Patrocinada

Combate à Covid-19 fortalece parceria entre Hospital Português e SUS

Com a mesma excelência, Real Hospital Português atende a pacientes do SUS e tem papel importante contra a Covid-19

JC360
Cadastrado por
JC360
Publicado em 16/09/2020 às 7:00 | Atualizado em 16/09/2020 às 8:40
LUISI MARQUES/JC360
Entre abril e agosto, o RHP atendeu 340 pacientes graves da Covid-19. Assistência multidisciplinar oferecida pelo complexto de saúde motivou decisão de receber esses casos, explica a gerente Luciene Melo - FOTO: LUISI MARQUES/JC360
Leitura:

A consolidação do Real Hospital Português (RHP) nestes 165 anos de existência como referência médica no Norte-Nordeste sempre esteve acompanhada por seu caráter social. Desde a fundação, em 1855, quando o Brasil enfrentava um de seus maiores desafios os sanitários ao tentar combater a epidemia do cólera, o RHP já buscava soluções na medicina para ajudar a conter a disseminação da doença, atendendo os pacientes de forma igualitária.

“Podemos constatar que o RHP sempre teve um lado social muito forte, desde a sua fundação, quando o Hospital entrou na luta contra a epidemia do cólera, oferecendo assistência médica a pacientes carentes. Ao longo dos anos, essa essência não se perdeu. Como o SUS ainda não existia, nós buscávamos parcerias com a Secretaria de Saúde da época, para contribuir com o tratamento da população em geral”, relembra a gerente SUS no Real Hospital Português, Luciene Melo.

>> Real Hospital Português: 165 anos de compromisso com a vida

>> Hospital Português investe em tecnologia a serviço da saúde

>> Real Mater: humanização no acolhimento a mães e filhos

O Secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, ressalta a importância do RHP no acompanhamento de pacientes de alta complexidade no Estado. Ele afirma que, apesar de o SUS ter uma grande rede própria que dá assistência à população, os hospitais conveniados ao sistema têm um importante papel na hora de desafogar o sistema público de saúde.

“Embora se tenha uma grande rede pública, os hospitais privados-filantrópicos contratualizados em Pernambuco são fundamentais para a assistência em várias áreas, entre elas as de cirurgia cardíaca e vascular, transplantes e hemodiálise, que são as que mais demandam atenção no Estado. O RHP é um dos maiores hospitais privado-filantrópico que temos e, sem dúvida, é um parceiro importante para o SUS nos procedimentos de alta complexidade, por ser referência na assistência à saúde no Norte-Nordeste”, destaca.

Pandemia

Num reencontro com sua origem, o RHP entrou na luta contra a pandemia do novo Coronavírus, assistindo, também, pacientes oriundos do SUS em Pernambuco. O Hospital chegou a dedicar 50 leitos de UTIs (Unidade de Terapia Intensiva) para o sistema público de saúde, reforçando ainda mais seu compromisso social com a população pernambucana.

Segundo o levantamento realizado pelo complexo de saúde, cerca de 340 casos graves oriundos do SUS foram tratados na unidade, entre os meses de abril e agosto. “Quando começamos a tratar pacientes com a Covid-19, vimos a necessidade de abrir leitos de UTI para ajudar o sistema público, porque os casos não paravam de subir. Por sermos um Hospital completo, a gente fez questão de tratar pacientes com o quadro grave da Covid-19 e, com isso, conseguimos ajudar o Sistema Único de Saúde a salvar vidas”, detalha Luciene Melo.

>> Oncologia: o tempo a favor do paciente

>> Novo conceito em UTIs deixa famílias mais próximas de pacientes

Dentro da parceria entre RHP e SUS, começaram a ser tratados, inicialmente, casos do Recife e Região Metropolitana. Com a chegada do vírus ao interior, o complexo hospitalar passou a receber pessoas de  vários municípios, como Garanhuns, Arcoverde, Nazaré da Mata e Serra Talhada. Os pacientes são todos encaminhados por meio da Secretaria Estadual de Saúde.

Heudes Régis/SEI
Para o secretário André Longo, parceria do RHP com o SUS ajudou a conter avanço da Covid-19 em Pernambuco - Heudes Régis/SEI

Na opinião do Secretário André Longo, o tratamento desses pacientes no RHP foi fundamental para Pernambuco conseguir conter a onda crescente de mortes que atingiu o Estado durante os primeiros meses da pandemia. Com o tratamento dos casos mais complexos assegurado, o Estado pode controlar ainda mais o número de óbitos. “Não podemos deixar de destacar e de agradecer o importantíssimo papel que o RHP está tendo no enfrentamento à Covid-19, com a dedicação desses leitos de UTI ao SUS. O RHP foi o hospital da rede privada que mais disponibilizou leitos para a assistência pública de saúde. Essa parceria surgiu na década passada, mas ainda hoje podemos colher os benefícios que toda essa relação tem dado à sociedade pernambucana”, analisa.

Cooperação

Além do atendimento a pacientes com a Covid-19, a relação entre o RHP e o SUS envolve outras áreas da assistência médica. Quando o SUS foi criado, fazia 12 anos que o Real Hospital Português havia realizado o primeiro transplante em Pernambuco. Hoje, em mais de três décadas de colaboração com o sistema público de saúde, o RHP atende à demanda do SUS em alta complexidade nas áreas de cirurgia cardíaca adulto e pediátrica, cirurgia vascular, cirurgia endovascular, hemodiálise e transplantes de medula óssea, renal, cardíaco e hepático.

>>RHP valoriza a formação profissional e a pesquisa científica

>> Fluxo Azul possibilita retomada segura de atendimentos eletivos

“Mesmo antes da existência do SUS, nós contribuíamos com a saúde da população em Pernambuco, por meio da parceria que sempre tivemos com a Secretaria Estadual de Saúde. O primeiro transplante renal do Estado foi feito pelo RHP, em 1976, fruto dessa cooperação entre as instituições. Mais tarde, em 1991, quando o Sistema Único já havia sido criado, tivemos o primeiro de coração. Já em 1999, foi a vez do pioneirismo nos procedimentos de medula óssea e, em 2015, conseguimos ampliar nosso programa, realizando o primeiro transplante hepático. Tudo graças à parceria e às nossas equipes treinadas e capacitadas”, explica Luciene Melo. 

Até dezembro de 2019, foram realizados 4.381 transplantes no complexo hospitalar. Desse total, 2.261 foram de medula óssea; 1.796 renais; 210 cardíacos e 114 hepáticos. Além dos transplantes, o RHP também oferece tratamentos cirúrgicos de alta complexidade, pelo SUS. Apenas no ano de 2019, foram realizadas 3.623 cirurgias. Também 7.659 internamentos e 147.544 atendimentos ambulatoriais, dos quais 2.626 foram sessões de hemodiálise, num dos mais completos e modernos parques de hemodiálise do Estado.

Comentários

Últimas notícias