CRIATURAS DO ZOO

Dois Irmãos: macacos desaparecidos por 300 anos podem ser observados

Macaco-prego-galego é típico de quatro Estados do Nordeste

Amanda Rainheri
Amanda Rainheri
Publicado em 14/05/2017 às 11:30
Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
FOTO: Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
Leitura:

Ele passou 300 anos desaparecido, até ser identificado em 2008. Típico dos estados do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas, o macaco-prego-galego pode ser observado no zoo de Dois Irmãos, na Zona Oeste do Recife, desde 2010. A colônia inicial, composta de 6 macacos, foi trazida de um centro de referência da Paraíba.  

>> Dois Irmãos: conheça Leo, um rei traumatizado à procura de um amor

>> Sena: um dos moradores mais antigos do Parque de Dois Irmãos

>> Dois Irmãos tem segunda maior coleção do País em espécies de abelha

Em 2016, nasceu o primeiro filhote em cativeiro do parque. Para os bebês, há um projeto especial em curso: a construção de um recinto no meio da mata, fora do circuito de visitação, para que os animais possam ser reinseridos na natureza.  "Vai ajudar na adaptação. O objetivo é que eles sejam treinados para estarem em seu habitat natural", explicou a veterinária Luciana Rameh.

BANCO GENÉTICO

Para ela, uma das funções de um zoológico é servir como banco genético, para que uma espécie não volte a desaparecer da natureza.   

Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
Macaco-prego-galego passou 300 anos desaparecido e pode ser observado hoje no parque - Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
Sena completa 60 anos em agosto e é o chimpanzé mais velho do Brasil de que se tem notícia - Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
Leo é o único sobrevivente da tragédia do Circo Vostok - Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
O zoo de Dois Irmãos abriga segunda maior coleção do Brasil em espécies de abelha - Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
Pingo é uma raposa com defeito de nascença na pata e não sobreviveria fora do zoo - Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
O zoo abriga uma das 150 araras-bolivianas existentes no mundo - Foto: Ricardo Labastier/ JC Imagem
Foto: Divulgação
Pota aprendeu a abrir a boca e deixar o tratador escovar seus dentes - Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
A águia-chilena foi vítima de caçadores e tem balas de chumbo alojadas nas asas - Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
A tigresa desenvolveu gastrite devido ao estresse do dia a dia - Foto: Divulgação

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias