18
dez

Gabriel Medina conquista o Havaí

18 / dez
Publicado por Alexandre Gondim às 14:24

Nas fotos o dia de Gabriel Medina. Fotos:  @WSL

Paulista vence o circuito mundial e o Pipe Masters, o mais cobiçado troféu entre os melhores do mundo, e se consagra como o primeiro brasileiro a vencer duas vezes o circuito dos sonhos.

Enquanto Jessé Mendes reinou no meio dos locais hawaianos e conquistou o título da Tríplice Coroa havaiana, fechando um dia glorioso para o surfe brasileiro.
De uma só vez, Medina confirmou o título de 2018 nas semifinais, ao barrar o sul-africano Jordy Smith, quando também garantiu Jessé Mendes como campeão da Tríplice Coroa e depois bateu Julian Wilson na final do Billabong Pipe Masters finalizando a temporada 2018 dominada pelos brasileiros, que venceram nove das onze etapas do CT da WSL.

“Eu trabalhei muito esse ano. Foi um ano intenso e estou feliz agora que deu tudo certo”, foram as primeiras palavras de Medina, que vai completar 25 anos de idade agora em 22 de dezembro, logo após garantir seu segundo título mundial nas semifinais. “Ver toda minha família e amigos felizes indo me pegar no mar, com orgulho de mim, me deixa muito feliz. É isso que me faz vir aqui e fazer o meu melhor sempre. Só tenho que agradecer a Deus e eu tive fé até o final. Eu vi os caras da bateria anterior pegando altas ondas, então mantive a calma no início e estou amarradão. Isso é para o Brasil”.

E continua: “Todo mundo está aumentando os limites. O nível está altíssimo. Todos são muito bons e isso é o que me incentiva a treinar mais, surfar mais. Essa é a minha motivação, pois quero estar sempre no mesmo nível deles. Foi incrível vir para Pipeline disputar o título com o Julian e com o Filipe. São duas pessoas incríveis, grandes surfistas, sou fã dos dois e foi um ótimo ano para mim, porém muito longo e muito intenso”.
Medina teve que mostrar toda sua técnica em surfar os tubos de Pipeline e Backdoor, para vencer sem depender de outros resultados. Foi pressionado nas duas baterias mais decisivas.

Nas quartas de final, o californiano Conner Coffin pegou três tubos seguidos no Backdoor nos 5 primeiros minutos, deixando o campeão em combinação, precisando de duas notas boas para liderar. Mais em dois minutos Medina virou o jogo com duas ondas seguidas surfadas de forma espetacular. A primeira foi um tubo difícil em Pipeline, que ele finalizou com um aéreo muito alto para ganhar 9,43. A segunda foi um tubaço de “grabrail” no Backdoor incrível, que valeu a primeira e única nota 10 do Pipe Masters esse ano. Com ela, fez um novo recorde de 19,43 pontos, contra os 14,26 do californiano.

Já nas semifinais, o sul-africano Jordy Smith também largou na frente com notas 7,33 e um 8,50 num tubão no Backdoor logo nas duas primeiras ondas. Medina começou com 7,17 e fez um 6,33 em outro tubo em Pipeline, como não entraram muitas ondas, a escolha das melhores ganhou peso decisivo. Foi quando o surfista criado nas ondas pesadas de Maresias, em São Sebastião, achou outro tubaço no Backdoor como nas quartas de final, sumiu na cortina d´água, as “placas” foram quebrando à sua frente e ele conseguiu sair para ganhar 9,10 dos juízes. Jordy também pegou mais um tubo, mas Gabriel Medina confirmou o bicampeonato mundial vencendo por 16,27 a 15,83 pontos.

Com o bicampeonato garantido o título do Pipemasters virou o foco do “moleque”. Na final, ele deu mais um espetáculo no desafio dos dois melhores surfistas da temporada. Medina já havia perdido para Julian Wilson na decisão de 2014, quando igualmente chegou na final como primeiro surfista brasileiro a ser campeão mundial. Desta vez, conseguiu a vitória com mais um show para a torcida que lotou as areias de Pipeline.

Julian começou a final com um tubo rápido no Backdoor, já mostrando o caminho preferido que o levou até ali. O objetivo de Medina era Pipeline e foi onde pegou um tubaço logo na primeira onda, ficando entocado lá dentro e saindo na baforada com nota 8,43. Depois, a batalha se concentrou nas direitas do Backdoor. O australiano completou um tubo muito difícil que valeu 8,77, mas Medina deu o troco com a mesma nota para se manter na frente pegou outro tubaço ainda mais fantástico, ficou muito profundo, quando ia fechar, ele ressurgir de forma impressionante da onda que recebeu 9,57 dos juízes e confirmou seu primeiro título de campeão do Billabong Pipe Masters, por 18,34 a 16,70 pontos.

Julia Wilson, Medina e Jessé Mendes

“Todos os meus ídolos venceram este campeonato e estou feliz por ter conseguido também”, disse Gabriel. “Ganhar este evento é um pouco diferente e eu realmente queria vencer aqui. Trabalhei muito duro para isso, então estou muito feliz. Foi uma boa final. O Julian é o adversário mais difícil de enfrentar e tive sorte em pegar duas ondas muito boas. Ele me venceu na final aqui anos atrás, agora ganhei e isso é bom. Eu quero agradecer a todos que vieram aqui assistindo o campeonato e fico feliz em fazer um show tão bom para vocês. Eu trabalhei muito e estou feliz por fazer parte da história”.


Veja também