ESCALÃO

Após prometer não nomear petistas, João Campos mantém Marcelo Santa Cruz em cargo na prefeitura

Ex-vereador de Olinda pelo PT, Marcelo Santa Cruz foi reconduzido para o comando da Gerência de Articulação em Direitos Humanos/Memória, Verdade e Justiça, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Social, Juventude, Políticas Sobre Drogas e Direitos Humanos.

Mirella Araújo
Mirella Araújo
Publicado em 25/01/2021 às 21:15
Notícia

BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
PROMESSA João disse que sua gestão não teria petistas, mas nomeou filiado ao PT no primeiro mês - FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

Enquanto era candidato, o prefeito do Recife João Campos (PSB), foi enfático e afirmou que "no meu governo não vai ter nenhuma indicação política do Partido dos Trabalhadores durante quatro anos". Ao iniciar as nomeações dos cargos para o segundo e terceiro escalão da prefeitura, Campos manteve o ex-vereador de Olinda pelo PT, Marcelo Santa Cruz, no comando da Gerência de Articulação em Direitos Humanos/Memória, Verdade e Justiça, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Social, Juventude, Políticas Sobre Drogas e Direitos Humanos.

>>Apesar do rompimento entre PT e PSB, filha de petista ganha espaço no governo Paulo Câmara

>>Marília Arraes quer direita e esquerda unidas para ''vencer o PSB'' em Pernambuco

O advogado, inclusive, rebate que sua manutenção do cargo, ocupado desde 2019 à convite do ex-prefeito Geraldo Julio (PSB), tenha sido por indicação política. Santa Cruz havia se desfiliado do partido em 2017, mas retornou e lançou seu nome como candidato a vice-prefeito na chapa majoritária de João Paulo (PCdoB), em Olinda, nas eleições de 2020. No entanto, ele foi rifado do processo e o partido indicou a candidata a vice-prefeita Vivian Farias. Apesar de continuar filiado à sigla petista, Marcelo explica que não ocupa nenhum cargo na executiva e nem participa de reuniões deliberativas.

“Não é uma indicação do PT, mas dos movimentos sociais. A Comissão da Memória, Verdade e Justiça, em seu relatório, estabelece que o município e as prefeituras precisam contribuir com a preservação desse trabalho e eu fui escolhido para fazer parte”, afirmou Marcelo Santa Cruz, ao JC.

A Prefeitura do Recife também se manifestou sobre o assunto, afirmando que “a tentativa de associar qualquer conotação política-partidária à nomeação” de Marcelo Santa Cruz “soa como um grande desrespeito à história de uma pessoa que dedica sua vida à luta por liberdade, pela democracia e pela garantia de direitos humanos”. De acordo com a nota encaminhada pelo Executivo municipal, “o ingresso a gestão é fruto de indicação pessoal por parte do prefeito João Campos”.

“A batalha travada por Marcelo Santa Cruz por respostas oficiais ao desaparecimento de seu irmão Fernando Santa Cruz, durante um dos períodos mais obscuros da história brasileira, possui alcance nacional, tendo, inclusive levado a Comissão Nacional da Verdade a investigar as circunstâncias desse crime político”, justifica ainda a Prefeitura.

ACOMODAÇÕES

Dentre os nomes recém nomeados pelo prefeito João Campos, conforme publicado pelo Blog de Jamildo, está o do advogado Eriberto Gabriel Acioli Medeiros, filho do deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), Eriberto Medeiros (PP).

A nomeação foi publicada na edição do Diário Oficial da Prefeitura do Recife, do dia 23 de janeiro - assim como outras nomeações de cargos em comissão, secretarias, autarquias e órgãos ligados ao Executivo. Gabriel Acioli, como é conhecido, é advogado desde de 2019 e agora passa a ocupar o cargo de Gestor da Unidade de Assessoria da Procuradoria Consultiva da Procuradoria-Geral do Município.

O PP, partido que integra a Frente Popular do Recife, já havia manifestado através do presidente estadual da legenda, o deputado federal Eduardo da Fonte, a insatisfação com os espaços dados na acomodação das secretarias. Eles indicam que o acordado com João Campos teria sido a pasta de Saneamento - por ter uma estrutura mais robusta. No entanto, coube ao progressistas indicar Maria Eduarda Médicis para a Secretaria de Habitação.

Outro partido com espaços contemplados a partir das definições do segundo e terceiro escalão, é o PDT, da vice-prefeita Isabella de Roldão. O advogado Pedro Josephi, então coordenador da Frente de Luta pelo Transporte Público de Pernambuco (FLTP), foi nomeado para o cargo de gerente de Articulação Social ligado ao gabinete da vice-prefeita.

“Embora já filiado ao PDT, partido que integra os governos municipal e estadual, nunca me retirei das lutas sociais que julgo necessárias. Fui autor de ações judiciais, convoquei e participei de protestos, representações ao Ministério Público, articulações no legislativo para dar maior transparência, controle social e qualidade ao transporte público. Mas também temos atuado de forma propositiva e colaborativa com diversos órgãos”, afirmou Josephi, em nota enviada ao Blog de Jamildo.

Várias pessoas da gestão anterior foram aproveitadas. Ex-procurador Geral de Geraldo Júlio, o advogado Rafael Figueiredo Bezerra foi nomeado no terceiro escalão como secretário-executivo de Transformação Digital.

Igo Bione / Acervo JC Imagem
Marcelo Santa Cruz afirma que sua indicação não tem conotação política, mas pelo trabalho desenvolvido na Comissão Especial da Memória, Verdade e Justiça - FOTO:Igo Bione / Acervo JC Imagem
IGO BIONE/JC IMAGEM
Não é uma indicação do PT, mas dos movimentos sociais. A Comissão da Verdade estabelece que as prefeituras devem preservar esse trabalho. E eu fui escolhido para fazer parte", diz Marcelo Santa Cruz - FOTO:IGO BIONE/JC IMAGEM

Comentários

Últimas notícias