Virou réu

Justiça recebe denúncia contra jovem que matou três em acidente

MPPE foi intimado a se pronunciar sobre conversão da prisão preventiva do rapaz em domiciliar

Margarette Andrea
Margarette Andrea
Publicado em 13/12/2017 às 6:06
Felipe Ribeiro/JC Imagem
MPPE foi intimado a se pronunciar sobre conversão da prisão preventiva do rapaz em domiciliar - Felipe Ribeiro/JC Imagem
Leitura:

O juiz Ernesto Bezerra Cavalcanti, da 1ª Vara do Júri da Capital, recebeu na terça-feira (12) a denúncia do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) contra o jovem João Victor Ribeiro de Oliveira Leal, 25 anos – responsável por acidente de trânsito na Tamarineira, Zona Norte do Recife, no dia 26, que deixou três pessoas mortas e duas gravemente feridas. Agora ele é réu no processo judicial e vai responder por triplo homicídio doloso duplamente qualificado e duas tentativas de homicídio.

O juiz também mandou que o MPPE se pronuncie a respeito de pedido do advogado de João Victor para que sua prisão preventiva seja convertida em prisão domiciliar. A solicitação – feita sob alegação de que ele precisa de tratamento para dependência química – havia sido negada anteriormente, por falta de elementos.

O magistrado ainda determina que João Victor seja citado para responder à acusação por escrito e por meio de advogado no prazo de dez dias. E intima o MPPE a indicar assistência de acusação, que deverá ser feita pelo advogado André Caúla. “Vamos sustentar os termos da denúncia, trabalhando em consonância com o Ministério Público e buscando a condenação do réu nos crimes tipificados pela promotoria”, adianta.

ENDURECIMENTO

João Victor foi indiciado pela Polícia Civil por triplo homicídio doloso e dupla lesão corporal grave, crimes que dariam pena de até 70 anos. O MPPE endureceu a tipificação, salientando que ele estava alcoolizado, em excesso de velocidade (a 108 km/hora), em via de grande movimento, colocando muitas vidas em risco, sem possibilidade de defesa. Com isso, a pena sobe para mais de cem anos. O órgão ainda pediu a manutenção da prisão preventiva e suspensão da habilitação e posterior declaração de inabilitação para dirigir, além de julgamento por júri popular.

No acidente, morreram Maria Emília Guimarães, 39 anos; o filho Miguel Neto, 3; e a babá Roseane Maria de Brito, 23, grávida de três meses. O marido de Emília, Miguel Filho Motta Silveira, 46, recebeu alta hospitalar no domingo e a filha do casal, Marcela Motta, 5, continua internada na UTI do Hospital Santa Joana, em estado grave, mas clinicamente estável.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias