Futebol Internacional

Leipzig diz não ter conhecimento sobre venda de atacante para o Chelsea

Timo Werner, de 24 anos, é o artilheiro e principal jogador do RB Leipzig na atual temporada, com 31 gols marcados

AFP
AFP
Publicado em 06/06/2020 às 20:17
Notícia
AFP
Timo Werner pode se transferir para o Chelsea e disputar a Premier League - FOTO: AFP
Leitura:

Os dirigentes do RB Leipzig afirmaram neste sábado que seu artilheiro, Timo Werner, não os informou sobre uma possível transferência para o Chelsea e que até agora nada foi negociado com o clube inglês, ao contrário do que a mídia inglesa e alemã disseram esta semana.

"Ele nos indicou há algumas semanas que estava lidando com uma transferência. Mas até agora nada foi feito", disse Oliver Mintzlaff, chefe do RB Leipzig, respondendo a uma pergunta sobre os rumores de saída do jogador.

 

Antes do Chelsea, a imprensa especulava sobre uma transferência do atacante de 24 anos, que também atua pela seleção alemã, para o Liverpool.

"Existe essa cláusula de saída (estimada em 60 milhões de euros), que incluímos no contrato para oferecer a ele a possibilidade de dar um novo passo", acrescentou Mintzlaff. "Agora é ele quem está no volante, não nós. Até hoje, ele não ativou a cláusula e nenhum clube nos enviou uma proposta de transferência", afirmou.

O Leipzig, diz seu presidente, até agora "não teve nenhuma conversa" com o Chelsea sobre esse assunto.

O técnico do Leipzig, Julian Nagelsmann, também disse que não tinha informações sobre o assunto: "Ele não me disse nada, mas também não tem obrigação de fazê-lo", contou à Sky. "Acho que não há nada feito", disse ele.

Timo Werner marcou 31 gols com a camisa do Leipzig nesta temporada, levando em conta todas as competições. Destes, 25 em 29 jogos na Bundesliga.

O RB Leipzig é o terceiro do campeonato alemão e também está classificado para as quartas de final da Liga dos Campeões.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias