Prisão

Ativista bolsonarista, Sara Winter é presa pela Polícia Federal

Ativista é investigada pelo inquérito das fake news e por ameaça contra ministros do STF

Gabriela Carvalho
Gabriela Carvalho
Publicado em 15/06/2020 às 8:39
Notícia
Reprodução/Twitter
A ativista Sara Winter é uma das investigadas no inquérito das fake news - FOTO: Reprodução/Twitter
Leitura:

A ativista do movimento "300 do Brasil" Sara Winter foi presa nessa segunda-feira (15) pela Polícia Federal em Brasília. O mandado de prisão foi autorizado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, a pedido da Procuradoria Geral da República. A detenção ocorreu no âmbito do inquérito que apura a organização de protestos antidemocráticos.

>> Com máscaras e tochas, grupo de extrema-direita protesta contra Moraes em frente ao STF

Além de ser uma das investigadas no inquérito das fake news, Sara é conhecida por participar de protestos anti-Congresso e STF. No início do mês, Winter chegou a publicar vídeos nas redes sociais ameaçando o ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito.

O ministro, um dia antes da prisão da militante, fez publicação no Twitter chamando organizações antidemocráticas de "criminosas".

>> PGR acata pedido de Toffoli e abre investigação contra manifestantes que atacaram sede do STF

Sara é uma das líderes do chamando movimento "Os 300 do Brasil", grupo armado de extrema direita formado por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O acampamento do grupo na Alvorada foi desmontado na manhã do sábado (13) pelo governo do Distrito Federal. A ativista chegou a pedir reação do presidente sobre o desmonte.

>> Luciano Hang, dono da Havan, e Roberto Jefferson são alvos de operação da Polícia Federal em investigação sobre fake news

>> De Bolsonaro montado em cavalo ao ato de torcidas organizadas; veja a repercussão de protestos do fim de semana


Manifestações

No último sábado (13), cerca de 30 apoiadores do presidente Bolsonaro lançaram fogos de artifícios contra o prédio do STF. A ação durou ao menos cinco minutos. Os participantes do ato ofenderam com xingamentos a ministros do Supremo, inclusive ao presidente Dias Toffoli.

>> Bolsonarista Sara Winter é expulsa do DEM após protesto com tochas

Já no fim da tarde deste domingo (14), o ex-servidor do governo federal Renan Sena foi preso por calúnia e injúria após divulgar vídeo com ofensas contra autoridades dos Três Poderes. Ele foi solto após assinar termo de comparecimento em juízo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias