SKATE

Inspirado na medalha de Rayssa Leal, a "Fadinha" das Olimpíadas de Tóquio? Veja onde andar de skate no Recife

No Recife, os principais skateparks da cidade são geridos pelo estado e pela prefeitura

Vanessa Moura
Vanessa Moura
Publicado em 26/07/2021 às 10:36
Notícia
TVJC
Pista de skate no Recife - FOTO: TVJC
Leitura:

A maranhense Rayssa Leal, de apenas 13 anos de idade, arrematou a medalha de prata no Skate Street nas Olimpíadas de Tóquio nesta segunda-feira (26). Com isso, a "Fadinha" passou a ser inspiração para amantes do esporte de todas as idades e a palavra 'skate' foi parar no topo das pesquisas no Google. Dentre as procuras relacionadas, muitos buscam saber onde praticar o esporte sobre quatro rodas. 

No Recife, os principais skateparks da cidade são geridos pelo estado e pela prefeitura. A maior pista, localizada no Centro de Esportes e Lazer Alberto Santos Dumont, é ligada à Secretaria de Educação e Esportes do Estado de Pernambuco e tem 1350 metros quadrados. Além do skate, ela serve para a prática da patinação. 

Leia mais: 

Horários Olimpíadas 2021: veja as partidas e disputas desta segunda (26)

Fadinha Rayssa Leal faz história e conquista medalha de prata no Skate Street nas Olimpíadas de Tóquio

"Eu estava me divertindo", diz Rayssa Leal sobre a disputa do skate que lhe rendeu a medalha de prata em Tóquio

Administrados pela prefeitura, os dois mais populares são os localizados na Orla de Boa Viagem, Zona Sul, e no Parque Santana Ariano Suassuna, Zona Norte. Na Orla, o espaço denominado 'Marcelo Lyra' conta com 1.050 metros quadrados de área e contempla as modalidades bow e street. Enquanto no Parque Santana, a pista tem 1.655,49 metros quadrados e conta com um bowl, duas rampas de concreto e obstáculos em corrimão improvisado. 

Após medalha de Kelvin Hoefler, internautas questionam se há problemas entre a delegação brasileira de skate; entenda

Além destes, o Recife dispõe de skateparks no Parque da Macaxeira, no bairro de mesmo nome; na Rua da Aurora, em Santo Amaro; no Parque do Caiara, na Iputinga; na Praça do Poeta, na Caxangá; no Parque Dona Lindu, em Boa Viagem, e no Parque Robert Kennedy, no Ipsep.

Confira algumas das pistas:

  • SKATE PARK NO CENTRO DE ESPORTES E LAZER ALBERTO SANTOS DUMONT - R. ALM. NELSON FERNANDES, BOA VIAGEM

  • SKATE PARK AGAMENON - AV. ENG. AGAMENON MAGALHÃES, 4130
  • SKATE PARK CAXANGÁ - PE 005, 5295
  • SKATE PARK 1 - AV. BOA VIAGEM, EM FRENTE AO NÚMERO 1756 )
  • SKATE PARK 2 - AV. BOA VIAGEM, EM FRENTE AO NÚMERO 1292 )
  • SKATE PARK MARCELO LYRA - AV. BOA VIAGEM, EM FRENTE AO NÚMERO 674 )
  • MINI RAMP LAGOA DO ARAÇÁ - R. ENG. JOSÉ BRANDÃO CAVALCANTE, 698
  • SKATE PARK - PARQUE CAIARA
  • SKATE PARK - DONA LINDU
  • SKATE PARK - PARQUE MACAXEIRA
  • SKATE PARK - PARQUE SANTANA
  • SKATE PARK AURORA ANTIGO - RUA DA AURORA
  • SKATE PARK AURORA NOVO – RUA DA AURORA
  • PISTA BMX - PARQUE SANTANA
  • PISTA BMX - PARQUE MACAXEIRA

Sobre Rayssa Leal

Com apenas 13 anos, a maranhense Rayssa Leal virou xodó do comitê verde e amarelo. Esbanjando simpatia, a Fadinha mostrou total descontração durante toda a disputa. Com direito à dancinha de Tik Tok antes de descer para a pista, ela arrancou sorrisos de todos na arena montada em Tóquio.

Rayssa foi a atleta mais jovem à representar o Brasil em uma Olimpíada. Nas eliminatórias, a maranhense de Imperatriz ficou na terceira colocação geral. Nas duas rodadas de manobras livres, a Fadinha teve notas de 3,29 e 2,01. Já na etapa de manobras únicas, Rayssa teve: 2,82; 0,0; 3,37; 3,37 e 5,5.

Na grande final, ela teve as seguintes notas: 2,94; 3,13; 0,0; 4,21 e 3,39. Vale lembrar que Pâmela Rosa e Leticia Bufoni não alcançaram o Top-8 nas eliminatórias e não foram à decisão.

Fenômeno do Skate

A pequena Rayssa, nascida em Imperatriz, no Maranhão, é um verdadeiro fenômeno do esporte. Desde 2018, com apenas 11 anos, já integra a seleção brasileira e é vista como uma das melhores do mundo na categoria street, dona de um talento raro.

A primeira vez que ela subiu em cima de um skate foi aos 6 anos, quando seus pais lhe deram o equipamento de presente. Um ano depois, já estava competindo. O mais impressionante é que ela aprendeu tudo por conta própria, sozinha. A garota assista a vídeos dos seus ídolos no celular e depois ficava repetindo insistentemente as manobras.

Aos 9 anos, Rayssa já não competia mais entre as crianças para disputar campeonatos na categoria geral. Passou, então, a levar uma vida de "adulta", treinando três horas todos os dias. Tanto esforço deu certo e agora a pequena Rayssa Leal é medalhista olímpica.

Comentários

Últimas notícias