ilha do retiro

Sport pretende pagar mais de R$ 25 milhões em dívidas em 2020

Presidente do Sport, Milton Bivar, concedeu entrevista ao programa Bate Rebate, da Rádio Jornal, e revelou que clube vai amortizar entre R$ 25 e R$ 30 milhões esse ano

Gabriela Máxima
Gabriela Máxima
Publicado em 05/08/2020 às 14:15
Notícia

ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
André teve duas passagens pelo Sport e a última foi em 2018 - FOTO: ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Leitura:

O planejamento do Sport para 2020 é garantir a permanência na Série A e pagar parte considerável da dívida do clube. De acordo com o presidente Milton Bivar, a estratégia adotada pela diretoria recai sobre o pagamento de R$ 25 a R$ 30 milhões da dívida, além da manutenção do time na primeira divisão do futebol brasileiro.

Ele explicou o projeto em entrevista ao programa Bate Rebate, da Rádio Jornal. "A estratégia adotada por mim e por toda nossa diretoria. Só esse ano vamos amortizar aproximadamente de 25 a 30 milhões contando que a gente permaneça na Série A e isso faz parte do nosso projeto. Porque aí em 2021 vai ser mais fácil de amortizar os valores em um objeto direto porque não vamos ter mais os R$ 18 milhões da Globo, referente ao débito feito pelos dirigentes que me antecederam. Não tem volta não. Vai ser pago", garantiu Bivar sobre o pagamento dos débitos do Leão.

Detalhamento das dívidas

O presidente do Leão ainda lembrou que o clube tem várias dívidas para pagar, muitas delas são referentes às ações trabalhistas acionadas por jogadores. Ele apontou alguns casos. "Temos ainda André, que está na Justiça de 1,93 milhão euros que hoje está em torno de R$ 6 milhões. Temos ainda na CNRD (Câmara Nacional de Resolução de Disputas da CBF), somando tudo, ainda deve R$ 14 milhões para se pagar e fora pequenos outros acordos. Temos uma folha paralela que a gente está pagando. A dificuldade é muito grande haja vista o próprio caso de Rithely, que fez o contrato de repactuação e logo depois veio a pandemia. Janeiro e fevereiro e veio a pandemia", falou o mandatário. 

"Fica difícil (apontar um valor real da dívida ou quanto tempo é necessário para pagá-la) porque a maioria está indo para a Justiça. E quando chega na Justiça coloca multa, mais isso, mais aquilo. O valor já aumenta substancialmente e aí você não tem como avaliar e dizer os valores baseados em números que não são reais", concluiu.


O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias