01
abr

Gravatá tem passeio de cavalo pra todos os gostos

01 / abr
Publicado por Leonardo Vasconcelos às 8:17

Foto: Allan Torres

 

Pensar em Gravatá e imaginar um cavalo não é exagero. Pelo contrário, é mais do que esperado. Afinal a cidade tem uma identificação tão grande com o animal que também é conhecida como a Terra do Cavalo. O título se justifica pelos mais de 110 haras espalhados no município e os vários eventos voltados para a criação eqüina, além da verdadeira paixão dos moradores por cavalgar. Com tantos atributos assim claro que uma das dicas do #BlogMochileo seria curtir uma trilha a cavalo e interagir com a rica natureza de Gravatá.

 

 

A cidade se destaca nacionalmente pelos grandes criatórios de Manga larga marchador e Quarto de Milha, entre outras raças. É reconhecida como celeiro de belos e fortes animais, inclusive campeões de concursos. Eventos como vaquejadas, feiras, cavalgadas e Festa do Cavalo já fazem parte do calendário de turismo de lazer e negócios. É difícil passear na cidade e não se deparar com haras, fazendas de criação e centros hípicos. Tudo na cidade parece girar em torno do animal.

 

 

Um projeto criou sete opções de trilhas no município: Montanha, Serra da Limeira, Estrada Velha de Chã Grande, Vale do Caruá, Caroatá, Bela Vista e Rio Ipojuca. Cada uma tem uma proposta e um charme diferente. A duração e os níveis de dificuldade são variados, mas todas valem a pena. Inclusive, se não quiser seguir nenhuma deles e fazer um roteiro próprio na hora pelo simples prazer de cavalgar também é uma boa pedida. Foi o que fizemos.

 

 

A primeira tarefa é providenciar o cavalo e, acredite, estando em Gravatá isso nem de longe será um problema. Com a grande concentração de haras arranjar um bom animal é tarefa das mais fáceis. Basta perguntar a qualquer pessoa que logo se encontra um local. Os preços são bem variados mas giram em torno de R$ 30 por pessoa por um passeio de duas horas em média. Os cavalos são dóceis e próprios para o passeio. Ou seja, não precisa ter experiencia nenhuma para montar. Além disso, sempre vai um guia acompanhando e todas as instruções são passadas antes.

 

 

Nós fizemos o passeio tanto na área urbana, como na rural de Gravatá e ambos são bem legais. Só em sair da agitação das metrópoles e se deixar levar pelo trote do cavalo já é uma terapia. O ar puro e o verde ao redor também ajudam nesta sensação de paz. Aqui a tranquilidade galopa a vontade. Recomendamos fazer o passeio logo no começo da manhã ou no fim da tarde para apreciar um belo por-do-sol montado. Neste último caso a dica é ir até o Cristo Redentor, localizado no Alto do Cruzeiro, onde pode se ter uma ampla e alaranjada visão da cidade no crepúsculo.

 

Cavalo

 

Todavia se não quiser ter essa experiência na “rua” vários hoteis disponibilizam passeios de cavalo internamente. É o caso do Hotel Portal de Gravatá, onde encontramos o pastor André Moraes, de 38 anos, que veio com a família de Campina Grande, na Paraíba. “Na minha adolescência eu cheguei a andar de cavalo um pouco, mas aqui pela primeira vez eu tive essa experiência especial de montar junto com meu filho de 6 anos. Indico que outros pais façam o mesmo para ter essa sensação única”, contou André.

 

 

REDES SOCIAIS:

*Acompanhe o @blogmochileo também pelo Instagram, Twitter, Facebook e Youtube.

 


Veja também