Pandemia

Reajuste do gás natural pela Petrobras preocupa setor industrial em Pernambuco

Setor ainda sofre com pressão de custos por conta de aumento e da falta de matérias-primas

Adriana Guarda
Adriana Guarda
Publicado em 06/04/2021 às 19:33
Notícia
DIVULGAÇÃO
CLIENTELA Copergás atende 106 indústrias; aumento deve ficar em 18% - FOTO: DIVULGAÇÃO
Leitura:

O setor industrial em Pernambuco está preocupado com o reajuste médio de 39% no gás natural para as distribuidoras, anunciado pela Petrobras nesta segunda-feira (5). O receio é que o aumento pressione ainda mais os custos das empresas e se reverta em perda de competitividade e comprometimento do fluxo de caixa. Ainda não foram divulgados os percentuais por setor, mas a expectativa é de que o repasse para a indústria seja de 18%. 

>> Gás natural a distribuidoras fica 39% mais caro a partir de maio, diz Petrobras

>> Aumento do gás natural: saiba quando Pernambuco poderá sentir mudança nos preços

>> Copergás garante que abastecer com GNV continua sendo vantajoso, mesmo após aumento da Petrobras

>> "Petrobras é responsável pelos aumentos no gás e nos combustíveis", afirma Décio Padilha

A Companhia Pernambucana de Gás (Copergás), que compra o gás da Petrobras e distribui com diversos setores no Estado, tem 106 clientes industriais. O número é pequeno diante de um parque industrial de 15 mil empresas, mas são grandes consumidores. Além da indústria, a Copergás atende a 774 clientes comerciais, 52.812 residenciais e 82 postos de combustíveis com 69.304 usuários de GNV (Gás Natural Veicular). 

O gerente de Relações Industriais da Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe), Maurício Laranjeira, diz que o setor já tinha informação de que o aumento viria, só não esperava que fosse tão alto. "Um reajuste médio de 39% vai ser pesado, porque a indústria já vem tendo seus custos pressionados pela matéria-prima dolarizada e pela escassez de produtos. Essa alta do gás poderá implicar na perda de competitividade e complicar o fluxo de caixa. Geralmente as grandes indústrias que utilizam o gás natural são exportadoras e os concorrentes internacionais não estão enfrentando a mesma desvalorização de suas moedas como o real. Dessa forma, acabamos ficando menos competitivos", observa. 

RETRAÇÃO

O executivo também destaca que tem sido difícil para a indústria repassar os custos para o preço final porque o mercado já está retraído. Todo esse cenário se reflete no índice de confiança do empresário e na retomada da economia. "O aumento no ritmo da vacinação poderia refletir no índice de confiança, que reflete a possibilidade de realizar investimentos e apostar em contratações", afirma. No setor continuam faltando matérias-primas como plástico, embalagens, produtos químicos e tantas outras. 

O setor compartilha da proposta do secretário da Fazenda de Pernambuco, Décio Padilha, de que a política de reajuste de combustíveis da Petrobras não fosse 100% atrelada ao dólar. Na segunda (5), o secretário afirmou que a culpa do aumento dos combustíveis era da Petrobras e sugeriu uma equalização da produção nacional (60%) e da importação (40%) de combustíveis com o dólar. 

"Como a Petrobras tem uma produção local expressiva, não seria necessária essa indexação tão grande com o dólar", também defende Maurício Laranjeira. Diante de tantos desafios, a expectativa é que a indústria tenha uma trajetória de recuperação a partir do segundo semestre. Em Pernambuco, apesar da pandemia em 2020, a indústria fechou o ano com crescimento de 1%.  

 

 

Comentários

Últimas notícias