CIDADANIA

Aniversário do Recife: a força que vem das periferias

No aniversário das cidades irmãs, Recife e Olinda, o JC conta histórias de empoderamento de comunidades da periferia

Amanda Rainheri
Amanda Rainheri
Publicado em 12/03/2020 às 7:00
Especial
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Ilha de Deus. Localizada no centro de um dos maiores manguezais urbanos do Brasil em Recife, a Ilha de Deus começou a ser ocupada nas primeiras décadas do século XX, onde desde o início de sua formação, a pesca constitui a atividade econômica predominante, sejam camarões, caranguejos e unhas-de-velho, a siris e sururus. Recentemente, por meio do trabalho do Centro Saber Viver, a comunidade se abriu para o Turismo de Base Comunitária, uma alternativa para divulgar o potencial natural ali existente e oferecer a visitantes e turistas experiências autênticas e uma imersão no cotidiano simples e encantador da Ilha de Deus. Oficinas de gastronomia e artesanato, intercâmbio social e circuitos pedagógicos são apenas alguns dos produtos turísticos que podem ser adquiridos e que põem pessoas de diversas partes do país e do mundo em contato com o que a Ilha possui de mais fascinante: o cotidiano de seu povo.Pernambuco. Brasil - FOTO: ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Leitura:

A força de uma cidade vem do seu povo, da sua história e da sua cultura. Vem do poder de se reinventar diante das diferentes adversidades, de evoluir. De buscar o empoderamento, o pertencimento, o bem comum, independente da presença do poder público. No dia em que Olinda completa 485 anos e a capital pernambucana chega aos 483 anos, o Jornal do Commercio traz histórias de força e superação. Da força que vem das comunidades, das periferias das cidades irmãs. Que é negra, de resistência e de luta por direitos e espaços. Uma força que transforma vidas e realidades todos os dias.

Dos manguezais vem a força de um povo que transforma todos os dias a própria história. Poucas décadas atrás, a Ilha de Deus, no bairro do Pina, Zona Sul da capital, era conhecida pelos altos índices de violência. Sem ligação com o continente ou fornecimento de água e energia, faltava tudo aos moradores, que se equilibravam em palafitas sobre o mangue para conseguir tirar o sustento da pesca. Era a “Ilha sem Deus”. Uma realidade que começou a ser transformada há 36 anos, com a chegada do Centro Popular Educacional Saber Viver.

>> TV Jornal comemora aniversário de Olinda e Recife com passeio ciclístico

>> Veja o que abre e o que fecha no feriado de aniversário de Olinda nesta quinta-feira

>> Quem é você no aniversário do Recife e de Olinda?

>> No aniversário do Recife e Olinda é feriado? Entenda

>> Recife terá programação extensa para comemorar aniversário de 483 anos

“A ilha da minha infância era muito pobre e esquecida. Por ser lugar de difícil acesso, as pessoas maldosas aproveitavam para se esconder. Aqui, na época, só se chegava de barco ou a nado. Um completo abandono”, lembra Geiseane Gomes, 32 anos, hoje o nome por trás do Bistrô Negralinda. “Uma das coisas que mais me entristecem contar é que as pessoas precisavam mentir o endereço se quisessem ter um emprego”, lamenta Edy Rocha, coordenador de projetos sociais da ONG Saber Viver.

Morador da Ilha entre 1965 e 1968, Edy, hoje cineasta e empreendedor social, foi chamado por mulheres da ilha há cerca de 10 anos para desenvolver um projeto de geração de trabalho e renda para a população. “Eles estavam passando por uma reestruturação, com a retirada das palafitas e a construção de casas pelo governo. Precisavam pagar água, energia e se sustentar.”

O caminho foi apostar no empoderamento da comunidade, com qualificação profissional e suporte para que os moradores, em sua maioria mulheres, se tornassem empreendedores. “Meu papel foi ensinar a eles que podem ser o que quiserem. Acredito que para desenvolver um território é necessário desenvolver as pessoas”, afirma o coordenador da ONG.

Assim, a comunidade deixou de ter apenas pescadores para ter artesãos, cozinheiros e guias turísticos. De temida, a Ilha de Deus passou a ser ponto turístico. Só em 2019, a ilha, que abriga mais de duas mil pessoas, recebeu 8 mil visitantes através do programa de turismo de base comunitária. Quem visita o local, aprende sobre o dia a dia da comunidade, sobre meio ambiente, gastronomia e cultura.

Uma mudança que deu aos moradores algo mais valioso do que apenas a dignidade: autoestima. “Hoje as pessoas têm orgulho de dizer que vivem na Ilha de Deus, uma comunidade que é exemplo de superação pela força do trabalho”, afirma Edy Rocha.

ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Ilha de Deus. Localizada no centro de um dos maiores manguezais urbanos do Brasil em Recife, a Ilha de Deus começou a ser ocupada nas primeiras décadas do século XX, onde desde o início de sua formação, a pesca constitui a atividade econômica predominante, sejam camarões, caranguejos e unhas-de-velho, a siris e sururus. Recentemente, por meio do trabalho do Centro Saber Viver, a comunidade se abriu para o Turismo de Base Comunitária, uma alternativa para divulgar o potencial natural ali existente e oferecer a visitantes e turistas experiências autênticas e uma imersão no cotidiano simples e encantador da Ilha de Deus. Oficinas de gastronomia e artesanato, intercâmbio social e circuitos pedagógicos são apenas alguns dos produtos turísticos que podem ser adquiridos e que põem pessoas de diversas partes do país e do mundo em contato com o que a Ilha possui de mais fascinante: o cotidiano de seu povo.Pernambuco. Brasil - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Ilha de Deus. Localizada no centro de um dos maiores manguezais urbanos do Brasil em Recife, a Ilha de Deus começou a ser ocupada nas primeiras décadas do século XX, onde desde o início de sua formação, a pesca constitui a atividade econômica predominante, sejam camarões, caranguejos e unhas-de-velho, a siris e sururus. Recentemente, por meio do trabalho do Centro Saber Viver, a comunidade se abriu para o Turismo de Base Comunitária, uma alternativa para divulgar o potencial natural ali existente e oferecer a visitantes e turistas experiências autênticas e uma imersão no cotidiano simples e encantador da Ilha de Deus. Oficinas de gastronomia e artesanato, intercâmbio social e circuitos pedagógicos são apenas alguns dos produtos turísticos que podem ser adquiridos e que põem pessoas de diversas partes do país e do mundo em contato com o que a Ilha possui de mais fascinante: o cotidiano de seu povo.Pernambuco. Brasil - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Ilha de Deus. Localizada no centro de um dos maiores manguezais urbanos do Brasil em Recife, a Ilha de Deus começou a ser ocupada nas primeiras décadas do século XX, onde desde o início de sua formação, a pesca constitui a atividade econômica predominante, sejam camarões, caranguejos e unhas-de-velho, a siris e sururus. Recentemente, por meio do trabalho do Centro Saber Viver, a comunidade se abriu para o Turismo de Base Comunitária, uma alternativa para divulgar o potencial natural ali existente e oferecer a visitantes e turistas experiências autênticas e uma imersão no cotidiano simples e encantador da Ilha de Deus. Oficinas de gastronomia e artesanato, intercâmbio social e circuitos pedagógicos são apenas alguns dos produtos turísticos que podem ser adquiridos e que põem pessoas de diversas partes do país e do mundo em contato com o que a Ilha possui de mais fascinante: o cotidiano de seu povo.Pernambuco. Brasil - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Ilha de Deus. Localizada no centro de um dos maiores manguezais urbanos do Brasil em Recife, a Ilha de Deus começou a ser ocupada nas primeiras décadas do século XX, onde desde o início de sua formação, a pesca constitui a atividade econômica predominante, sejam camarões, caranguejos e unhas-de-velho, a siris e sururus. Recentemente, por meio do trabalho do Centro Saber Viver, a comunidade se abriu para o Turismo de Base Comunitária, uma alternativa para divulgar o potencial natural ali existente e oferecer a visitantes e turistas experiências autênticas e uma imersão no cotidiano simples e encantador da Ilha de Deus. Oficinas de gastronomia e artesanato, intercâmbio social e circuitos pedagógicos são apenas alguns dos produtos turísticos que podem ser adquiridos e que põem pessoas de diversas partes do país e do mundo em contato com o que a Ilha possui de mais fascinante: o cotidiano de seu povo.Pernambuco. Brasil - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Ilha de Deus. Localizada no centro de um dos maiores manguezais urbanos do Brasil em Recife, a Ilha de Deus começou a ser ocupada nas primeiras décadas do século XX, onde desde o início de sua formação, a pesca constitui a atividade econômica predominante, sejam camarões, caranguejos e unhas-de-velho, a siris e sururus. Recentemente, por meio do trabalho do Centro Saber Viver, a comunidade se abriu para o Turismo de Base Comunitária, uma alternativa para divulgar o potencial natural ali existente e oferecer a visitantes e turistas experiências autênticas e uma imersão no cotidiano simples e encantador da Ilha de Deus. Oficinas de gastronomia e artesanato, intercâmbio social e circuitos pedagógicos são apenas alguns dos produtos turísticos que podem ser adquiridos e que põem pessoas de diversas partes do país e do mundo em contato com o que a Ilha possui de mais fascinante: o cotidiano de seu povo.Pernambuco. Brasil - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Ilha de Deus. Localizada no centro de um dos maiores manguezais urbanos do Brasil em Recife, a Ilha de Deus começou a ser ocupada nas primeiras décadas do século XX, onde desde o início de sua formação, a pesca constitui a atividade econômica predominante, sejam camarões, caranguejos e unhas-de-velho, a siris e sururus. Recentemente, por meio do trabalho do Centro Saber Viver, a comunidade se abriu para o Turismo de Base Comunitária, uma alternativa para divulgar o potencial natural ali existente e oferecer a visitantes e turistas experiências autênticas e uma imersão no cotidiano simples e encantador da Ilha de Deus. Oficinas de gastronomia e artesanato, intercâmbio social e circuitos pedagógicos são apenas alguns dos produtos turísticos que podem ser adquiridos e que põem pessoas de diversas partes do país e do mundo em contato com o que a Ilha possui de mais fascinante: o cotidiano de seu povo.Pernambuco. Brasil - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Ilha de Deus. Localizada no centro de um dos maiores manguezais urbanos do Brasil em Recife, a Ilha de Deus começou a ser ocupada nas primeiras décadas do século XX, onde desde o início de sua formação, a pesca constitui a atividade econômica predominante, sejam camarões, caranguejos e unhas-de-velho, a siris e sururus. Recentemente, por meio do trabalho do Centro Saber Viver, a comunidade se abriu para o Turismo de Base Comunitária, uma alternativa para divulgar o potencial natural ali existente e oferecer a visitantes e turistas experiências autênticas e uma imersão no cotidiano simples e encantador da Ilha de Deus. Oficinas de gastronomia e artesanato, intercâmbio social e circuitos pedagógicos são apenas alguns dos produtos turísticos que podem ser adquiridos e que põem pessoas de diversas partes do país e do mundo em contato com o que a Ilha possui de mais fascinante: o cotidiano de seu povo.Pernambuco. Brasil - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Ilha de Deus. Localizada no centro de um dos maiores manguezais urbanos do Brasil em Recife, a Ilha de Deus começou a ser ocupada nas primeiras décadas do século XX, onde desde o início de sua formação, a pesca constitui a atividade econômica predominante, sejam camarões, caranguejos e unhas-de-velho, a siris e sururus. Recentemente, por meio do trabalho do Centro Saber Viver, a comunidade se abriu para o Turismo de Base Comunitária, uma alternativa para divulgar o potencial natural ali existente e oferecer a visitantes e turistas experiências autênticas e uma imersão no cotidiano simples e encantador da Ilha de Deus. Oficinas de gastronomia e artesanato, intercâmbio social e circuitos pedagógicos são apenas alguns dos produtos turísticos que podem ser adquiridos e que põem pessoas de diversas partes do país e do mundo em contato com o que a Ilha possui de mais fascinante: o cotidiano de seu povo.Pernambuco. Brasil - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Ilha de Deus. Localizada no centro de um dos maiores manguezais urbanos do Brasil em Recife, a Ilha de Deus começou a ser ocupada nas primeiras décadas do século XX, onde desde o início de sua formação, a pesca constitui a atividade econômica predominante, sejam camarões, caranguejos e unhas-de-velho, a siris e sururus. Recentemente, por meio do trabalho do Centro Saber Viver, a comunidade se abriu para o Turismo de Base Comunitária, uma alternativa para divulgar o potencial natural ali existente e oferecer a visitantes e turistas experiências autênticas e uma imersão no cotidiano simples e encantador da Ilha de Deus. Oficinas de gastronomia e artesanato, intercâmbio social e circuitos pedagógicos são apenas alguns dos produtos turísticos que podem ser adquiridos e que põem pessoas de diversas partes do país e do mundo em contato com o que a Ilha possui de mais fascinante: o cotidiano de seu povo.Pernambuco. Brasil - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Ilha de Deus. Localizada no centro de um dos maiores manguezais urbanos do Brasil em Recife, a Ilha de Deus começou a ser ocupada nas primeiras décadas do século XX, onde desde o início de sua formação, a pesca constitui a atividade econômica predominante, sejam camarões, caranguejos e unhas-de-velho, a siris e sururus. Recentemente, por meio do trabalho do Centro Saber Viver, a comunidade se abriu para o Turismo de Base Comunitária, uma alternativa para divulgar o potencial natural ali existente e oferecer a visitantes e turistas experiências autênticas e uma imersão no cotidiano simples e encantador da Ilha de Deus. Oficinas de gastronomia e artesanato, intercâmbio social e circuitos pedagógicos são apenas alguns dos produtos turísticos que podem ser adquiridos e que põem pessoas de diversas partes do país e do mundo em contato com o que a Ilha possui de mais fascinante: o cotidiano de seu povo.Pernambuco. Brasil - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Cantor Canibal. A banda Devotos foi formada em 1988 por Cannibal (baixo e voz), o Neilton (guitarra) e o Celo Brown (bateria) sob o nome "Devotos do Ódio" que foi tirado do título de um livro de José Louzeiro (1987). O grupo teve e ainda tem sua base no bairro de baixa renda que também tem abundantes problemas sociais e onde muitas pessoas trabalham para melhorar suas condições que se encontra nos morros de Recife, chamado Alto José do Pinho.No ano 2000 o grupo mudou seu nome para "Devotos". - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM
Cantor Canibal. A banda Devotos foi formada em 1988 por Cannibal (baixo e voz), o Neilton (guitarra) e o Celo Brown (bateria) sob o nome "Devotos do Ódio" que foi tirado do título de um livro de José Louzeiro (1987). O grupo teve e ainda tem sua base no bairro de baixa renda que também tem abundantes problemas sociais e onde muitas pessoas trabalham para melhorar suas condições que se encontra nos morros de Recife, chamado Alto José do Pinho.No ano 2000 o grupo mudou seu nome para "Devotos". - ALEXANDRE GONDIM/JC IMAGEM

