Festa

Chimpanzé Sena ganha festa no zoológico de Dois Irmãos para comemorar aniversário de 64 anos

Resgatado de um circo, Sena é o chimpanzé mais velho do Brasil, da espécie Pan Troglodytes

Douglas Hacknen
Douglas Hacknen
Publicado em 18/08/2021 às 20:10
Notícia
Divulgação/Semas PE
Chimpanzé Sena, mais antigo morador do Parque Dois Irmãos - FOTO: Divulgação/Semas PE
Leitura:

O chimpanzé Sena, morador mais antigo do Parque Estadual de Dois Irmãos, na Zona Norte do Recife, chegou aos 64 anos. Para comemorar, ele ganhou um presente especial: um bolo de banana, aveia, canela e mel. O banquete oferecido ao aniversariante, que teve também uma programação de brincadeiras.

Sena também é o chimpanzé mais velho do Brasil, da espécie Pan Troglodytes. Ele chegou ao Zoológico do Recife em 1972, com 15 anos, após ser resgatado de um circo. Foi constatado que o chimpanzé não poderia mais voltar à natureza, por isso, o Parque Estadual de Dois Irmãos o acolheu. "A equipe técnica de veterinários, biólogos e tratadores se tornaram a sua família, oferecendo suporte e bem-estar", diz o parque em publicação nas redes sociais.

Segundo a administração do parque, Sena é capaz de diferenciar as pessoas que são do seu "bando" ou não, e "faz muita festa quando vê os seus 'preferidos' pulando, vocalizando e cantando (forma de comunicação e socialização de primatas)".

Para estimular o primata, a equipe do zoológico aplica alguns truques e treinamentos, como espalhar roupas com o cheiro de quem convive com Sena. Ele permite que sejam realizados cuidados diários, como colocar colírio, cortar unhas e realizar exames médicos não invasivos.

A bióloga Fernanda Justino explicou que os chimpanzés vivem, em média, 50 anos quando estão soltos na natureza. "É um idoso que requer cuidados como todo idoso. A cada ano, é um ano de comemoração mesmo. E ele está muito bem, não apresenta nenhum problema mais grave, só um problema no olho, mas a gente consegue tratar", relatou.

Para evitar a disseminação da covid-19, o parque está fechado desde o início da pandemia, em março do ano passado,

Comentários

Últimas notícias