TURISMO

Ministro do turismo quer cruzeiros "de 200 a 700 pessoas" em Fernando de Noronha

Gilson Machado esteve no Recife, nesta sexta-feira (8), para participar da Agrinordeste

Lucas Moraes
Lucas Moraes
Publicado em 08/10/2021 às 12:17
Notícia
EBC
Embarcação foi encontrada à deriva - FOTO: EBC
Leitura:

O ministro do Turismo, Gilson Machado, voltou a defender a presença de cruzeiros no Arquipélago de Fernando de Noronha. De acordo com o ministro é "uma vergonha", o País receber apenas sete cruzeiros (previsão para a temporada, a partir de novembro. Para Machado, embora a ilha não tenha capacidade para grandes cruzeiros, há como receber navios "com 200 a 700 pessoas". 

>>> Brasil não deve exigir comprovante de vacinação de estrangeiros

Fernando de Noronha não tem condições de receber grandes cruzeiros, mas tem condições de receber navios menor (sic), com 200 até 700 pessoas, como aconteceu no passado e foi uma atividade altamente rentável", afirmou o ministro. 

"Foi uma atividade altamente salutar. É uma atividade altamente sustentável. Não degrada o meio ambiente e o cruzeirense volta para se hospedar na ilha", complementou. 

Machado ainda se disse envergonhado com a previsão da chegada de cruzeiros ao País após a liberação de retomada, anunciada esta semana, pelo governo federal. 

"Liberamos os cruzeiros, que é atividade importantíssima. O nordeste tem a maior vocação do mundo para essa atividade. Sete cruzeiros é uma vergonha, muito pouco. Tem que receber 50", queixou-se Gilson Machado. 

A lamentação do ministro diz respeito à previsão da temporada 2021/2022, que deverá ser iniciada em novembro, com expectativa, segundo já informou o governo federal, de gerar R$ 2,5 bilhões para a economia e criar 35 mil empregos, o que representaria crescimento de 11% em relação à temporada 2019/2020.

Para a nova temporada de cruzeiros, que vai de novembro até abril do próximo ano, estão previstos sete navios, ofertando cerca de 566 mil leitos, 35 mil a mais que na temporada 2019/2020, em 130 roteiros e 570 escalas em portos brasileiros.

Gilson Machado já tinha defendido a retomada de cruzeiros em Fernando de Noronha no ano passado, como presidente do Instituto Brasileiro do Turismo (Embratur). Na ocasião, o  ministro havia gravado um vídeo com o senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, em visita ao arquipélago. 

A temporadas de navios em Noronha foi encerrada em 2013 e a declaração de Machado à época não vingou. 

CRUZEIROS

A liberação dos cruzeiros no País ocorreu três semanas depois de a Anvisa ter se posicionado contra a medida. Em 10 de setembro, a agência havia informado que as evidências sanitárias e epidemiológicas ainda não apontavam a retomada dos cruzeiros como ação segura.

Em Pernambuco, a decisão só deverá sair na segunda-feira (11), após reunião entre entes do governo do Estado. No último dia 1º de outubro, o governo de Pernambuco prorrogou o estado de calamidade pública em todos os municípios do Estado e em Fernando de Noronha devido à pandemia de covid-19 . O decreto, publicado no Diário Oficial e assinado pelo governador Paulo Câmara (PSB), tem validade até 31 de dezembro de 2021 e substitui um anterior que tinha validade até o dia 11 de dezembro e corrobora a suspensão da atracação de cruzeiros, proibida enquanto vigorar o estado de calamidade. 


 

Comentários

Últimas notícias