13
nov

Crônica de uma morte anunciada: Itália está fora da Copa de 2018

13 / nov
Publicado por Marcos Leandro às 18:52

Foto: Miguel MEDINA / AFP

 

A Itália, desta vez, se comportou como uma tetracampeã mundial. Pressionou a Suécia, mesmo que muitas vezes de forma desorganizada. Mesmo assim, a Squadra Azzurra está fora da Copa do Mundo. Em um Giuseppe Meazza lotado, com mais de 70 mil pessoas, a seleção italiana ficou no 0x0 com os suecos, que venceram o jogo de ida da repescagem europeia por 1×0 e estão de volta à Copa – a seleção não participava desde 2006.

Desta forma, a Itália repete o fiasco de 1958, quando parou nas Eliminatórias e não avançou para o Mundial na Suécia – o Brasil ganhou sua primeira Copa naquele ano. Em 1930, a Azzurra não se inscreveu para a Copa no Uruguai. São 18 participações em Mundiais, com quatro títulos: 1934/1938/1982 e 2006.

 

 

O fiasco sinaliza a péssima trajetória dos italianos pós o título de 2006. Na Copa de 2010, na África do Sul, a Azzurra foi eliminada na primeira fase, ficando em último lugar em um grupo que tinha Paraguai, Eslováquia e Nova Zelândia. No Brasil, em  2014, repetiu da dose, ficando em terceiro na chave que tinha Costa Rica, Uruguai e Inglaterra.

A saída nas Eliminatórias só expõe ainda mais os problemas do futebol italiano. Em âmbito nacional, as temporadas ruins de Milan e Internazionale deixaram o Campeonato Italiano sem competitividade. Tanto que a Juventus é a atual hexacampeã nacional. O Calcio, que era o principal campeonato europeu nos anos 1980 e 1990, hoje está bem atrás da Premier League inglesa e do Campeonato Espanhol.

Está na hora de observar o que a rival Alemanha fez. Só assim a Itália pode recuperar o prestígio perdido.

 

Foto: Marco BERTORELLO / AFP

 

O JOGO

Com seu bom trio de zagueiros formado por Barzagli, Bonucci e Chiellini, além de Immobile no comando do ataque, mas Insigne no banco, a seleção italiana fez o esperado e iniciou o jogo pressionando a Suécia. A falta de qualidade na troca de passes, contudo, era evidente.

Recuada e apostando nos contra-ataques, a Suécia não tinha grandes dificuldades para neutralizar o ataque adversário. Tanto que a primeira chance italiana veio apenas aos 26: Immobile recebeu de Jorginho, cruzou rasteiro, a bola atravessou a pequena área e ninguém apareceu para empurrar. Candreva ainda aproveitou e finalizou por cima.

Jogador mais perigoso da seleção italiana, Immobile seguia se movimentando bem. Aos 39, novamente dentro da área, ele recebeu, girou e bateu prensado com o goleiro – Lustig afastou antes que a bola entrasse.

A tônica da partida permaneceu a mesma no segundo tempo: enquanto a Suécia recuava, a Itália tentava evitar o vexame com uma pressão atabalhoada. Ainda assim, quase abriu o placar com um golaço aos oito minutos, quando Florenzi acertou belo voleio. A bola saiu rente à trave esquerda.

A tensão, então, passou a aumentar a cada minuto. A seleção italiana ainda acertou o travessão, em cruzamento de Florenzi que desviou na zaga. Era pouco. Com uma grande dificuldade de criação, a equipe protagonizou um vexame histórico e ficará fora de uma Copa após 60 anos.

Será, ainda, a única campeã mundial não classificada para a Copa da Rússia. O Mundial de 2018 conta agora com 29 seleções classificadas. Além da Suécia, estão confirmados Egito, Nigéria, Senegal, Marrocos, Tunísia, Rússia (país-sede), Brasil, Bélgica, Inglaterra, França, Alemanha, Islândia, Polônia, Portugal, Sérvia, Espanha, Argentina, Colômbia, Uruguai, Costa Rica, Panamá, México, Irã, Japão, Coreia do Sul, Arábia Saudita, Croácia e Suíça, estas duas últimas também garantidas na repescagem europeia.


Veja também