09
jul

Avenida Mário Melo, no Recife, ganhará ciclofaixa permanente até setembro

09 / jul
Publicado por Roberta Soares às 11:00

Ilustração de Ronaldo Câmara mostra a futura ciclofaixa: unidirecional, ao lado do canteiro central da via, ao longo da Avenida Mário Melo e Rua dos Palmares, em Santo Amaro, área central da capital

 

O processo é lento e ainda estamos muito distantes de alcançar os 100 quilômetros de ciclofaixas prometidos ainda na primeira gestão do prefeito Geraldo Júlio na Prefeitura do Recife, quem dirá os 500 quilômetros de malha ciclável previstos no Plano Diretor Cicloviário (PDC) da Região Metropolitana do Recife (RMR). Mas lentamente a bicicleta vai conquistando um espaço aqui, outro ali, no sistema viário da cidade, dominado pelo automóvel. Até o fim de setembro, a promessa do município é implantar uma ciclofaixa na Avenida Mário Melo e na Rua dos Palmares (continuação da primeira), em Santo Amaro, área central da capital.

Nas duas vias já funciona um trecho da rota norte da ciclofaixa móvel de turismo e lazer, na pista sul, próximo ao canteiro central e com sentido bidirecional (duas direções). Mas pelo projeto da Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU), esse equipamento não será oficializado. A ciclofaixa prevista para ser implantada será unidirecional, com uma faixa instalada em cada uma das pistas da Mário Melo e da Rua dos Palmares, ao lado do canteiro central. Terá 1,4 quilômetro em cada sentido. Como é ciclofaixa, a segregação física do tráfego de veículos será feita por tachões.

LEIA MAIS
Ameciclo defende que ciclofaixas móveis do Recife virem permanentes
Ciclofaixa de Jardim São Paulo permanece só na promessa
Nova rota de bikes do Recife tem falhas, mas agrada
Com vocês, o novo sistema Bike PE

 

“A ciclofaixa terá início no cruzamento com a Rua da Aurora, fazendo a conexão com o Eixo Estruturador Cicloviário Camilo Simões (equipamento com 5 quilômetros que liga o Bairro do Recife à Fábrica Tacaruna, no limite do Recife com Olinda), e término na Rua dos Palmares, nas proximidades do cruzamento com a Avenida João de Barros (altura do Hospital Oswaldo Cruz). Embora seja um percurso pequeno, ela fará conexão com um equipamento importante que é o Eixo Camilo Simões. Mostra que não estamos fazendo algo isolado”, destacou o gerente de engenharia de tráfego da CTTU, Gustavo Sales.

Futuro equipamento terá 1,4 quilômetro em cada sentido e se conectará com o Eixo Cicloviário Camilo Simões, na Rua da Aurora. Confira em mais uma ilustração feita por Ronaldo Câmara

A Associação Metropolitana dos Ciclistas da RMR (Ameciclo) conheceu a proposta durante conversa com o gerente e lamentou o fato de o novo trecho não ter um prolongamento até a Avenida Agamenon Magalhães, o que representaria cerca de 500 metros a mais. Mas, mesmo assim, a entidade que luta pela implantação da malha cicloviária no Grande Recife comemorou a iniciativa.

“Quanto maior e mais conectada, melhor é uma rede cicloviária. Atrai mais ciclistas porque oferece segurança. E o ideal era que a rota da Mário Melo chegasse à Agamenon Magalhães porque atenderia bem aos moradores de bairros da Zona Norte, especialmente do Espinheiro, por exemplo. Mas ela tem o fato positivo de estar conectada com a Rua da Aurora, o que mostra uma rota com sentido, com conexão e não um trecho isolado”, avalia Cezar Martins, cicloativista e integrante da Ameciclo.

CONEXÃO
Para a entidade, é importante que essa conexão com a Agamenon Magalhães, por exemplo, aconteça em breve. “Esperamos que seja a próxima etapa porque a rota da Mário Melo vai atrair muitos ciclistas que hoje pedalam em vias próximas, como a Visconde de Suassuna. Será um caminho seguro para quem quer chegar ao Bairro do Recife, por exemplo”, acrescenta Cezar Martins. Pelo menos por enquanto, a CTTU diz não ter previsão para fazer o prolongamento.

“Vontade nós temos, mas faltam recursos. Esse é o nosso problema. Não nos falta sensibilidade à política da ciclomobilidade. Só que o orçamento é limitado e ainda temos que destiná-lo à manutenção das rotas existentes, que precisam ter a sinalização reforçada periodicamente”, justifica Gustavo Sales. Atualmente existem 47 quilômetros de ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas na cidade do Recife, sendo 18 quilômetros implantados pela atual gestão e cerca de cinco quilômetros implantados pelo governo do Estado em parceria com a Prefeitura do Recife.


Veja também