmente, nós tínhamos o problema do desconhecido. Havia poucas informações de como tratar (a covid-19), os protocolos estavam sendo construídos, não existia ainda a possibilidade da vacina. Os mecanismos eram um pouco lentos, em função do desconhecido. E hoje, não, infelizmente a situação é crítica, mas nós construímos um aprendizado nesse período, temos vacinas e agora o que resta é, além de uma medida mais imediata, ampliar a oferta de leitos e a capacidade de melhorar a logística para a vacinação. Eu acredito que, através dessas medidas, nós conseguiremos atravessar essas fases de vai e vem, de abre e fecha, que são muito ruins para todos, ruim para a saúde das pessoas e ruim para a situação financeira das empresas", observou.

Araújo cobrou, ainda, que a fiscalização de festas clandestinas seja intensificada pelo poder público, pois, segundo esse, esse seria uma das principais causas da proliferação rápida da enfermidade em Pernambuco. "Isso (o retorno à normalidade) só será possível com uma programação mais assertiva no que diz respeito à fiscalização e ao combate das aglomerações e festas clandestinas. Estas, sim, é que têm sido o principal pivô de nós termos chegado a essa situação. (...) Se trata de um episódio crescente e de uma falta de controle do poder público com relação ao combate a essas festas", frisou.

Mais leitos de UTI

Ao anunciar as novas medidas de restrição, o governador Paulo Câmara (PSB) também informou que o Estado abrirá novos leitos de UTI nos próximos dias. "Amanhã, teremos 18 novos leitos no Hospital Agamenon Magalhães em funcionamento, e até o final da semana chegaremos a 50 novas vagas. Estamos trabalhando com dedicação total para colocar em funcionamento a segunda maior rede de leitos de terapia intensiva do País", declarou o socialista.

Nesta terça-feira (2), o governador estará em Brasília, para negociar a aquisição direta da vacina Sputnik V. "Vamos buscar todas as possibilidades existentes para ampliar a imunização de todos os pernambucanos e pernambucanas", pontuou.

Comentários

Últimas notícias