06
jan

Pernambuco no WCT após 10 anos

06 / jan
Publicado por Alexandre Gondim às 21:24

Blog_Ian Gouveia Açores
Pernambucano e torcedor do Sport Club do Recife, Ian Gouveia é o sucessor de Paulo Moura, que deixou o CT em 2007, isto é: Depois de 10 anos Pernambuco será representado entre os melhores competidores do mundo. Ele foi o único brasileiro classificado este ano
blog_paulo-moura-wsl
Paulo Moura hoje corre só alguns campeonatos no WQS e ocupa o 126º posto. Foto: WSL
” Eu conheço o Ian desde que ele era bebe, Fabinho sempre levou a família pelo tour e como éramos pernambucanos estávamos sempre juntos!Vi ele crescer e estou muito impressionado com sua evolução nos últimos anos. Ele tem o DNA do Fabinho, o nosso guerreiro-héroi nordestino. Ian Batalhou com humildade e determinação conseguindo seu lugar ao sol sem precisar usar o brilho do seu Pai.Sinto orgulho do ser humano que ele se tornou e fico muito feliz que Pernambuco novamente tem um representante no WCT! Fabinho e Elka fizeram um excelente trabalho! Festejou Paulo Moura.
fabio-gouveia
Fábio Gouveia (na foto acima) logo percebeu que para ter sucesso no circuito mundial precisaria de uma estrutura para permanecer no circuito.
Juntou toda a família e começaram a viajar juntos para as etapas do CT.
Lembro que na época muitos criticavam e lembro bem que Elka Gouveia, esposa de Fabinho, precisou até escrever um texto para as revistas especializadas se colocando e detalhando o bem que esta prática fazia para o controle emocional do competidor.
blog_ian-gouveia-e-familia
Nesse “balaio de gato” estava Ian, filho do casal, que acaba de conquistar sua vaga pra representar a família Gouveia novamente no “Tour dos Sonhos” de qualquer competidor da Terra.
Portanto: Elka e Fabinho estavam certos. Além de dar longevidade a carreira do nosso  “Fábio Fabuloso” conseguiu dar ao filho a familiaridade nas competições pelo mundo.
Resultado: Ian Gouveia classificado para primeira divisão do surfe mundial.
Ian Gouveia Laurent Massurel
Sobre seu acesso Ian fala:
” – Muita vontade de chegar lá e conquistar meu espaço. Estou me preparando demais, tanto fisicamente quanto mentalmente, treinando o máximo possível. Sei que o nível é ainda mais difícil, mas, essencialmente, vou procurar fazer o que vim fazendo este ano. Nenhum segredo específico. Em time que está ganhando não se mexe. Com muita humildade, minha primeira intenção é lutar pelo “rookie of the year” (Prêmio de estreante do ano da WSL).
“Sobre a relação com Fabinho Ian diz:
” – Eu costumava viajar com o meu pai, que estava em turnê durante os anos 90, e ver todos competir. Lembro-me de ver ele competir contra Kelly Slater. Se o meu pai não estava contra ele, eu estava sempre torcendo pra Kelly. Estou contente por ter qualificado agora e começar a competir contra ele, também.”E complementa: – Como meu pai levava a gente pelos campeonatos ao redor do mundo, acho que ele foi um dos pioneiros a fazer isso, sempre vi campeonatos, conheci surfistas e sempre gostei muito deste ambiente. Meu pai não se intromete muito nas minhas coisas. Na competição ele é muito tranquilo. Quando eu vou competir, ele só dá os toques que ele acha, dá opinião, mas sempre diz pra eu seguir minha intuição dentro d´água”.E fala sobre sua família: “- Com certeza elas vêm comigo. Essa foi a inspiração que me trouxe até o CT. Quero que elas possam desfrutar da vida pelo mundo ao meu lado. Essa é a vida que levarei com muito prazer de proporcionar o mesmo a elas”.
ian-gouveia
Em recente entrevista Fábio Gouveia, que competiu profissionalmente por 22 anos e agora se dedica a fabricar pranchas, inclusive para o filho, divulgou:  “- Participo da construção profissional dele, mas não tão diretamente. Não sou um técnico que o acompanha 24 horas. Meus ensinamentos são de pai. Contribuo com o que já vi e vivi.  Acho que ele está preparado. Vai chegar uma semana antes aos locais dos eventos.
 e fala sobre sua família: “- Com certeza elas vêm comigo. Essa foi a inspiração que me trouxe até o CT. Quero que elas possam desfrutar da vida pelo mundo ao meu lado. Essa é a vida que levarei com muito prazer de proporcionar o mesmo a elas”.
Em recente entrevista Fábio Gouveia, que competiu profissionalmente por 22 anos e agora se dedica a fabricar pranchas, inclusive para o filho, divulgou:  “- Participo da construção profissional dele, mas não tão diretamente. Não sou um técnico que o acompanha 24 horas. Meus ensinamentos são de pai. Contribuo com o que já vi e vivi. Acho que ele está preparado. Vai chegar uma semana antes aos locais dos eventos.
Veja video  de Ian em suas postagens  no Instagram:


Veja também