Respiradores

MPF em Pernambuco pede investigações no Rio e em São Paulo sobre empresas que venderam respiradores irregulares à Prefeitura do Recife

Ofício foi remetido às unidades do MPF nos estados em que foram identificados indícios de comercialização irregular do respirador BR 2000 por empresas investigadas

JC
JC
Publicado em 08/07/2020 às 16:23
Notícia
DIVULGAÇÃO
Respiradores da Bioex Equipamentos Médicos não foram aprovados nas provas técnicas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) - FOTO: DIVULGAÇÃO
Leitura:

O Ministério Público Federal (MPF) em Pernambuco (PE) divulgou nesta quarta-feira (8) que oficiou as unidades do órgão nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro para que sejam investigados, na respectiva abrangência de cada unidade da federação, os aspectos criminais e cíveis de atos contra a saúde pública consistentes na fabricação e comercialização irregular de respiradores BR 2000 por empresas já investigadas em no Estado. A responsável pelo caso é a procuradora da República Silvia Regina Pontes Lopes.

>> Polícia cumpre mandados no Recife e em Paudalho em operação que apura suposta fraude em licitações da covid-19

>> Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão na Prefeitura do Recife

>> Caso Juvanete: PCR diz que cancelou compra de respiradores fabricados pela Bioex

A medida foi tomada após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinar, a pedido do MPF em Pernambuco, a apreensão nacional de todos os lotes do ventilador pulmonar modelo BR 2000 fabricado pela empresa Bioex Equipamentos Médicos e Odontológicos Eireli e comercializado pela empresa Juvanete Barreto Freire (Brasmed Veterinária), sem prejuízo das demais ações sanitárias cabíveis.

A Resolução 2.164 da Gerência Geral de Inspeção e Fiscalização Sanitária da Anvisa, que traz a determinação de apreensão, foi publicada em 26 de junho. A medida tem por base decisão judicial obtida no mês passado pelo MPF, no âmbito da Operação Apneia, determinando a proibição de fabricação, venda, entrega e inclusive doação do respirador BR 2000 pelas empresas Juvanete Barreto Freire, Bioex Equipamentos Médicos e Odontológicos e BRMD Produtos Cirúrgicos, bem como por quaisquer de seus representantes.

De acordo com as investigações, foi identificada comercialização irregular dos equipamentos a unidades de saúde em diferentes estados. Conforme informações da própria agência, repassadas ao MPF-PE e à Polícia Federal (PF), as empresas Juvanete Barreto Freire e BRMD Produtos Cirúrgicos não têm Autorização de Funcionamento de Empresa (AFE) concedida pela agência para a desempenharem atividades com produtos para saúde.

Com relação à Bioex Equipamentos Médicos e Odontológicos, a agência informou que, apesar de autorizada a fabricar produtos da área, a empresa está identificada no CNPJ em endereço diferente do que está autorizada a atuar, não podendo realizar qualquer atividade com produtos na área de saúde no endereço atual. A Anvisa informou ainda que a Bioex não tem autorização para fabricar e comercializar o respirador BR 2000 no país, tampouco para uso em humanos, pois não atendeu a todos os requisitos exigidos para obter o registro na agência.

APNEIA

Deflagrada em maio, a Operação Apneia apura irregularidades na compra de respiradores dessas empresas pela Prefeitura do Recife. As investigações do MPF, do Ministério Público de Contas (MPCO) e da PF indicaram que a Prefeitura do Recife, por meio de dispensa de licitação, contratou de forma irregular a microempresa Juvanete Barreto Freire, aberta há pouco mais de seis meses, para o fornecimento dos ventiladores pulmonares ao município que seriam destinados ao tratamento de pacientes diagnosticados com o novo coronavírus (covid-19).

>>Três são presos na Bahia em operação que investiga fraude na venda de respiradores para o Consórcio Nordeste

O valor total dos contratos foi de R$ 11,5 milhões, embora o faturamento anual da microempresária perante a Receita Federal fosse de R$ 81 mil. As empresas Bioex Equipamentos Médicos e Odontológicos e BRMD Produtos Cirúrgicos eram supostamente representadas por Juvanete Barreto Freire.

Após inciadas as apurações, a Prefeitura do Recife divulgou nota oficial informando sobre a desistência da microempresa de fornecer os ventiladores pulmonares já contratados, alegando prejuízo a sua imagem. Todo o processo de distrato foi feito em menos de 24 horas.

Confira a nota da PCR, publicada nesta terça-feira (7), no Blog de Jamildo:

"A Prefeitura do Recife informa que, conforme divulgou no fim de maio, a Secretaria de Saúde do Recife cancelou a compra dos respiradores Bioex e o valor pago, de R$ 1,075 milhão, foi devolvido pela empresa à Prefeitura, sem prejuízo à gestão municipal. Nenhum dos respiradores foi utilizado enquanto a empresa não apresentou autorização da Anvisa.

A Prefeitura reitera que todos os procedimentos da Secretaria de Saúde estão sendo realizados dentro da legalidade e todos os processos de aquisição da pandemia estão sendo enviados, desde abril, por iniciativa da própria Prefeitura, ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE). A Secretaria de Saúde e todos os órgãos da Prefeitura continuam à disposição dos órgãos de controle para prestar qualquer esclarecimento."

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias