Pernambuco

A grande lição que Bolsonaro vai aprender é que o povo vai receber o Auxílio Brasil e votar contra ele, diz Lula

Petista chegou ao Recife no último domingo (15), dando o pontapé inicial em um giro que realiza pelo Nordeste

Mirella Araújo Renata Monteiro
Mirella Araújo
Renata Monteiro
Publicado em 16/08/2021 às 14:45
BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Lula é o preferido de 28% dos entrevistados na pesquisa para resolver o problema da corrupção - FOTO: BOBBY FABISAK/JC IMAGEM
Leitura:

De passagem por Pernambuco em um giro que iniciou no último domingo (15) pelo Nordeste, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) comentou as mudanças promovidas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no programa Bolsa Família, que passará a se chamar Auxílio Brasil. Em coletiva de imprensa na tarde desta segunda-feira (16) o petista afirmou que ficará feliz se a população pobre do País puder receber mais dinheiro, mas disse que apenas mudar o nome de um programa social é "uma coisa pequena".

"Eu fico feliz se, de verdade, o povo possa receber um pouco mais de dinheiro. Mudar (o programa) de nome é uma coisa pequena. Se você não está bem com o seu marido, não é mudando de nome que você vai resolver o seu problema. Se o Bolsonaro não está bem na sua relação social, não é tentando mudar o nome de um programa social que vai melhorar. Eu jamais vou falar contra qualquer aumento que signifique melhoria na qualidade de vida do povo. O que vai acontecer e a grande lição que ele vai aprender é que o povo vai receber e vai votar contra ele", disparou Lula.

>> Em Pernambuco, Lula fala em viagens pelo Brasil nos próximos 14 meses e diz que ''quem dorme, não ganha eleição''

>> Paulo Câmara diz a Lula que Brasil precisa de frente ampla de esquerda em 2022

>> Campanha de João Campos para prefeito do Recife foi marcada por ataques ao PT. Relembre

>> Após encontro com Lula, João Campos diz que debate eleitoral deve acontecer no próximo ano

>> Lula vai se reunir com Raul Henry nesta segunda no Recife. 'Brasil precisa de diálogo', diz presidente do MDB de Pernambuco

No último dia 9, Bolsonaro entregou ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), a medida provisória que reformula o Bolsa Família, transformando-o em Auxílio Brasil. Na prática, a MP unifica em uma só iniciativa políticas públicas de assistência social, saúde, educação, emprego e renda, tendo como foco apoiar famílias no pós-Auxílio Emergencial. A mobilização do governo federal se dá em um cenário de quedas recorrentes na popularidade do presidente da República, sobretudo por conta da sua condução das ações relacionadas à pandemia de covid-19 no País.

Confira a entrevista coletiva na íntegra:

Na entrevista de hoje, Lula chamou atenção para o fato de que o militar da reserva poderia ter feito essas modificações há mais tempo e relembrou que, já durante a pandemia, o governo tentou distribuir um valor muito menor do Auxílio Emergencial do que o que, de fato, chegou às mãos dos brasileiros. "Não é possível brincar com a pobreza. Esse País brinca com a pobreza há 500 anos. (...) O Bolsonaro poderia ter feito isso há um bom tempo atrás. É importante lembrar que o PT está reivindicando através da nossa bancada um Bolsa Família de R$ 600. É importante lembrar que o Bolsonaro queria dar um auxílio emergencial de R$ 200, nós brigados para que fosse R$ 500 e ele deu R$ 600. Mas a briga foi da oposição no Congresso Nacional. Ele que tenha juízo e ajude esse povo a comer para o povo poder ter força para ir na urna e digitar o nome contra ele", cravou o petista.

EM PERNAMBUCO

Durante a manhã, Lula teve um compromisso no assentamento Che Guevara, do MST, em Moreno, na Região Metropolitana do Recife. No local, ele fez um rápido pronunciamento e disse que o Brasil precisa de um Estado forte, por isso "está na briga".

Ontem, depois de uma série de encontros com líderes de partidos de esquerda pernambucanos, o ex-presidente se reuniu com o governador Paulo Câmara (PSB) e com o prefeito do Recife, João Campos (PT). Oficialmente, o governador afirmou que, na ocasião, teve a oportunidade de "compartilhar nossas ações durante a pandemia, o nosso atual plano de retomada da economia e deixar claro que em 2022, precisamos de uma frente ampla do campo progressista para derrotar Bolsonaro e fazer o Brasil voltar a crescer".

Comentários

Últimas notícias