Futebol Internacional

Toulouse recorre à Justiça contra rebaixamento na Ligue 1

Campeonato Francês foi dado como encerrado durante paralisação causada pelo novo coronavírus e o clube foi rebaixado

AFP
AFP
Publicado em 28/05/2020 às 15:05
Notícia
REPRODUÇÃO/TWITTER
Equipe acabou ficando na lanterna do Campeonato Francês, com 13 pontos conquistados em 28 jogos - FOTO: REPRODUÇÃO/TWITTER
Leitura:

O Toulouse se juntou ao crescente número de clubes que apelam da maneira como a temporada foi encerrada levando a liga francesa ao mais alto tribunal administrativo do país, informou a mídia regional nesta quinta-feira.

O time, último na Ligue 1 quando o coronavírus interrompeu o campeonato, apelou ao Conselho de Estado, afirmou La Depeche du Midi.

 

O clube sempre se recusou a confirmar

se está recorrendo, mas em dois emails enviados na terça-feira a patrocinadores e apoiadores e em posts, reconheceu que estava no fundo da tabela, mas disse que tinham a obrigação de "reivindicar" seus "direitos" , sem mencionar o tribunal.

O Amiens, 19º na tabela e também rebaixado, e o Lyon, que acabou ficando em sétimo e perdeu a chance de disputar um torneio europeu, já apresentaram recursos. O Ajaccio, deixado de fora das vagas que dão acesso à Ligue 2, também planeja ações legais.

Os últimos jogos da Ligue 1 foram realizados em 8 de março. Por insistência do governo, o conselho da liga votou em 30 de abril para declarar a temporada encerrada com 10 rodadas a serem disputadas para a maioria das equipes da Ligue 1.

O Toulouse, na lanterna durante muitos meses e com apenas três vitórias e 13 pontos em 28 jogos, ficou a 14 pontos da salvação.

O Amiens tinha 10 pontos a mais, mas ainda a quatro pontos da posição que dava direito à disputa do playoff para se salvar.

A liga classificou as equipes pela média de pontos ganhos em relação aos jogos disputados, mas isso não mudou as colocações na classificação final.

rz/pb/lp/aam

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias