investigação

Polícia investiga morte de adolescente de 17 anos dentro de escola em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife

Segundo o relato repassado aos familiares, o adolescente estaria numa espécie de "brincadeira" de luta com um outro estudante, antes de morrer

Bruna Oliveira
Bruna Oliveira
Publicado em 23/06/2021 às 10:58
Notícia
REPRODUÇÃO/TV JORNAL
Após conversar com a polícia, a mãe da criança e o padrasto saíram aos prantos do Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) - FOTO: REPRODUÇÃO/TV JORNAL
Leitura:

Com informações de Mônica Ermírio e Cinthia Ferreira, da TV Jornal

A Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) investiga o caso de um adolescente de 17 anos que morreu dentro de uma escola da rede estadual localizada em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife. Segundo o relato repassado aos familiares, o adolescente estaria numa espécie de brincadeira de luta com um outro estudante, de 15 anos, antes de morrer.

"Pelo que a gente viu nas filmagens, ele estava numa 'brincadeira' que, segundo relatos, já era costumeira. Segundo as imagens, o adolescente deu um soco no meu sobrinho, que fez com que o meu sobrinho caísse no chão, mas acordado. Após isso, o adolescente deu uma joelhada no tórax dele", disse a tia da vítima, que preferiu não se identificar.

Desacordado, o rapaz foi socorrido pelos funcionários da escola até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Curado. Os profissionais de saúde ainda tentaram reanimar o estudante três vezes, mas ele não resistiu e morreu. O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foi acionado pelos médicos.

Em nota, a PCPE informou que registrou o caso como ato infracional por homicídio culposo, ou seja, quando não há intenção de matar. Ainda segundo a nota, as investigações seguem até a completa elucidação das circunstâncias da morte do rapaz.

A Secretaria de Educação e Esportes do Estado (SEE-PE) lamentou o caso e disse estar apoiando as famílias dos dois jovens. De acordo com o órgão, uma viatura da Polícia Militar foi até a unidade escolar e conduziu o estudante agressor, de 15 anos, ao DHPP, por se tratar de um caso de crime contra a vida. O jovem foi ouvido na presença da mãe e do gestor da escola, e foi instaurado um Procedimento Especial de Menor (PEM).

Ainda segundo a SEE-PE, após serem finalizados os procedimentos de polícia judiciária, o estudante ficará sob a guarda dos responsáveis e os autos serão devidamente encaminhados ao Ministério Público, para providências cabíveis. A SEE-PE lamenta o fato e afirma que está apoiando as famílias dos jovens neste momento difícil.

Comentários

Últimas notícias