Polícia Federal

Diretor-geral da PF escolhe Tácio Muzzi para superintendência do Rio de Janeiro

Superintendência do Rio está no centro das acusações feitas pelo ex-ministro Sergio Moro de que o presidente Bolsonaro estaria tentando interferir politicamente na corporação

Gabriela Carvalho
Gabriela Carvalho
Publicado em 06/05/2020 às 9:30
Notícia
Divulgação/PF
Rolando Alexandre de Souza, diretor-geral da Polícia Federal - FOTO: Divulgação/PF
Leitura:

O novo diretor-geral da Polícia Federal (PF), Rolando de Souza, já realizou ao menos duas trocas de superintendentes na corporação nos estados desde que assumiu o cargo de diretoria na última segunda-feira (4).

>> Veja os inquéritos no STF que envolvem integrantes da família Bolsonaro

Para a superintêndencia do Rio de Janeiro, que vem sendo discutida a interferência do presidente Bolsonaro, o diretor-geral escolheu o delegado Tácio Muzzi, susbstituindo Carlos Henrique Oliveira.

>> Bolsonaro nomeia Rolando Alexandre como novo diretor-geral da Polícia Federal

Carlos foi confirmado como o novo diretor-executivo da PF, o segundo cargo mais importante da corporação.

>> Bolsonaro manda jornalistas calarem a boca e diz que troca de superintendência da PF do Rio não teve interferência sua

Tácio Muzzi está na PF desde 2003 e foi superintendente interino no estado durante cinco meses no ano passado. Na PF, ele participou de várias investigações de combate à corrupção como a operação Gladiador que prendeu o ex-chefe de Polícia Civil do RJ, Álvaro Lins.

>> Em conversa com apoiadores, Bolsonaro expõe cartaz que chama de 'fofoca' print exposto por Moro

Ele foi chefe da Delegacia de Repressão a Corrupção e Crimes Financeiros, da superintendência a crimes financeiros, e também atuou no Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperacao Jurídica Internacional (diretor adjunto) e foi diretor do Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

>> CNN divulga íntegra do depoimento de Sergio Moro à PF

Mais uma troca de superintendentes da Polícia Federal foi informada aos servidores da PF. Em e-mail interno, o diretor de Gestão de Pessoal, delegado Delano Cerqueira Bunn, comunicou sua saída do cargo e sua sucessora: a delegada Cecília Franco.

Entenda discussão

Em seu discurso de despedida, o até então ministro, Sergio Moro, acusou o presidente Jair Bolsonaro de querer interferir na Polícia Federal, trocando o diretor-geral da Polícia Federal por alguém próximo do seu circulo familiar.

A superintedência do Rio está no centro das acusações feitas pelo ex-ministro da Justiçã e Segurança Pública.

Em depoimento à Polícia Federal no último sábado (2), Moro disse que, em fevereiro, Bolsonaro afirmou, por mensagem de texto, que queria indicar um novo superintendente para a Polícia Federal no Rio de Janeiro.

>> Após saída de Moro, Bolsonaro tem maior avaliação negativa desde que iniciou o governo

"A mensagem tinha, mais ou menos o seguinte teor: 'Moro você tem 27 Superintendências, eu quero apenas uma, a do Rio de Janeiro'", diz relatório sobre o depoimento do ex-minitro em relação aos diálogos que teve com o presidente.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias