PALANQUES

A chapa para disputar o Governo de Pernambuco depende do PSB escolher um candidato, explica Humberto Costa

Enquanto o PSB não se decide, o nome do próprio Humberto chegou a ser colocado para disputar o governo pelo PT

Mirella Araújo
Mirella Araújo
Publicado em 20/01/2022 às 19:00
Dinho Souto
As direções nacionais do PT e do PSB se reuniram para tratar das federações partidárias e dos palanques estaduais - FOTO: Dinho Souto
Leitura:

Com parte das pendências entre PT e PSB sendo destravadas, após a reunião das direções nacionais das duas legendas, nesta quinta-feira (20), os partidos vão iniciar o processo de discussão nas instâncias locais para definir os apoios que serão selados nos estados.

Em Pernambuco, onde será dado o pontapé inicial deste debate, enquanto os socialistas ainda não anunciam quem será o candidato à sucessão do governador Paulo Câmara, o PT tratou de mostrar que tem alternativa para a cabeça de chapa ao aprovar o nome do senador Humberto Costa.

A presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann, disse que o nome do parlamentar petista foi ventilado diante da recusa do ex-prefeito do Recife, Geraldo Julio, em ser o candidato a governador, já é colocado como o nome natural para o cargo.

“O senador Humberto é um nome que tem uma caminhada grande na política, tem respeitabilidade, lá em Pernambuco sempre foi também uma pessoa muito próxima ao PSB, sempre teve as suas alianças com o PSB, nós o colocamos à disposição”, afirmou a dirigente. “Mas entendemos também que o PSB tem o seu tempo, está fazendo um processo de decisão, e obviamente a gente vai acompanhar esse processo", completou, após a reunião.

Questionado pelo JC, se essa questão de uma candidatura majoritária então teria sido superada e se há interesse do partido em lançar nomes para o Senado ou para a Vice, Humberto Costa ressalta que o que ficou de fato acordado nesse encontro foi que PT e PSB “vão sentar e começar a conversar” e que foi apresentado uma proposta alternativa para avaliação da Frente Popular.

“Nós vamos discutir qualquer coisa relativa ao que não seja o cargo da majoritária, quando houver uma definição do PSB. Na próxima semana, vamos fazer uma reunião envolvendo a direção local e nacional do PT e PSB para buscar um entendimento”, explicou o parlamentar.

O senador pernambucano considerou positivo o encontro desta quinta-feira, já que as últimas tentativas de diálogos para se avançar nas composições estaduais acabaram tensionando o clima entre socialistas e petistas. “Foi positivo porque serviu para que tenha sido substituído o clima que foi mais conflituoso na outra reunião. Houve a busca de soluções e encaminhamentos importantes”, declarou Humberto Costa.

Entretanto, o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, já deixou claro que espera reciprocidade após os apoios formalizados hoje no encontro. “O PSB vai apoiar candidatos petistas na BA, SE, PI e RN. Temos palanque a oferecer no MA e AL. Há que se ter reciprocidade na construção da unidade política. Vamos iniciar com o PT uma rodada de reuniões nos Estados para aprofundar o debate sobre os nomes aos governos estaduais”, declarou o dirigente nas redes sociais.

Vice-presidente nacional do PSB, Paulo Câmara também participou do encontro e foi apontado como uma peça importante para apaziguar os ânimos entre os dois partidos. Nas redes sociais disse que foi reforçada “a formação de uma frente ampla, em torno da candidatura de Lula à presidência”. “Sobre as alianças locais, as discussões serão em cada estado, começando por Pernambuco na próxima semana”, pontuou.

Tratativas

Nas últimas semanas, ao iniciar as conversas sobre quem será o candidato a governador indicado pelo PSB, Paulo Câmara esteve à mesa por duas vezes com Humberto Costa. Entre os nomes que estão sendo cotados estão: o secretário da Casa Civil, José Neto, e os deputados federais Tadeu Alencar e Danilo Cabral.

Na próxima semana, além de conversar com petistas, o governador também tentará concluir a primeira fase das escutas com os partidos aliados. Reuniões de Paulo com MDB, PDT e o Solidariedade (SD) ainda são esperados. O governador, inclusive, já deverá sentar novamente com o presidente estadual do SD, deputado federal Augusto Coutinho, na segunda-feira (24).

Comentários

Últimas notícias