TRADIÇÃO

Saiba por que ganhamos doces no dia de São Cosme e Damião

Nesta terça-feira (27), dia dos Santos Cosme e Damião, é o dia marcado pela distribuição de doces em Pernambuco

JC Online
JC Online
Publicado em 27/09/2016 às 16:58
Arte: Guilherme Castro/NE10
Nesta terça-feira (27), dia dos Santos Cosme e Damião, é o dia marcado pela distribuição de doces em Pernambuco - FOTO: Arte: Guilherme Castro/NE10
Leitura:

Maria-mole, pirulito, confeitos, jujubas. Nesta terça-feira (27), a tradição de distribuir doces a crianças toma conta das ruas e casas de Pernambuco. Em Igarassu, cidade protegida pelos Santos Cosme e Damião, a tradição é ainda mais forte, e a resposta para isso pode estar no sincretismo religioso.

"Quando os africanos chegaram ao Brasil como escravos, eles foram proibidos de praticar sua religião e rituais. Dessa forma, eles começaram a associar suas entidades a figuras do catolicismo. Assim, São Cosme e Damião foram associados a entidades crianças, para as quais eram ofertados doces", explica a historiadora e professora da Faculdade dos Guararapes 9FG), Marcela Martins. Segundo a docente, a partir de então, a religião católica aderiu à tradição, que se tornou amis forte com o tempo.

Entre as famílias, a tradição continua forte. Desde 1986, quando a saúde da mãe estava debilitada, Eliete Moraes, 86, passou a ofertar os doces às crianças. Neta e filha a ajudam na confecção dos 'saquinhos'. Ao lado dela (Eliete), eu e minha mãe ajudamos na montagem e distribuição, lembro de ter uns 6 anos e já colaborar montando os saquinhos", explica Gabriela Monteiro, neta de Dona Eliete.

A família já chegou a montar 400 saquinhos com cerca de 12 itens cada. "entregamos os doces a crianças de até 10 anos e, segundo a tradição, meninas que já mestruam não podem receber os doces, já são 'mocinhas', lembra Gabriela.

Tradição e comércio

A corrida pela compra dos doces para a confecção dos kits de São Cosme e Damião parece não estar tão disputada como em anos anteriores, pelo menos é o que sentem alguns lojistas. " A procura não é mais como antigamente, aqui na minha loja se vieram 10 pessoas na manhã desta terça-feira em busca de doces para os santos, foi muito. Lamenta Josemir Miranda, dono de uma bomboniere no bairro de Areias, Zona Oeste do Recife.

Segundo Josemir existem razões para que a procura tenha diminuido. "Com o passar dos anos, acho que as pessoas foram perdendo o interesse. Os jovens não se importam tanto, foram deixando para trás esse costume, e as pessoas de outras religiões, como os evangélicos, não acreditam na tradição", conta.

História

São Cosme e São Damião eram irmãos gêmeos e médicos, que viveram no Oriente. Após a conversão, eles passaram  a ser missionários, ams foram perseguidos, presos e decapitados por se recusarem a abandonar a fé. Os santos são padroeiros dos farmacêuticos, médicos e das faculdades de medicina, além de serem considerados protetores dos gêmeos e das crianças.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias