críticas

No facebook, Olavo de Carvalho faz duras críticas ao ex-ministro da Justiça Sérgio Moro

Nas postagens, o ideólogo chamou o ex-jurista de "Judas" e disse que sua figura seria esquecida em três meses

Manuela Figuerêdo
Manuela Figuerêdo
Publicado em 25/04/2020 às 19:27
Notícia
Foto: Divulgação
Olavo de Carvalho é um dos principais influenciadores do governo Bolsonaro - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

"Jogou-se na privada abraçado à sua biografia." Essa foi uma das declarações feitas por Olavo de Carvalho, conhecido por ter influência com a família Bolsonaro, sobre Sergio Moro, em sua conta no Facebook, após pedido de demissão do Ministério da Justiça e da Segurança Pública. O controverso ideólogo Olavo se referia às acusações feitas por Moro durante pronunciamento. Na ocasião, o ex-juiz da Lava Jato alegou "interferência política" do presidente na PF (Polícia Federal) ao exonerar o diretor-geral da instituição, Maurício Valeixo.

Entre as diversas postagens na rede social, Olavo chegou a chamá-lo de "Judas". Afirmou, também, que a figura de Sergio Moro seria esquecida em três meses. O ideólogo disse que Sergio Moro deveria, inclusive, ser processado, "sem dó nem piedade" por "mentiras contra o presidente". Ainda, acusou o jurista de ser totalmente desprovido de cultura histórica, literária, filosófica e política.

O ideólogo disse acreditar que "a total degradação moral de uma nação" se dá quando um juiz vira herói porque emitiu "meia dúzia de sentenças segundo a letra da lei". "Nada revela mais a degradação do que essa prostituição do heroísmo." Também questionou a habilidade de Sérgio Moro enquanto jurista.

Bolsonaro

Sobre Bolsonaro neste embate, opinou que "quanto mais trapaças se armam contra o Bolsonaro, mais ele sai engrandecido e merecedor da confiança que o povo jamais lhe nega. Ainda, disse que se realmente fosse guru do Governo Bolsonaro, nada disso teria acontecido.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias