Eleições 2020

Vice de Patrícia Domingos só será divulgado durante as convenções do Podemos e do Cidadania

Daniel Coelho, presidente estadual o Cidadania, afirmou que a Executiva Municipal do partido ainda não decidiu quem ocupará o posto

JC
JC
Publicado em 15/09/2020 às 11:48
Notícia

Foto: Divulgação
Patrícia Domingos (Podemos) - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

.
Eleições 2020 - .

Em coletiva à imprensa na manhã desta terça-feira (15), a delegada Patrícia Domingos (Pode), pré-candidata à Prefeitura do Recife, e o deputado federal Daniel Coelho, que preside o Cidadania no Estado e está apoiando a policial, informaram que só divulgarão o escolhido para vice na chapa Pode/CID durante as convenções das duas legendas, agendadas para ocorrer nesta quarta-feira (16), a partir das 15h.

Como o deputado federal Ricardo Teobaldo, presidente estadual do Podemos, havia divulgado ontem, será do Cidadania a prerrogativa de escolha do vice de Patrícia. "O ideal é que o indicado não saia da nossa chapa de vereadores, que já está consolidada. Mas isso vai ser deliberado pela Executiva Municipal, que está reunida para discutir essa questão e escolher o nome", declarou Daniel Coelho.

>> Daniel Coelho desiste de concorrer à Prefeitura do Recife e declara apoio a Patrícia Domingos

>> Sem acordo no Recife, grupo de oposição de une em torno de Anderson Ferreira, Raquel Lyra e Miguel Coelho

>> Eleições 2020: Anderson Ferreira anuncia apoio do PL a Mendonça Filho no Recife

Durante o pronunciamento aos jornalistas, Daniel, que até a última segunda também era pré-candidato a prefeito, disse não se ressentir com as siglas do grupo de oposição que decidiram apoiar a postulação do ex-governador Mendonça Filho (DEM). "Não há nenhum tipo de ressentimento, pois cada partido é livre para escolher o seu caminho. Por várias vezes eu decidi apoiar o DEM, apoiei Armando (Monteiro, PTB, ex-senador) em duas oportunidades. Desta vez, o meu projeto na oposição é o de Patrícia, que é mais competitiva e é quem vai para o segundo turno", cravou.

Sobre ter abdicado da candidatura, Daniel voltou a dizer que o movimento foi necessário pois, segundo ele, quanto mais o grupo de oposição sair pulverizado no pleito deste ano, mais a candidatura da situação será beneficiada. "Eu fiz uma análise do quadro. Tentei construir uma unidade de palanque e obviamente isso não foi possível. Saímos da possibilidade de termos uma ou duas candidaturas e passamos a ter seis. Nesse cenário, a manutenção do meu nome consolidaria um segundo turno entre Marília (Arraes, PT) e João (Campos, PSB). Alguém precisava fazer esse gesto para ultrapassar o PT e o PSB, pois eles têm o mesmo projeto, o PT faz parte da gestão, João e Marília são primos e eram aliados até ontem", declarou Daniel, lembrando que, até 2016, Marília integrava os quadros do PSB no Estado.

Questionado se a crítica a Marília também teria validade para Mendonça, que foi aliado do PSB de 2014 a 2016 em Pernambuco, Daniel afirmou que "não fará campanha com críticas a membros da oposição". "Nós vamos falar das nossas propostas, das nossas ideias, da coerência do nosso palanque e o eleitor vai fazer o seu julgamento. O nosso adversário a ser combatido é o PT e o PSB, que representam a mesma coisa. Não cabe a mim fazer questionamentos às candidaturas colocadas no campo das oposições", cravou o parlamentar.

Ainda de acordo com Daniel Coelho, caso a chapa encabeçada por Patrícia Domingos saia vitoriosa no pleito deste ano, é provável que várias peças do tabuleiro de 2022 se movam, mas frisa que seu principal objetivo não é liderar um projeto ao governo estadual. "O meu projeto é coletivo e de grupo. Ao longo da minha vida eu demonstrei isso e mostro isso agora com esse apoio a Patrícia. Eu não tenho dúvidas de que ela vai ganhar essa eleição e, em 2022, esse palanque aqui de alguma forma estará representado. Nós vamos encerrar esse ciclo do PSB a começar pelo Recife. Já o encerramos em cidades importantes, como Jaboatão e Caruaru, e vamos encerrar no governo do Estado. Não necessariamente comigo, mas com certeza com esse time, que representa a mudança que Pernambuco tanto deseja", observou.

PROPOSTAS

Na ocasião, Patrícia Domingos também contou que o seu plano de governo está em fase de elaboração e que uma das suas principais bandeiras, o combate à corrupção, terá destaque entre as proposições. "O combate à corrupção é algo que ainda não é feito e é uma das nossas ideias para a gestão da prefeitura, com a concessão de uma real autonomia para a Controladoria Geral do Município. Não só uma autonomia, mas uma reestruturação da controladoria para que ela seja um órgão que participe plenamente de todas as contratações da prefeitura, não somente na auditoria posterior à realização do contrato, mas que ela possa participar de todo o processo anterior às contratações, durante os processos licitatórios, durante o cumprimento dos contratos e posteriormente", comentou a delegada.

"O combate à corrupção é uma bandeira da vida, não apenas do campo político, mas ela é subsidiária às demais pautas do governo. Se você consegue combater a corrupção, obviamente você consegue fazer com que os recursos sejam preservados para serem destinados a todas as pastas, educação, saúde, turismo, esportes. Hoje nós temos uma equipe técnica e nosso plano de governo está em fase de elaboração, então temos técnicos na área de educação, saúde, engenharia para que a gente possa discutir a cidade com pessoas que possam transformar nossas ideias em projetos reais, viáveis e exequíveis", completou Patrícia, reforçando que suas ideias para o Recife não se limitam ao combate à corrupção.

A policial criticou, ainda, o que considera erros da atual gestão do município, comandado pelo prefeito Geraldo Julio (PSB). "Minha maior crítica é ao fato de que ele (Geraldo) transformou a prefeitura em um palco para escândalos de corrupção. A prefeitura virou capa de matérias nacionais, já ocorreram cinco operações policiais lá, eu mesma denunciei vários contratos da prefeitura ao Ministério Público Federal, à Controladoria Geral da União, mencionando contratos suspeitos de terem sido realizados por empresas que não existem, com preços diferenciados em um intervalo de 24 horas de uma compra para a outro, houve o escândalo dos respiradores de porcos. No momento em que a cidade mais precisou de um gestor que tivesse decência, honestidade e compromisso com a população, vimos uma enxurrada de escândalos", disparou a pré-candidata.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte.

Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias