Eleições 2022

Pesquisa CNT: 48,2% consideram governo Bolsonaro ruim ou péssimo

O levantamento mediu a popularidade do governo federal e da figura do presidente, de uma forma geral e em relação a condução do País durante a pandemia da covid-19

Luisa Farias
Luisa Farias
Publicado em 05/07/2021 às 13:13
Notícia
Isac Nóbrega/PR
Jair Bolsonaro é estreante na lista - FOTO: Isac Nóbrega/PR
Leitura:

A pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), em parceria com o Instituto MDA divulgada nesta segunda-feira (5) aponta que 48,2% dos entrevistados considera o governo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ruim ou péssimo

O levantamento mediu a popularidade do governo federal e da figura do presidente, de uma forma geral e em relação a condução do País durante a pandemia da covid-19. 

Os que consideram a atual gestão ótima ou boa correspondem a 27,7%. Já os que acham um governo regular representam 22,7%. Por fim, os que não souberam opinar são 1,4% dos entrevistados. 

Quando se fala da percepção dos brasileiros sobre o desempenho pessoal de Bolsonaro a frente do Palácio do Planalto, 33,8% apoiam a sua postura, enquanto 62,5% desaprovam. Outros 3,7% não souberam opinar ou não responderam. 

O combate à pandemia desempenhado pelo governo federal é aprovado por 39% dos entrevistados e desaprovado por 57,2%. Um percentual de 3,8% do total de entrevistados não sabe ou preferiu não responder. 

A pesquisa também ouviu a opinião dos entrevistados sobre a demora pela vacinação contra a covid-19 no Brasil. Até este domingo, 12,79% da população brasileira havia tomado as duas doses do imunizante. 

Dos entrevistados, 49% atribuíram ao presidente a responsabilidade pela demora na imunização. Já 5,6% acreditam que o governador do seu estado é o responsável pela lentidão. Outros 1,4% apontam o prefeito da cidade. Há os que apontam os governantes das três esferas como culpados, que representam 24,3%. 

Pesquisa

Para esta pesquisa foram entrevistadas 2.002 pessoas em 137 municípios de 25 estados. De acordo com o estudo, a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.  

Comentários

Últimas notícias