PANDEMIA

'Coloquei Pernambuco à disposição dos amazonenses', diz Paulo Câmara após colapso na saúde em Manaus

Com a rede de saúde em colapso e sem oxigênio para tratamento da covid-19, o Amazonas está tendo que transferir parte dos seus pacientes a outros estados

Agência Brasil
JC
Estadão Conteúdo
Publicado em 14/01/2021 às 23:14
Notícia

ALUÍSIO MOREIRA/SEI
"Faremos tudo que esteja ao nosso alcance para ajudar os irmãos do Amazonas", disse o governador - FOTO: ALUÍSIO MOREIRA/SEI
Leitura:

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), anunciou, na noite desta quinta-feira (14), que conversou com o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), e colocou o Pernambuco à disposição dos amazonenses. Com a rede de saúde em colapso e sem oxigênio para tratamento da covid-19 em Manaus, o Amazonas está tendo que transferir parte dos seus pacientes a outros estados.

>> Estima-se que até 750 pacientes tenham que deixar Manaus por causa da falta de oxigênio

>> Whindersson Nunes anuncia doação de oxigênio para Manaus e cobra ajuda de artistas

>> Pazuello afirma que seis aeronaves da FAB transportarão oxigênio para o Amazonas

"Falei há pouco com o governador Wilson Lima e coloquei o estado de Pernambuco à disposição dos cidadãos amazonenses, nesse momento tão difícil. Faremos tudo que esteja ao nosso alcance para ajudar os irmãos do Amazonas a superar esse momento crítico da pandemia", disse o governador de Pernambuco.

Segundo o governo do Amazonas, no primeiro momento, 235 pacientes estão sendo enviados a hospitais de Goiás, Piauí, Maranhão, Distrito Federal, Paraíba e Rio Grande do Norte.

.

Há estimativa de que até 750 pessoas tenham de deixar Manaus para serem atendidas em outros locais. Mais cedo, em entrevista à imprensa, o governador Wilson Lima afirmou que o Amazonas vive "o momento mais crítico da pandemia, algo sem precedente". No ano passado, as redes de saúde e funerária do Estado já colapsaram.

>> Com falta de oxigênio na cidade, Manaus transfere pacientes para outras capitais

Caos na saúde em Manaus

O governador Wilson Lima, anunciou, nesta quinta-feira (14), novas medidas para tentar conter a disseminação do novo coronavírus (covid-19) e o consequente aumento do número de casos da covid-19 no estado. Entre as restrições está a proibição da circulação de pessoas nas ruas de todo o Amazonas, das 19h às 6h.

O governo estadual também já começou a transferir pacientes diagnosticados com a covid-19 para hospitais de outras seis unidades da federação (Goiás, Piauí, Maranhão, Distrito Federal, Paraíba e Rio Grande do Norte) e recorreu à Justiça para que a empresa White Martins seja obrigada a fornecer todo o oxigênio hospitalar de que a rede pública de saúde do estado precisar.

"Estamos decretando o fechamento das atividades de circulação de pessoas entre 19h e 6h da manhã, exceto de atividades e transporte de produtos essenciais à vida", informou o governador nas redes sociais.

Lima explicou que o toque de recolher não atinge quem trabalha em atividades estratégicas e essenciais, como saúde e segurança pública, nem profissionais de imprensa. Farmácias também poderão atender os clientes, mas apenas por meio de entrega em domicílio.

A medida será detalhada em um decreto a ser publicado no Diário Oficial do estado. O decreto também proibirá o transporte coletivo de passageiros por estradas ou barcos.

Quanto à remoção de pacientes para outras unidades da federação, Lima garantiu que, além do traslado, o governo estadual vai oferecer apoio psicossocial para atender aos doentes e a seus parentes. “Estamos montando um grupo de apoio para esses pacientes e familiares que irão ser deslocados para os outros estados”, disse o governador.

“Também já entramos com uma ação na Justiça contra a empresa [White Martins] para garantir que ela abasteça [com oxigênio medicinal] em quantidade suficiente a rede hospitalar para atender nossos irmãos acometidos da covid-19”, acrescentou Lima, que disse que tem conversado com os ministros da Saúde, Eduardo Pazuello; da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, sobre os riscos do desabastecimento do produto.

Nessa quarta-feira (13), a demanda por oxigênio em estabelecimentos hospitalares públicos de saúde do Amazonas superou em mais de 11 vezes a média diária de consumo da terça-feira (12). Os hospitais particulares também já enfrentam dificuldades de abastecimento.

Nos últimos dois dias, a Justiça estadual deu decisões favoráveis a estabelecimentos privados para que as empresas White Martins e Nitron da Amazônia sejam obrigadas a manter o fornecimento de uma quantidade mínima do produto.

“Estamos numa operação de guerra, onde os insumos, sobretudo a questão do oxigênio nas unidades hospitalares, é o produto mais consumido diante dessa pandemia”, disse o governador Wilson Lima.

De acordo com o governo estadual, até essa quinta-feira (15), o Amazonas contabilizava 223.360 casos confirmados da covid-19 e 5.930 óbitos, com 1.581pacientes internados.

No início da semana, o governo estadual já tinha proibido o transporte fluvial e rodoviário intermunicipal de passageiros. A suspensão desses serviços foi estabelecida por decreto publicado na terça-feira (12), e vai vigorar até 17 de janeiro.

No mesmo decreto, foram suspensas o funcionamento de marinas para atividades de lazer e de academias, centros de ginástica e estabelecimentos semelhantes. Também devido aos reflexos da covid-19, o governo estendeu até 31 de janeiro a determinação para que os órgãos e entidades da administração direta e indireta do Poder Executivo estadual que não estejam diretamente envolvidos com o enfrentamento da pandemia mantenham no mínimo 70% de seus servidores e empregados em trabalho remoto.

A gravidade da situação no Amazonas motivou o governo do Pará a proibir a entrada em seu território de embarcações de passageiros provenientes do Amazonas, em vigor a partir desta quinta-feira (14).

Michael DANTAS / AFP
Hospital de Manaus com pacientes infectados pela covid-19 - Michael DANTAS / AFP
SANDRO PEREIRA/ESTADÃO CONTEÚDO
CAOS Estoque de oxigênio acabou em vários hospitais levando pacientes internados à morte por asfixia - SANDRO PEREIRA/ESTADÃO CONTEÚDO
MICHAEL DANTAS / AFP
O número de sepultamentos em Manaus quintuplicou em um mês - MICHAEL DANTAS / AFP
MICHAEL DANTAS / AFP
A crise na saúde se agravou nos últimos dias pela falta de oxigênio em unidades de saúde - MICHAEL DANTAS / AFP
MICHAEL DANTAS / AFP
Coveiros enterram uma vítima da covid-19 cercados por parentes no cemitério Nossa Senhora Aparecida em Manaus - MICHAEL DANTAS / AFP

Pazuello diz que pasta vai priorizar entrega de oxigênio em Manaus

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, reconheceu nesta quinta-feira (14) que há um novo colapso no sistema de saúde de Manaus em decorrência da pandemia de covid-19. Pazuello participou da live semanal do presidente Jair Bolsonaro, transmitida pelas redes sociais.

"Eu considero que sim, há um colapso no atendimento de saúde em Manaus. A fila para leitos cresce bastante, já estamos hoje com 480 pessoas na fila. E a realidade da diminuição na oferta de oxigênio – não é a interrupção, senhores, é a diminuição na oferta de oxigênio. Todo o tratamento da covid é baseado em alguma oferta de oxigênio. Estamos priorizando esse oxigênio para atender as UTIs [unidades de terapia intensiva]", disse.

De acordo com o ministro, um total de seis voos da Força Aérea Brasileira (FAB) levará um estoque adicional de cerca de 30 mil metros cúbicos de oxigênio à capital amazonense ao longo dos próximos dias. Também está previsto, segundo ele, o envio de oxigênio por vias fluvial e terrestre a partir de Belém e Porto Velho. Nos últimos dias, apenas na capital amazonense, a demanda diária de oxigênio chega a ser de cerca de 75 mil metros cúbicos, como informou o próprio Pazuello.

O ministro esteve pessoalmente no Amazonas nos últimos dias acompanhando de perto a situação e se reuniu com autoridades locais. Mais cedo, o governador do estado, Wilson Lima, anunciou medidas drásticas para conter a disseminação da doença, incluindo um decreto de toque de recolher.

Ao comentar sobre as razões para o agravamento da situação no estado, Pazuello atribuiu a situação ao clima, à falta de estrutura hospitalar e à baixa adesão ao protocolo de tratamento precoce recomendado pelo governo federal, que inclui o uso de medicamentos como hidroxicloroquina e azitromicina – ainda sem comprovação científica de eficácia contra a doença.

"No período chuvoso, a umidade fica muito alta e você começa a ter complicações respiratórias, esse é um fato. Um outro fator: Manaus não teve a efetiva ação no tratamento precoce com diagnóstico clínico no atendimento básico e isso impactou muito a gravidade da doença. Por outro lado, a infraestrutura hospitalar de atendimento especializado é bastante reduzida em Manaus, em termo de percentual. É um dos menores percentuais do país".

Vacinação contra a covid-19

Sobre o início da vacinação contra a covid-19, o ministro voltou a dizer que a distribuição das doses começará ainda em janeiro, mas não informou uma data específica. Segundo Pazuello, a expectativa da pasta é que o Brasil alcance níveis de imunização superiores aos de outros países que já iniciaram a vacinação graças à produção própria do imunizante.

"Vamos, em janeiro, iniciar a vacinação. E, a partir do início, com 2, 6 ou 8 milhões de doses, já em janeiro, vamos nos tornar o segundo, talvez o primeiro, dependendo dos Estados Unidos, o país que mais vacinou no mundo. E quando nós entrarmos em fevereiro, com a nossa produção em larga escala, e nosso PNI [Programa Nacional de Vacinação], que tem 45 anos, nós vamos ultrapassar todo mundo, inclusive os Estados Unidos".

Durante a live, o presidente Bolsonaro pediu calma à população e argumentou que o fornecimento da vacina em larga escala ainda deve levar mais algum tempo por conta da demanda mundial.

"O mundo está querendo a vacina certificada, obviamente, pelas suas agências e não tem. Tanto é que estamos com previsão de começar a vacinar, nos próximos dias, ainda nesse mês, e são poucos milhões de pessoas. Vai ter um critério – pessoal da saúde, idosos, índios", disse.

A reunião da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que vai bater o martelo sobre os pedidos de uso emergencial de vacinas por parte do Instituto Butantan, responsável pela dose produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac, e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceira com o consórcio AstraZeneca/Unversidade de Oxford, será realizada no próximo domingo (17).

 

Comentários

Últimas notícias