Investigação

Barroso determina que Senado instaure a 'CPI da Covid'

O ministro Luís Roberto Barroso atendeu a pedido de liminar de dois parlamentares do Cidadania, que alegaram suposta omissão do Senado na instalação da CPI

Agência Brasil Estadão Conteúdo
Cadastrado por
Agência Brasil
Estadão Conteúdo
Publicado em 08/04/2021 às 20:02 | Atualizado em 09/04/2021 às 19:30
NELSON JR./STF
STF Ministro impôs duro revés ao Planalto ao permitir investigação - FOTO: NELSON JR./STF
Leitura:
Atualizada às 23h30
O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta quinta-feira (8) que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), instaure a 'CPI da Covid', que mira ações e eventuais omissões do governo Jair Bolsonaro no combate à pandemia. A decisão atende a pedido formulado pelos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Jorge Kajuru (Cidadania-GO), que questionam a inércia de Pacheco em avaliar o requerimento pela investigação, apresentado há 64 dias, no início de fevereiro.
Ao acionar o STF, Vieira e Kajuru destacaram que, em entrevista ao Roda Vida, Rodrigo Pacheco declarou que a abertura da CPI seria 'contraproducente'. Ao Estadão, o presidente do Senado afirmou que questões como a PEC Emergencial e a retomada do auxílio emergencial são questões mais maduras para discussão na Casa.
"É um direito dos senadores fazer o requerimento da Comissão Parlamentar de Inquérito. No momento oportuno eu vou avaliar a CPI da Saúde, como outros requerimentos que existem no Senado. No entanto, nós temos hoje um obstáculo operacional, que é o Senado Federal com limitação de funcionamento em razão de um ato da comissão diretora que estabeleceu o funcionamento do plenário de maneira remota", afirmou.
Para os senadores, a fala evidencia a "resistência pessoal" do presidente do Senado sobre a abertura da CPI. "Não há qualquer justificativa plausível para a não instalação da CPI", criticam.

Pacheco considera "inapropriada" CPI da covid-19

Pacheco afirmou que é "absolutamente inapropriada" a instalação neste momento de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar eventuais omissões do governo federal no combate à pandemia de covid-19. Na opinião dele, a CPI não fará o papel de investigação cabível ao Ministério Público, à polícia e aos órgãos de controle. Servirá apenas, disse ele, para antecipar a campanha eleitoral de 2022.

"A CPI poderá ser um papel de antecipação de discussão político-eleitoral de 2022, de palanque político que é absolutamente inapropriado para esse momento da nação. Essas foram as razões pelas quais que me fizeram não instalar a Comissão Parlamentar de Inquérito até aqui, mas respeito a decisão do Supremo Tribunal Federal", disse.

Últimas notícias