Torcidas Organizadas

Presidente da Torcida Jovem do Sport questiona autoridades: "por que o governo dá as costas?"

Presidente da Torcida Jovem do Sport, Henrique Marques, disse que a confusão antes do Clássico das Multidões foi uma tragédia anunciada e pede maior diálogo com o governo

Gabriela Máxima
Gabriela Máxima
Publicado em 09/03/2020 às 14:01
Notícia
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
A violência das torcidas organizadas marcou o dia de clássico - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Leitura:

Presidente da Torcida Jovem do Sport, Henrique Marques, disse, em entrevista ao programa Por Dentro com Cardinot, da TV Jornal, que a confusão entre torcidas organizadas antes do Clássico das Multidões entre Leão e o Santa Cruz, no último sábado, foi uma tragédia anunciada. De acordo com o rubro-negro, a extinção das uniformizadas por parte da Justiça não será suficiente para acabar com os grupos. Ele pede maior diálogo com as autoridades. 

LEIA MAIS

>> Juizado do torcedor pede cadastramento das torcidas organizadas para reduzir violência no futebol

>> Poder público busca novas alternativas para conter violência entre torcidas organizadas

"Primeiro, a Torcida Jovem está extinta. Segundo, foi uma tragédia anunciada. Com é uma questão de segurança pública, porque não é só torcida organizada que vai para o estádio não. Está tudo que é torcedor ali: mulher, menino, como foi a criança ali, todo tipo de cidadão. É uma questão de segurança pública e por que o Governo do Estado dá as costas. Como se trata um problema de segurança pública e não chama a torcida para conversar? A gente nem sequer foi ouvido. Somos pais de família, dependemos daqui. E a gente nem sequer foi ouvido. A solução deles é chegar e prender 10 pessoas e 9.990 vão fazer a mesma coisa. Enquanto não chegar, não escutar a torcida, não vai ter solução", garantiu Henrique, referindo-se à extinção das Torcidas Organizadas de Pernambuco, em fevereiro.

De acordo com o presidente da Jovem do Sport, o melhor caminho para resolver a situação é a conversa e o cadastramento de todos os membros, algo que deveria acontecer de acordo com o Estatuto do Torcedor, mas que não foi executado em Pernambuco. 

"(A solução é) sentar e conversar. Porque até então não é a marca que quebra e causa tumulto. Quem causa tumulto é o cidadão que sai de casa com aquele intuito. Não vejo nada demais a Polícia de São Paulo, o Ministério Público de São Paulo cadastra o torcedor. Não custa nada escutar e passar ideias. Para chegar em uma solução. Vai estar aí apreendendo, levando, vai extinguir Jovem, Inferno e Fanáutico. Não é esse o resultado. Vai acontecer o que aconteceu. A gente exige o cadastro. Quer participar da torcida organizar? Que seja cadastrado. Seja vinculado à torcida como acontece em São Paulo. Aqui, a gente não vê o interesse do governo nem de ninguém para resolver. É chegar meter o papel, prender, extinguir. Essa não é a solução porque vai continuar", concluiu.

Comentários

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias