Eleições 2022

PSB Nacional analisa queixa de deputados federais contra pré-candidato do partido em Pernambuco

Um documento destacando o que diz código de ética do PSB com relação a "lealdade" e "fraternidade", foi entregue ao presidente nacional Carlos Siqueira

Mirella Araújo
Mirella Araújo
Publicado em 16/09/2021 às 16:28
Notícia
PSB/Divulgação
O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira (ao centro), em reunião com os deputados federais da bancada pernambucana do partido - FOTO: PSB/Divulgação
Leitura:

O clima de insatisfação dos integrantes da bancada federal e da cúpula do PSB de Pernambuco, com o suposto avanço do deputado estadual Clodoaldo Magalhães nas bases eleitorais de seus correligionários, visando sua pré-candidatura a deputado federal em 2022, tem pressionado a Executiva Nacional do partido para que haja alguma medida de intervenção. O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, afirmou ao JC que não iria se pronunciar sobre o assunto, mas que essa questão está “em análise no âmbito nacional”.

Ele esteve reunido, nessa quarta-feira (15), com os deputados federais Tadeu Alencar, Milton Coelho, Danilo Cabral e Felipe Carreras. Os parlamentares afirmaram, por meio de suas redes sociais, que trataram das tramitações que ocorrem no Congresso Nacional, a exemplo da reforma administrativa - o PSB fechou questão e orientou os deputados a votarem contra a proposta da PEC 32 -, e também das estratégias das eleições de 2022. Todos fizeram questão de ressaltar nas publicações que os cinco membros da bancada federal pernambucana possuem “trajetórias políticas orgânicas marcadas pela lealdade e fidelidade histórica aos compromissos e valores do partido”.

 

Nos bastidores, há a informação de que nesta reunião, teria sido entregue ao presidente nacional Carlos Siqueira, um documento falando sobre o código de ética do PSB, indicando que o deputado estadual Clodoaldo Magalhães estaria infringindo os incisos IV e VI, que tratam de “velar pela independência, unidade e pelo prestígio do PSB” e “comporta-se com urbanidade, lealdade e fraternidade no relacionamento com os companheiros”. Esta, inclusive, não teria sido a primeira vez que o caso é levado até a nacional.

“Não temos problema com apresentação de candidaturas à Câmara Federal, desde que os candidatos obedeçam as regras de convivência partidária. Quem não cumprir, não pode ter essa convivência conosco”, afirmou um parlamentar, sob reserva.

“Não há problema na pré-candidatura dele, tanto que temos outros companheiros em nosso partido que esses questionamentos não têm sido feitos. Agora, além de avançar em bases que são historicamente de outros parlamentares, existe uma insatisfação com relação a atuação dele no cargo de primeiro-secretário da Assembleia Legislativa”, disparou outro socialista, também sob reserva.

RESPOSTA

O deputado estadual Clodoaldo Magalhães conversou com a reportagem e negou que esteja avançando nas bases que seriam de seus correligionários. Ele também negou que esteja usando a estrutura da 1ª Secretaria da Alepe, responsável pelo Orçamento do Legislativo, com esse tipo de finalidade.

“A minha base é organicamente do PSB. Os prefeitos, vereadores e lideranças políticas que me apoiam são do PSB, são desse campo. Se eu, a partir do momento que decidir, fazer uma sondagem dessas lideranças políticas e decidir que estava no momento de contribuir com essas comunidades, e essas bases foram construídas ao longo de 16 anos que tenho atuado nelas, vai mostrar que a minha atuação é do campo do PSB e eu sou fiel e leal ao meu partido”, afirmou. Natural do município de Palmares, o parlamentar está em seu quarto mandato e tem forte atuação na Mata Sul do Estado.

Ainda segundo Clodoaldo, ele não foi procurado nem pela instância nacional e nem estadual para tratar deste assunto, e que por isso é de causar estranheza ter qualquer tipo de indicação sobre a abertura de um processo disciplinar. “O partido não fez qualquer manifestação oficial”, frisou. Ele também disse que não se surpreende com essa situação e defendeu sua atuação no cargo que ocupa na Mesa Diretora.

“Eu não seria ingênuo de acreditar que iria sair candidato a deputado federal, em bases históricas, e dobrando com deputados federais, que isso não fosse causar incômodo. Claro que isso iria ter consequências”, declarou Clodoaldo. “O cargo de primeiro-secretário me dá a possibilidade de me relacionar com os 48 deputados estaduais e, sendo um bom primeiro secretário, isso me permite fazer composições políticas naturais e legítimas com todos que estão em nosso campo”, disse.

 

 

Comentários

Últimas notícias