ALTO JOSÉ DO PINHO

Respiramos arte, respiramos cultura e viveremos de alegria e paz.” O verso é da banda Devotos, que levou para o Brasil e para o mundo as dores e belezas do Alto José do Pinho, na Zona Norte do Recife, bairro onde o grupo nasceu. A efervescência cultural do Alto ajudou a transformar o quadro social e a quebrar o estigma de violência, inspirando iniciativas que buscam a melhoria de vida dos mais de 12,3 mil habitantes.

“O bairro sempre teve essa característica cultural. Aqui temos afoxés, caboclinhos, muitas expressões diferentes. Mas sempre fomos mais vistos pela violência divulgada pela mídia”, lamenta Marconi Santos, conhecido como Cannibal, vocalista da Devotos. O estigma da insegurança era tanto que os moradores sentiam vergonha de dizer onde viviam. “Tinha gente que perdia oportunidade de emprego simplesmente por morar aqui”, relata Cannibal.

A visibilidade trazida pela banda ajudou a quebrar o estereótipo, mas a Devotos foi além. Criou, em 2002, uma rádio comunitária, para que a própria população pudesse produzir conteúdos e fosse ouvida. “A gente queria trazer a comunidade para fazer comunicação. Oferecemos oficinas de rádio comunitária, para falarmos sobre os direitos deles”, lembra Cannibal. A rádio, que está parada atualmente, deve ser retomada ainda este ano. “O Alto José do Pinho não mudou muito fisicamente. Precisamos de muitos equipamentos, como creche e espaços de lazer. Mas uma coisa a gente conseguiu: aumentar a autoestima dessa galera”, avalia o artista.

O exemplo de cidadania da Devotos inspirou outras ações que têm transformado o bairro. É o caso do Projeto Alto Sustentável, desenvolvido há cinco anos, com foco em ações voltadas para o meio ambiente. “Como morador, vivenciei os problemas socioambientais da comunidade e quis fazer algo para mudar a realidade. Através dos mutirões, realizamos ações para a reconstrução de locais vulneráveis, como limpeza, pintura e grafite”, conta Hamon Dennovan, biólogo e servidor público, idealizador do projeto.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias