pedido

Comissões da Alepe aprovam prorrogação do estado de calamidade pública em Pernambuco e 173 municípios

Outras 11 cidades ainda não enviaram a solicitação

JC
JC
Publicado em 13/01/2021 às 17:43
Notícia

Foto: Rinaldo Marques/Alepe
As cidades que tiveram os pedidos aprovados, terão os decretos votados no plenário da Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco (Alepe) às 10h desta quinta-feira (14) - FOTO: Foto: Rinaldo Marques/Alepe
Leitura:

Com informações do Blog de Jamildo

As Comissões de Justiça, de Finanças e Administração Pública da Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco (Alepe) aprovaram, nesta quarta-feira (13), por unanimidade, a prorrogação do estado de calamidade pública em Pernambuco e nos municípios por 180 dias, em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Das 184 cidades pernambucanas, 173 tiveram seus pedidos aprovados. No entanto, as outras 11 ainda não encaminharam a solicitação, o que, de acordo com o presidente da Comissão de Justiça, Waldemar Borges (PSB), poderá ser feito até o mês de fevereiro.

Os municípios que ainda não enviaram a solicitação são Altinho, Araripina, Casinhas, Cedro, Ipubi, Machados, Mirandiba, Orobó, Ouricuri, Pombos e São José do Belmonte. As cidades que tiveram os pedidos aprovados, terão os decretos votados no plenário da Alepe às 10h desta quinta-feira (14), em uma reunião por videoconferência, assim como foi a desta quarta.

Os pedidos foram apresentados pela Mesa Diretora da Assembleia com argumento de prolongar a medida para manutenção do quadro de emergência de saúde pública decorrente da pandemia de covid-19. Para decidir sobre o assunto foi feita uma sessão extraordinária, que suspendeu o recesso parlamentar.

 

O relator dos projetos na CCJ, deputado Tony Gel (MDB), afirmou que deseja que essa seja a única prorrogação. “Torcemos para que haja uma liderança nacional no trabalho de imunização da nossa população, que haja juízo em Brasília e em outras administrações para que não politizemos essa pandemia. O Brasil precisa voltar ao seu ritmo de crescimento e desenvolvimento”, declarou.

 

Comentários

Últimas notícias